quinta-feira, 1 de maio de 2008

[House] 4x13 "No More Mister Nice Guy"

Após uma pausa de mais de dois meses devido a greve dos roteiristas, House volta com um episódio inédito, No More Mister Nice Guy, que apesar de uma boa premissa para o caso da vez, um homem que vive em um eterno estado de felicidade, foi prejudicado por uma falta de aprofundamento e de foco: tivemos outras duas histórias ocupando boa parte do episódio.

A primeira delas, trouxe de volta um tema já tratado anteriormente na série, a personalidade de House. Apesar de requentada, a discussão dessa vez foi um pouco diferente: poderia o gênio de House estar intimamente ligado a sua personalidade? Se isso for verdade, seria uma boa idéia "curar" House e com isso perder sua habilidade? As perguntas são interessantes, e podem resultar em uma proveitosa discussão, mas não foi isso que aconteceu no episódio. O tema foi tratado de modo muito superficial. Tudo bem que House é apenas uma série de tv, mas dar um pouco mais de profundidade ao tratamento do tema, como a série já mostrou ser capaz de fazer, se mostrou extremamente necessário. Além disso, os roteiristas não poderiam ter pensado em uma maneira melhor de introduzir essa discussão? Era óbvio que House estava pregando uma peça na equipe. Os novatos terem sido enganados é compreensível, mas Cameron, Chase e Foreman terem sido enganados tão facilmente é difícil de entender.


A implicância de House com o relacionamento entre Wilson e Amber volta a aparecer nesse episódio. Dessa vez, a reclamação de House é que ele tem pouco tempo com Wilson. Tão pouco tempo, que ele acaba saindo com Chase. House decide então negociar com Amber alguns dias para que ele possa ficar com Wilson. A negociação, com a mediação da Cuddy, lembrou prontamente de dois pais brigando pela guarda de um filho. A situação pode parecer um pouco irreal, mas levando em conta a personalidade dos três envolvidos, não é tão estranho que algo assim tenha acontecido. Algo que me preocupa é que esse "triângulo" continue por muitos episódios. Por enquanto a situação ainda é engraçada, mas duvido que continue assim por muito tempo. Além disso, é provável que a relação entre os três fique cada vez mais estranha, como já aconteceu nesse episódio. Bom, espero que não acontece o mesmo que aconteceu na temporada passada com o embate entre House e Tritter, que acabou se estendendo demais.


Quanto ao caso, infelizmente, ele acabou sendo deixado de lado. O comportamento de House quanto a bondade de Jeff foi o esperado: era o sintoma de alguma doença. Já vimos momentos parecidos na série antes, porém, dessa vez, House não estava tão presente para fazer suas observações e piadas usuais. O caso acabou sendo quase que somente responsabilidade dos ducklings. Como de costume, a doença do paciente não era aquela que a equipe suspeitava por boa parte do episódio, sífilis, mas sim doença de Chagas. E sim, a bondade de Jeff era um dos sintomas da doença. Mas algo diferente aconteceu dessa vez: não foi House que teve a epifania, mas sim Kutner. Eu assim como o doutor, fiquei surpreso.


No próximo episódio: House está convencido de que um dos atores de sua novela preferida está com uma doença séria e decide intervir.

Allan

Nenhum comentário: