domingo, 4 de novembro de 2007

[House] 3x05 "Mirror Mirror"

Mirror Mirror foi um bom episódio e também curioso, pois o caso foi um pouco diferente do comum: o atrativo não foi nem a corrida por um diagnóstico correto, nem os dilemas do paciente, mas sim que informações ele poderiam nos dar sobre os candidatos. Além disso, tivemos também a volta de Foreman a equipe de House, o que levou a uma queda de braço entre ele e Cuddy.

O paciente da semana é um homem sem memória e documentos, o que traz dificuldades para a equipe para saber o que há de errado com ele. Após alguns poucos testes, descobre-se que o paciente possui "síndrome do espelho", o que o leva a inconscientemente copiar características e particularidades de outros para lidar com a perda de memória. Os roteiristas usam isso para nos mostrar um pouco mais de cada um dos candidatos (com exceção do Mórmon). Porém, as revelações mais importantes que tivemos não foi de nenhum dos candidatos, mas sim de Foreman.



A afirmação de Foreman que ele estava infeliz trabalhando com House realmente me convenceu, tanto que eu fiquei surpreso quando foi revelado que ele gostava do trabalho. Ele parecia mesmo triste, infeliz com tudo que estava passando, ter voltado ao antigo trabalho que deixou e ter House infernizando ainda mais do que antes. Apesar de ser surpreendente que Foreman esteja feliz com a situação analisando somente o contexto do episódio, a descoberta dele faz sentido se levarmos em conta o que vimos em episódios anteriores e o que conhecemos do personagem. Foreman é realmente como House, já vimos isso nos episódios finais da temporada passada. Vimos no início dessa temporada que ele foi demitido do antigo cargo por ter tomado atitudes consideradas radicais para salvar um paciente. A equipe de House é o único lugar em que ele não sofrerá punições por fazer o possível para salvar um paciente, inclusive tomar atitudes que para outros seriam condenáveis é comum para a equipe. Ele não tem motivos para ser infeliz, afinal ele está em um cargo em que ele não precisa se limitar, pode tomar as medidas que acha necessário, enfim, pode ser ele mesmo.


A parte "comédia" do episódio ficou por conta da queda de braço entre House e Cuddy. Sabendo que infernizar Foreman não traria resultados, House decide infernizar Cuddy até ela desista e demita Foreman. Essa parte do episódio me incomodou um pouco, porque houveram alguns momentos difíceis de acreditar. Por exemplo, House enviando todos os freqüentadores da cafeteria para a clínica por suspeita de envenenamento alimentar ou Cuddy trocando Vicodin de House por laxante. Isso era algo que eu não esperava que ela fizesse, não tem a cara da Cuddy. Ao menos, o momento mais engraçado do episódio foi resultado dessa queda de braço: House e Cuddy ficaram frente a frente com a paciente para ver quem ele imitaria, já que, como Wilson disse, os pacientes com essa síndrome imitam as pessoas dominantes no ambiente. O resultado, é óbvio, é House, com direito a uma imitação hilária. Como conseqüência, Foreman tem que partir e aceitar um emprego que House arranjou para ele em Mount Zion. Será que ele ira mesmo partir? A conversa entre ele e House no final do episódio me faz pensar que não.



E os demitidos desse episódio são... nenhum. Isso mesmo, nenhum. Chase estava organizando apostas para quem seria o próximo a ser despedido e como ninguém foi, ele fica com todo dinheiro apostado, ou melhor, na verdade 50%. Os outros 50% ficam com House. Ele realmente não perde tempo: além de organizar um verdadeiro reality show com os candidatos e se divertir muito, ele também ganha um dinheiro. Bom para nós, que teremos mais um episódio com todos os candidatos.

Na próxima semana: House é contratado pelo FBI para tratar um agente com uma doença tão misteriosa quanto a sua última missão, enquanto os candidatos correm para diagnosticar um piloto da Stock Car.

Allan

2 comentários:

Breno Costa Leal disse...

Eu gostei muiiito desse episódio, pois é legal House quebrar o ritmo de episódios sérios e mostra outra faceta do show.
Gostei principalmente das imitações e revelações de todos os pupilos imitados, e também da demonstração que o Wilson é o ''homem'' da relação House-Wilson, mesmo papel de House na relação House-Cuddy.
Quanto à Foreman, acho que ele vai realmente ficar, pois já precebeu que é ruim com o House, pior sem. Ali é o lugar dele.

Estoqu querendo fazer parceria com vocÊs, afinal como viciado em séries, estou sempre por aqui, mas no meu caso, não poderia ser de banner, apenas de link, algum problema?

Já coloquei o de vocês lá !
Abração,
Breno Costa
www.blogaodojoao.wordpress.com

Comentarista Celia disse...

Eu também gostei muito do episódio, assim como todos dessa temporada.
O Foreman realmente está se destacando mais e mais. Até porque, como já disse a Cuddy, numa fala que eu adorei, ele se tornou uma versão light do House!