sexta-feira, 5 de novembro de 2010

[FNL] 5x01 Expectations

Nota: devido a correria na Mostra de Cinema de São Paulo, esse texto acabou entrando atrasado e mais breve do que um episódio como esse merecia. Desculpe qualquer aborrecimento, espero colocar tudo em ordem a partir do final de semana.
Não poderia começar esse texto sem antes também constatar aquilo que provavelmente todos já disseram: estamos diante do início de um desfecho anunciado. Última temporada, a série procurando mais uma vez se reinventar com novos personagens, enquanto velhos conhecidos estão dizendo adeus. Mas o sentimento continua o mesmo: aquela sensação de abandono, compartilhada pela maioria dos habitantes de Dillon, uma cidade "esquecida" no interior do Texas. Tim Riggins é certamente aquele que melhor simboliza esse sentimento, ainda mais agora que tem sua liberdade cerceada, e após ter assistido a despedida de todos os colegas de sua geração. Numa mistura de profunda melancolia e desprezo, resta a Tim se apegar num fio de esperança de que a boa conduta leve a redução de sua pena. Mesmo se sentindo culpado em vê-lo nestas condições, Billy também tem pouco a fazer além de cumprir o desejo de seu irmão e dar suporte a Becky, cada vez mais solitária ao ser deixada para trás aos cuidados de sua madrasta. Se já parece desenhado um provável conflito dela com Mindy, quem deve ganhar maior importância ao longo da temporada é Billy, até por também aparecer integrado ao já inchado quadro de treinadores sob tutela de Coach Taylor. Na contramão de tudo isso encontramos Jesse, que mesmo deixada sozinha tomando conta de seus irmãos, enfrenta essas dificuldades com o apoio confortante de Vince, que já havia demonstrado antes essa mesma responsabilidade paternal ao cuidar de sua mãe.

As expectativas contidas no título do episódio ficam para os últimos dias de Landry e Julie na cidade, que acabam disputando espaço com o início da nova temporada regular da equipe dos Lions. O problema é o quanto a despedida dos veteranos teve de ser sacrificada para dar lugar à trama do novato Hastings, jogador promissor de basquete que Coach Taylor acredita ter potencial para integrar sua equipe. Não apenas a atenção dada ao jogador pareceu excessiva, com Coach Taylor chegando até a pedir a ajuda de Vince e Luke para conseguir recrutá-lo, mas sua participação na partida de estreia dos Lions acaba sendo fundamental para alcançar a súbita vitória, mesmo sem nunca antes ter treinado ao lado dos companheiros. Além dessas viradas de placar se mostrarem cada vez mais previsíveis, chega a me preocupar que queiram transformar a equipe de azarões do ano passado em favorita ao título só para coroar esse final. Porque apesar de muitas vezes ser confundida com uma série sobre futebol, o grande mérito de Friday Night Lights não está nas conquista heróicas ou nas vitórias de último minuto, mas na eficiência dos momentos mais simples, como acompanhar os jantares da família Taylor, a visita à vovó Saracen ou um encontro no estacionamento do Alamo Freeze. Todas as cenas trazem uma carga de singelas lembranças ao mesmo tempo que anseiam por um futuro incerto, garantindo assim uma natural aproximação do espectador.

Certamente a temporada de conclusão deve procurar evocar esse sentimento de nostalgia, não apenas nas despedidas, mas nos já prometidos retornos de alguns de nossos velhos conhecidos para rápidas visitas à cidade. Ainda não sei qual deles estão confirmados para aparecer, mas já bate certa saudade da maioria deles e uma curiosidade pelos seus destinos. Afinal, não se trata apenas de um acerto de contas, mas uma forma de prestar tributo a todos aqueles que construíram a maior história que uma cidade do interior Texas poderia merecer.

Fotos: Reprodução.

e.fuzii
twitter.com/efuzii

2 comentários:

Midoca disse...

Senti o episódio meio que uma "roda gigante" e achei forçada a entrada de Hastings. Parece que a intenção foi amenizar a ida de Landry e Julie, que simbolizam os últimos dois da primeira geração de FNL (é claro que ainda tem Tim, mas que tá na prisão, ou seja...). Também não gostei daquela cena dele com Billy na prisão, é sentir pena e sofrer com o personagem? Vão tirar ele de lá e dar um final triunfante pra ele que sofreu tantas injustiças durante toda a série? Não sei...

Concordo com você sobre as reviravoltas previsíveis em jogo e que provavelmente o Lions vai terminar a temporada campeão de uma forma bem esperada. Foi exatamente aí que achei a entrada de Hastings desnecessária. Enquanto antes o engajamento da equipe levava vários jogos pra acontecer, vem um espécie de gênio do esporte e "arruma" tudo? Já peguei antipatia por ele.

Achei legal a entrada de Tammy no East depois da polêmica do aborto. Fecha o ciclo de instabilidade (talvez não seja essa a palavra), que os Taylors tem sofrido todos esses anos, saindo da vida perfeita para enfrentamentos mais duros. Já foi anunciado que o trabalho de Tammy lá não vai ser nada fácil, mas acho vem histórias emocionantes por aí envonvendo os aconselhamentos dela. O apoio do diretor ela já tem e gostei de algo ele falou sobre não desanimar porque era o que tinha acontecido com todos lá. Na verdade, essa mensagem simplica todo a essência da série.


Vamos acompanhar e torcer pra que muita coisa que esperamos não se concretize.

Beijo.

@carmomichele

e.fuzii disse...

Olá Michele,
Também não consigo prever qual será a intenção de manter Riggins na prisão, mas desconfio que vão utilizar essas visitas dos veteranos para dar certa dinâmica à condição dele. Claro, nesse caso as visitas mais esperadas seriam de Lyla e Streets.

Deixei de comentar sobre a trama de Tami porque não me agradou. Achei ingênuo demais da parte dela achar que chegaria resolvendo tudo no lado leste, depois de uma temporada que lidou tanto com as diferenças na cidade. Mas como você disse, a intenção desta trama foi garantir esse apoio do diretor e mostrar a persistência de Tami. Certeza que ela conseguirá fazer um bom trabalho e realmente interessante essa questão de resumir a série em suas palavras.

bjs.