sexta-feira, 3 de novembro de 2006

[House] - 3x01 – “Meaning”

Primeiro, as apresentações. Meu nome é Allan e fui convidado para fazer parte da equipe de comentaristas do blog pelo Ribas. Comentarei House e, eventualmente, alguns filmes também.
Agora, falemos de House. A terceira temporada começa com Meaning, episódio onde House trata dois pacientes, ambos com paralisia. Um deles é Richard McNeil, que ficou preso a uma cadeira de rodas após uma cirurgia para a retirada de um tumor no cérebro e que se atirou em uma piscina. O outro é Caren, que ficou paralisada após um exercício de Yoga, mesmo não apresentando dano espinhal. De modo geral, o episódio foi apenas mediano, os personagens pareceram um pouco perdidos, mas trouxe alguns conflitos interessantes.

O episódio se passa dois meses após o início do tratamento com a cetamina. Ficamos sabendo que o atirador não foi pego, ficando como lembrança uma mancha de sangue no carpete. O tratamento funcionou e House está apresentando um comportamento diferente. Vemos isso logo na parte inicial do episódio, quando House sugere uma cirurgia nos tendões para deixar Richard mais confortável. Alguém conseguiria imaginar House pensando no conforto do paciente?
House recebendo um “obrigado” também é algo inesperado. Até o próprio ficou sem jeito.

Merece destaque a cena em que House convida a Cameron para sair. Frente à negativa dela, House sorri e afirma que ela só estava interessada nele por causa da sua deficiência e, agora que ele está saudável, ela não tem nada para curar.


Sobre os casos, o da Caren me pareceu desnecessário. Foi resolvido rapidamente, antes da metade do episódio, sendo diagnosticado como escorbuto. O caso mais interessante é mesmo o de Richard. Fiquei com dúvidas sobre o que levou House a escolher esse caso, que parece ser uma tentativa de suicídio sem nenhum grande mistério, afinal a paralisia parece ser resultado da operação para retirada do tumor. Seria uma necessidade de criar um mistério somente para entreter-se, ou uma necessidade de ajudar um ser humano, resultante do novo comportamento do House após a cirurgia?

Voltando ao caso do Richard, após ouvi-lo gemer, House acredita que há algo de errado com ele e começa a encarar o caso como um de seus desafios, tentando encontrar o que os outros médicos não viram em todo esse tempo.

Próximo ao fim do episódio e após algumas tentativas de diagnóstico, House decide que o paciente possui desregulagem hipotalâmica, o que o impedia de controlar sua temperatura corporal e o levou a jogar-se na piscina. Além disso, House suspeita que o problema maior do paciente é que, devido ao mau funcionamento do hipotálamo, as glândulas supra-renais não estão produzindo o suficiente do hormônio cortisol, resultando na chamada doença de Addison. House quer dar uma injeção de cortisol no paciente, para ver se há alguma melhora. Cuddy veta a decisão. House discute com Cuddy e, após ela dizer que o diagnóstico era apenas um palpite, afinal nenhum sintoma apontava claramente para ele, aceita a decisão dela.
Porém, Cuddy decide ver se House está certo, e dá uma injeção de cortisol no paciente. Miraculosamente ele melhora. Ponto para o House.

Cuddy quer contar os resultados para House, mas Wilson acha melhor que não. House apenas teve sorte e da próxima vez pode acabar matando alguém com seus palpites. Ao final do episódio vemos House entrar no escritório do Wilson e escrevendo uma prescrição de Vicodin para si mesmo. Será a volta das dores?



Allan

Nenhum comentário: