quinta-feira, 30 de novembro de 2006

[House] - 3x09 "Finding Judas"

O paciente da semana é Alice, uma jovem garota com pancreatite. Como seus pais, que são divorciados, não chegam a um acordo sobre como proceder com o tratamento dela e não cedem a pressão de House para tomarem uma decisão, a única opção que resta é levá-los a corte e deixar um juiz tomar uma decisão. Quando o estado de Alice continua a piorar, House é forçado a levar os pais dela a corte novamente, mas em uma surpreendente decisão, a juíza concede a guarda de Alice a Cuddy, deixando nas mãos dela as decisões sobre os cuidados médicos da garota. Enquanto isso, o acesso reduzido ao Vicodin está começando a causar danos e House pede a Cuddy mais, mas em vez de escrever uma receita, ela raciona as pílulas. Tritter quer que House encontre outro modo para lidar com as dores antes que ele mate alguém. Como parte da estratégia para fazer alguém da equipe de House ceder, Tritter congelas as contas de Cameron e Foreman, e oferece um acordo a Foreman para ele se declarar sobre o uso de drogas de House.

E a pressão de Tritter aumenta. No episódio anterior ele não estava presente, mas o reflexo das atitudes dele podia ser visto por todo lugar. Aqui ele aparece novamente, decidido a conseguir que alguém deponha contra House. Congelou as contas do Foreman e da Cameron e pretende fazer da Cuddy seu próximo alvo.

"You're Next"

Pela proposta que fez ao Foreman, acredito que Tritter está levando a série demais essa sua busca de vingança. Propor soltar o irmão de Foreman, que está preso por envolvimento com drogas, como parte de um acordo para denunciar House é abusar do poder que possui. Foreman não aceitou o acordo. Não é dessa vez que Tritter encontrou o Judas de House.


E Tritter pega pesado com Cameron. Acusa-na de estar apaixonado por House e por isso não denunciá-lo e traz a tona fatos do passado dela. Por fim, diz que Cameron era uma pessoa que fazia a coisa certa; deixou de ser após começar a trabalhar com House.


Chase também teve seu momento com Tritter e, curiosamente, o encontro não foi no escritório improvisado, mas sim na cafeteria do Hospital. Além disso, a conta de Chase não foi congelada, ele mentiu dizendo que tinha sido. Em vinte e quatro horas Tritter liberará as contas de todos. Todos pensarão que alguém entregou House. Juntando isso ao que parecia ser um encontro amigável entre Tritter e Chase na cafeteria e ao histórico de Chase, que já entregou House em um episódio da primeira temporada, tem-se tudo para suspeitar que ele o fez novamente.


Nada de um pedido de desculpas do House para o Wilson. Wilson agora só trabalha na clínica e nada do House mostrar qualquer tipo de remorso ou consideração. Desse jeito, a amizade dos dois não vai mais durar muito tempo.


E nada mais de fartura de Vicodin. Nenhum médico se arrisca a escrever uma prescrição para o House sabendo que fazendo isso serão perseguidos por Tritter. A esperança de House é a Cuddy que, para a infelicidade dele, lhe dará somente doses reduzidas de Vicodin.

House "avisando" Cuddy que precisa de mais Vicodin.

As doses reduzidas de Vicodin estão levando House a esgotar seu estoque secreto.
A melhor tirada do episódio acontece quando conhecemos onde fica o estoque: Dentro de um livro sobre Lupus. Gostei da brincadeira que os roteiristas fizeram com a doença campeã em citações na série.

"Nunca é Lupus".

Falando em doses reduzidas de Vicodin, elas estão surtindo efeito e o comportamento do House lembra muito o que ele apresentou no episódio "Detox", da primeira temporada. Ele está apresentando um comportamento agressivo e está com dificuldade de se concentrar no caso, parece estar meio "lento".

Sobre o caso: Alice é admitida no hospital com dores abdominais. Após olhar as imagens da tomografia computadorizada, House declara que ela possui colelitíase (cálculo biliar). House quer que a garota seja operada. O pai concorda, mas a mãe não. House leva o caso a uma juiza que decide a favor da cirurgia. O processo corre bem.

Na manhã seguinte Alice apresenta irritações na pele na região em que foi feita a cirurgia. A suspeita da equipe é alergia. Um teste é realizado e o resultado é positivo para todos os tipos de alergia testados. House acredita que Alice possui alguma infecção que está influenciando no resultado do teste e quer tratá-la com um antibiótico, mas desta vez é o pai que não concorda. House volta à corte e a juíza concede a guarda temporária de Alice a Cuddy. Cuddy decide dar outro antibiótico a garota, não o proposto por House.

O antibiótico não surte efeito e House acredita que a garota possui síndrome de Reye, doença relacionada ao uso de aspirina quando uma criança está infectada por vírus. Inicia-se um processo a fim de retirar as toxinas do sangue e Alice reclama de dores no braço esquerdo: um coágulo formou-se no braço. Ela é levada para cirurgia e o coágulo é removido, mas ela apresenta então febre perigosamente alta. É preciso baixar a febre da garota antes que ela cause danos ao cérebro. Cuddy retira a garota da mesa de cirurgia e a leve para uma ducha fria.


Cuddy mostra a House a irritação na pele do braço de Alice. House diz que o problema é uma infecção e diz que isso é culpa da Cuddy por ter dado outro antibiótico em vez do que ele recomendou. Apresentando os sintomas da falta de Vicodin House diz a Cuddy que foi bom ela ter falhado em ser mãe, pois ela é péssima nisso.


Dessa vez House pegou pesado. Antes foi o Wilson, agora a Cuddy. House está fazendo exatamente o que é necessário para que pensem que o comportamento dele é de um viciado, e alguém conte a Tritter.

Irritações surgem no braço e perna esquerda de Alice. A equipe suspeita de febre maculosa e começa o tratamento. Ele não mostra resultados e quando as irritações se espalham, House acredita que a garota possui uma doença chamada Necrotizing fasciitis, um tipo de infecção causado por bactérias. Amputação dos membros afetados se faz necessária.

A equipe ainda pensa que Alice tem algum tipo de alergia. Chase então tem uma idéia repentina: ela possui um tipo de porfiria, o que a tornaria sensível a luz e explicaria as irritações, ou seja: ela é alérgica a luz. Chase corre para avisar House e pedir que ele pare a cirurgia, mas House não reage bem: ele não aceita a explicação de Chase e o agride.


A explicação de Chase mostrou-se correta. Temos então um encontro de Chase com Wilson. Chase diz a Wilson que House errou no caso de Alice. Wilson disse que isso já aconteceu antes, mas desta vez quando Chase disse qual era a explicação correta, House apenas não se importou. Por fim, temos a revelação de quem é o Judas.

"Vou precisar de trinta moedas de prata".

Foi um bom episódio. Gostei do caso, dos conflitos envolvendo Tritter e do comportamento do House, bem coerente com o que vimos no episódio Detox da primeira temporada.
Os roteiristas não resolveram arriscar e escolheram Wilson como judas, o que é coerente com o que vinha acontecendo entre ele e House nos últimos episódios. O próximo episódio se chamará Merry Little Christian e irá ao ar dia 12 de dezembro.

Allan

[EXTRA] Fox e NBC contra a pirataria

Algo legal que nao sei se todo mundo jah tah sabendo.

Um jeito novo de assistir alguns dos seriados que estao passando agora, sem (no caso de alguns) precisar esperar horas para baixar, e para aqueles que nao fazem questao de assistir o episodio 5 minutos depois dele acabar de passar nos EUA e se contenta em esperar ateh o dia seguinte, uma boa opcao eh assistir os episodios na propria internet.

O primeiro (que eu vi pelo menos) foi a FOX que em parceria com o site MySpace (uma especie de orkut americano) que colocou no ar o primeiro episodio do OC semanas antes de estrear na televisao. Depois disso, vi que pelo menos as series mais importantes do canal estavam no site deles www.myspace.com/fox e podemos assistir os 3 ultimos. O que alias, foi providencial para mim, que nao tenho video cassete aqui nos estados unidos, e viajei semana passada e perdi um episodio de Prison Break.

Mas tambem perdi um episodio de Heroes, e achava que teria que comprar num itunes da vida para poder assistir. Qual foi minha surpresa quando ao logar no site da NBC, descobrir que posso assistir o ultimo episodio completo de Heroes, ali, na mesma hora!

Ambos os sites tem suas series em HDTV. Para ver pelo site da NBC nao tem segredo. Nao precisa baixar nenhum plugin, e funcionou perfeitamente tanto no Internet explorer quanto no Firefox. Abrindo o site, clicando na serie que eu gostaria de ver (heroes) logo na main page tem um link para ver o episodio completo, ou um recap de 2 minutos. O episodio eh dividido em 6 partes, e antes de cada uma, um pequeno comercial - nada que incomode.

Jah o MySpace da Fox, tem soh uma coisinha a mais. Escolha sua serie, e ele te encaminha para a pagina dela. Os shows disponiveis sao:
- prison break
- oc
- bones
- standoff
- vanished
- the loop
- american dad
- talk show with steve ferestein

depois, ele pede que tu instale um plugin para poder assistir o seriado - nao demora nada na internet banda larga. Ai, eh soh assistir um pequeno comercial e aproveitar o seriado. Nao precisa se preocupar em ser assinante do MySpace, nao eh cobrado, nao precisa se registrar, deixar suas informacoes, e sendo a internet uma world wide web, estah disponivel para todos os paises.

Desvantagens e Pontos fracos:
- sem legenda. para quem nao entende ingles, sempre um problema. Mas eh tambem uma boa oportunidade de treinar o ingles. ;)
- o plugin do myspace da fox nao funciona no Mac. Mas, acredito que isso nao seja um problema tao grande no Brasil, jah que a porcentagem de pessoas que tem $$ para investir num mac nao eh tao grande assim.
- tamanho da tela. para os mais exigentes, quando em full screen, perde qualidade. e assistir numa telinha, pouco maior que o youtube, quando acostumada a uma tv de 30 polegadas, pode tambem ser um incomodo - mas perder um episodio eh um incomodo maior ainda!
- no site da nbc, soh o ultimo episodio disponivel. se perder mais de uma semana... jah era.
- e claro, soh funciona para quem tem internet banda larga. levei meu notebook para a universidade e usei a wireless deles para assistir o episodio, jah que aqui em casa, com dial up, it's never going to happen.


No mais, eh uma boa solucao para aqueles 45 minutos sem nada para fazer na universidade, esperando entre uma aula e outra. Ou ateh mesmo no trabalho. Hey, colega meu baixava e assistia Lost na agencia. ;)

[BONES] The Headless Witch in the Wood S02E10

Bones comecou tao bem a segunda temporada, e mesmo eu continuando uma big fan, ha algo me incomodando ali no fundo. Eh essa xupacao dos roteiristas. Eles andam usando muitas referencias para escreverem. Semana passada eu comentei sobre a semelhanca com o CSI dirigido pelo Tarantino, e essa semana The Blair Witch atacou o seriado. Com direito a filmagens na floresta e tudo.

Ao encontrar um corpo - sem cabeca - no meio de uma floresta, uma lenda comeca a interferir com a investigacao. Aparentemente essa mata era assombrada pelo fantasma de uma bruxa chamada Maggie, que foi decapitada. A lenda diz, que ela continua assombrando o lugar e assassina pessoas com o mesmo machado usado para decapitar sua cabeca.



Enquanto todo o resto da equipe parece disposto a acreditar nessa historia paranormal, Bones continua cetica - e eu - aparentemente esse vai ser um longo caso - e episodio. Junto ao corpo, um video foi achado (a tal copia da bruxa de blair). Angela mal consegue assistir. Vemos no video dois estudantes gritando, sangue. Resumindo. Viu a bruxa de blair? Esse video.

A vitima, Graham, um estudande de cinema, dizia que estava tendo sonhos com a tal Maggie, e por isso precisava ir a floresta. Convence namorada e amigo. O irmao mais velho do guri, Bill, nao parece muito desolado quando recebe a noticia da morte (that should have give him away...). Charming, ele e Brennan descobrem que tem algo em comum... Ambos sao orfaos. Bill, irmao mais velho, abandonou college para cuidar do irmao mais novo. Brennan (que vemos na primeira temporada tem um irmao com o qual perdeu contato) passa a se preocupar se sua vida teria sido diferente se seu irmao tivesse ficado para cuidar dela. Bottom line, um pequeno romance comeca entre Bill e Brennan.

Conduzindo a investigacao, Booth e Bones vao interrogar os outros dois estudantes que aparecem no video. O guri (esqueci o nome) estah ainda meio abalado com a historia. A namorada, num sanatorio. As suspeitas recaem sobre ela quando descobrem nos restos de Graham, mushrooms - ela poderia estar drogada - e Bill desabafa como seu irmao era uma mah pessoa, traindo a pobre garota com outras mulheres. Mas logo, as suspeitas mudam para o outro estudante de cinema (o guri que esqueci o nome), que estah aparentemente usando o roteiro de Graham para seu filme, que foi inclusive aceito em sundance (ha! sundance eh aqui perto.. :P).



De volta a floresta, acham a cabeca do Graham. Perto dela, outro cranio... que ao investigarem descobrem ter pertencido a uma mulher que viveu entre 1700 e 1800 (data que combinaria com a data em que Maggie - a bruxa de blair de bones - teria vivido). Ooooooohhhhhh! Entao serah que foi realmente bruxaria?

Naaaaao. Zack (always my favorite) descobre um numero de serie dentro do cranio antigo. Mais investigacao e descobrem q o cranio foi roubado da mesma universidade que essa gurizada toda estudava. Entao, o novo suspeito eh o professor. Soh ele tinha acesso. QUando Booth dah aquele sorrisinho de "caso resolvido" e Brennan vai a um date com Bill, e tudo parece que se encaminha para enquadrarem o pobre do professor....

Outras pistas - Angela encontra uma quarta pessoa no video, Hodgins identifica uma substancia usada somente por bombeiros (a profissao do Bill), e as pecas se encaixam. Booth, interrompendo o date - que ia muito bem, obrigado - prende Bill. Bill admite que matou o irmao. Graham era um lunatico, queria fazer toda aquela encenacao - e sabe se lah porque, gracas ao maldito cachorro que nao cala a boca aqui em casa - para o filme dele. Acaba jogando sangue de vaca, todos os props de filme de terror B. Mas, Bill, assustado em como Graham estava apavorando a pobre namoradinha, tem que fazer algo para parar o irmao. E faz isso dando uma machadada na cabeca dele. "Maggie made me do it!"

Para terminar com aquele climinha de suspense, Angela e Hodgins ainda trabalhando nas fitas, uma ultima cena que ela renderiza, "algo" aparece... Serah Maggie?? Nao sei, soh sei que Angela pediu para dormir na casa do Hodgins....



Eu sei, eu sei. Pareco meio cinica analizando minha serie preferida, mas continuo adorando Bones. (e Hey! acabaram de lancar a 1a temporada em DVD!!!)

E em duas semanas... TCHAN TCHAN TCHAN TCHAAAAAAN. David Duchovny dirigindo! HA! imperdivel. Claro, a xupacao basica do arquivo-x (enfim, desde o primeiro episodio da primeira temporada jah deram a dica indicando isso) com conspiracoes (e espero eu, sem ets) e the goverment denying everything.

Enfim. Duas semanas. :)


-----------

Well. Esqueci de me apresentar no meu ultimo post, entao faco isso rapidamente agora. Tambem recebi o convite para vir aqui escrever sobre alguma serie que eu realmente gosto, e, sorte a minha, ninguem mais gosta de Bones, hehehe, entao posso passar o resto da minha quarta a noite escrevendo sobre uma das coisas que mais gosto.

Anyway, sobre a minha pessoa. Anita, twenty four years, nascida em Sao Paulo (o estado), gaucha de coracao, formada em Publicidade na ESPM (de Porto Alegre, of course), atualmente nos EUA, Utah, Salt Lake City (eu e michael scofield yes!) vendo se entro na universidade aqui para mestrado em Graphic Design.

Aficcionada por musica e televisao. No caso da primeira, levo muito a serio. Tao a serio que hoje estou mais cinica do que nunca por terem cancelado o show de uma das bandas que mais gosto (Jacks Mannequin) que seria hoje aqui. Apesar da vontade gigantesca de assassinar alguem, continuo de maos limpas (a neve ajuda. alias, culpa dela que o show foi cancelado. a banda nao conseguiu sair de denver). No caso da televisao, tudo comecou com o dia que vi Arquivo X pela primeira vez (podia discutir que meu vicio em televisao comecou com a MTV, mas estah tudo meio embacado na minha mente agora). Nao dormi por duas semanas. O episodio em que Mulder e Scully vao para o meio da floresta investigar mortes estranhas de um grupo de madeireiros (pessimos efeitos especiais, mas well, 10 anos atras neh) e se deparam com insetos de outro mundo! Era ainda na Record, mas logo coomecei a acompanhar a serie, gravar todos os episodios (devia ter umas 12 fitas vhs), e soh depois de uns dois anos quando comprei minha primeira revista de ficcao cientifica descobri que Scully era Scully (eu achava que era scanny - dublagem sucks). But enough of talking about myself. ;)

quarta-feira, 29 de novembro de 2006

[Heroes] 1x10 - "Six Months Ago"


Com nove episódios exibidos, “Heroes” apresentou e desenvolveu personagens, trama e, pelo menos um objetivo claro criador de expectativas (save the cheerleader). A conclusão deste arco dramático se deu de forma satisfatória, coerente com o todo. Agora, os criadores da série sabiamente voltam seis meses no tempo para amarrar pontas soltas e dar luz sobre diversos personagens. É o momento certo: se essa história em flashback viesse antes da conclusão do ataque à cheerleader, seria desastroso por não dar continuidade a tensão que vinha sendo desenvolvida; e agora já conhecemos um pouco mais dos personagens, antes do tão esperado encontro entre muitos deles. E é incrível como, em apenas um episódio, os roteiristas conseguiram perfeitamente sintetizar e narrar eventos que diziam respeito a mais de uma dúzia de personagens.

“Six Months Ago” trouxe muitas revelações, mas para cada uma delas mais dúvidas surgiram. Como as explicações vêm aos poucos, prefiro não achar que certas coisas são furos no roteiro. Leitores deste blog que quiserem se manifestar nos comentários deste post, por favor me ajudem com algumas dúvidas.

Primeiramente: Hiro. Eu já manifestei meu receio no fato de um personagem poder livremente viajar no tempo, pois isso iria gerar buracos imensos no roteiro (qualquer coisa que acontecesse de errado, sempre nos perguntaríamos “ora, por que ele não volta no tempo e conserta isso?”). A solução dada é a de que Hiro não pode diretamente mudar os eventos do passado, o que explica seu retorno do futuro com uma mensagem para Peter, ao invés de ele mesmo tentar salvar Claire.






No entanto, sua viagem para seis meses no passado criou um paradoxo temporal difícil de ser explicado: se ele deu o livro para Charlie, como ela não o reconhece quando ele e Ando chegam no restaurante? Se a explicação é a de que as coisas têm que acontecer de um jeito ou de outro, ou seja, se Hiro não tivesse dado o livro, outro alguém teria dado (e eu não vou nem questionar de onde Hiro tirou uma gramática em japonês no meio do nada), isso significa que tanto a explosão nuclear em New York, quanto a morte de Isaac acontecerão de uma forma ou de outra. Mas ao mesmo tempo significaria dizer que Claire deveria morrer, de uma forma ou de outra, nas mãos de Sylar. Ou a Charlie simplesmente fingiu que não conhecia Hiro? Caro leitor, opiniões, por favor.

Em segundo lugar, Sylar. Sem dúvida, o personagem mais explorado neste episódio e o que mais necessitava de explicações. Conhecemos melhor seus interesses e vimos seu primeiro encontro com Chandra. Sabemos de onde veio o nome Sylar (que não é o seu verdadeiro nome, mas sim Gabriel Grey) e que, assim como Peter, ele crê estar destinado a coisas maiores. Sylar sempre teve uma vida que considera insignificante e a possibilidade de ter uma habilidade especial desperta um desejo enorme de mudar isso, custe o que custar. Não deixa de ser surpreendente que seu poder não seja a telecinese, mas sim algo ligado a capacidade de perceber e consertar problemas mecânicos, incluindo aí o cérebro humano.






Essa idéia do cérebro como uma máquina é explicada por Chandra Suresh. Sendo o cérebro o órgão responsável por todas as atividades do corpo humano, é possivelmente nele que se encontra a alma do indivíduo. Não vou entrar no mérito da questão, mas o fato é que neste episódio ficou claro que os poderes desenvolvidos pelos personagens são anomalias genéticas que normalmente resultariam em doenças fatais (o câncer da filha de Chandra, o aneurisma de Charlie). Estas anomalias são vistas por Sylar como defeitos de funcionamento e seu ritual de extrair o cérebro de suas vítimas é a tentativa de consertá-los. Como ele se apropria dos poderes e, quem sabe algo mais, dos cérebros que ele extrai é algo que permanece um mistério, mas ficou claro que o grande poder do Sylar é esta capacidade de adquirir permanentemente os poderes de suas vítimas, uma espécie de Peter Petrelli (muito) melhorado, o que é assustador. Opiniões, por favor.

Outro super poder que continua misterioso, mas que ganhou novos contornos é o de Niki. Ficamos sabendo que a personagem era alcóolatra e que tinha uma irmã (gêmea? não ficou claro) chamada Jessica, morta aos 11 anos pelo pai. É exatamente o surgimento deste pai que traz Jessica de novo. Como se dá isso ainda não se sabe, mas é uma capacidade da Niki, e não da irmã morta, já que é o seu nome que está na lista de Chandra. Mas seria um poder que Niki manifesta apenas em relação a sua irmã, ou poderia se estender a outras pessoas, mortas ou não? Opiniões, por favor.







Peter Petrelli, por sua vez, é capaz de adquirir os poderes de quem se aproxima por ser extremamente sensitivo. Mais uma vez o personagem sonha com algo trágico que está acontecendo, no caso, o acidente de carro de Nathan. A primeira manifestação do poder deste, aliás, surpreende. A princípio, imaginava-se que Nathan voou pela primeira vez quando salvou seu irmão no episódio piloto. A revelação de que seu primeiro vôo na verdade salvou sua própria vida explica o porquê de sua recusa em aceitar sua capacidade, já que foi o motivo de sua esposa estar numa cadeira de rodas. A amargura do personagem também se deve a morte do pai: Nathan estava preparado para processar Linderman, o que acabaria com os negócios de seu pai.

Muitos outros inserts foram significativos. Mr. Bennet de fato não é uma má pessoa, convencendo Eden a deixar a vida que levava e “reescrever o passado e fazer melhor”. É uma pena que o haitiano continuou mudo e não foi explorado (mas isso deve mudar no próximo episódio). O detalhe que me intrigou foi: se Bennet conseguiu tirar o nome de Claire da lista de Suresh, como Sylar a encontrou?







No mais, eu não lembro de já ter sido comentado que Matt tem dislexia, o que achei muito interessante. Claire teve pouco tempo de tela (e realmente não havia necessidade de mais, mesmo ela sendo uma gracinha), Eden está se tornando uma das melhores personagens da série (mas lamentavelmente tudo indica que ela não durará muito, espero estar errado) e foi impagável a cena em que Hiro conversa com Hiro.

Episódio muito bom, conseguiu sintetizar em 42 minutos muitas informações esclarecedoras. Nota 9,0.

No próximo episódio: Nova York é palco para o encontro de muitos dos personagens. E “a hero will be lost”...

segunda-feira, 27 de novembro de 2006

[Heroes] 1x09 - "Homecoming"


“Save the cheerleader. Save the world.”

A mensagem de um Hiro do futuro para o Peter Petrelli do presente foi o grande mote deste início de série e que vinha gerando grande interesse daqueles que a acompanham. Do lado positivo, impulsionou os personagens a um objetivo comum e criou mistério e expectativa. Do lado negativo, essa expectativa foi alimentada de uma forma muitas vezes excessiva e super valorizada, a ponto de se criar um clima de final de temporada e qualquer resolução que não se aproximasse de um clímax semelhante poderia acabar sendo decepcionante.

Pois embora houve tensão e adrenalina na tentativa de Sylar em matar Claire, o episódio esteve longe da empolgação e ação que muitos esperavam. De fato, foi muito pouco para tanta propaganda. A valorização do “save the cheerleader” não foi apenas nos vídeos promocionais e propagandas da série, mas chegou ao ponto de quase todos os personagens terem proferido a frase nos últimos episódios, incluindo aí Nathan e Simone, numa dessas informações privilegiadas que os personagens têm e que o espectador perdeu quando foi que isso ocorreu (ok, Peter supostamente contou a Simone, mas me pareceu ilógico, aliás toda a seqüência envolvendo o tal quadro me pareceu artificial). O cúmulo foi Peter Petrelli ao final do episódio, todo abobalhado, perguntar a Claire “E aí, eu salvei o mundo?” Não há necessidade dos roteiristas nos jogarem na cara a importância do momento. Deixar a coisa fluir naturalmente é o suficiente.







Seja como for, é melhor ignorar a propaganda enganosa e se concentrar no que realmente significam estes eventos na série, com apenas nove episódios já vistos. Os personagens ainda estão sendo desenvolvidos, a trama principal ainda está ganhando forma, então o encontro entre Claire, Peter e Sylar me pareceu bastante coerente: Claire, apesar de indestrutível, assustada como uma adolescente não poderia deixar de estar, Peter ciente do seu objetivo, mas sem saber como realizá-lo, e Sylar fazendo o que melhor sabe fazer, mas errando o alvo, graças a confusão feita tempos atrás envolvendo outra cheerleader e o incêndio do episódio piloto, em que Claire salva um homem. Tivemos também a oportunidade de ver como Sylar abre a cabeça de suas vítimas e não deixa de ser assustador, comprovando como ele é poderoso. O motivo, contudo, permanece um mistério.

A situação serviu para firmar a condição de herói do Peter. O personagem não tem muito carisma, o ator é fraco, mas fica óbvio que ele é central na trama. Ter visto sua própria morte através do quadro de Isaac e ainda assim buscar seu objetivo certamente contou muitos pontos para o Peter como protagonista da série (mas a forma como ele escapou dessa morte foi absolutamente previsível). Nathan, por outro lado, continua tomando decisões erradas achando que é para o bem de todos. Se futuramente os personagens se dividirem em grupos rivais, possivelmente os irmãos estarão em lados opostos.
Por algum motivo obscuro, eu não me empolgo para escrever sobre Mohinder. O máximo que vale a pena citar de sua participação é que confirmamos a existência do garoto que invade os sonhos e a sua descoberta dos arquivos do pai, essenciais para encontrar todos que detêm algum tipo de poder. Como Chandrah Suresh inventou um meio para isso é algo que eu prefiro que eles não entrem em detalhes. Deixa pra lá. Infelizmente a lista de nomes que surge na tela não revela nenhum nome conhecido que a gente já não sabia. Era uma boa oportunidade de nos surpreender.




A participação de D.L. e Micah não trouxe nada de novo para a relação dos dois, embora eu confesso que gostei da lição de moral do moleque (“foi assim que me senti quando você nos deixou”, ou algo do tipo). Niki/Jessica, no entanto, é sempre um prazer de ver. A resolução para a situação das duas será complicada para os roteiristas, porque Niki é a mocinha, mas Jessica é muito mais interessante.

Por último, foi rápida e surpreendente a participação de Eden e o haitiano sem nome (incrível como Matt e Ted concluíram exatamente a mesma nacionalidade para o rapaz!). Ela, especialmente, está ganhando cada vez mais espaço na série e tem tudo pra ser uma das personagens mais interessantes do grupo.

Episódio muito bom. Não culminou num grande clímax a tão esperada salvação da cheerleader, mas coerente com o todo, e ainda criando expectativas diversas (o que acontecerá com Sylar? E Peter? E D.L.?). Nota 9,0.


No próximo episódio: O que aconteceu 6 meses atrás? Hiro tenta salvar Charlie; Nathan e esposa sofrem um grave acidente; E mais revelações sobre as vidas de Jessica, Eden e o haitiano.

sexta-feira, 24 de novembro de 2006

[FILME] Os Infiltrados (The Departed)


“O pior dos Oito Infernos chama-se Inferno Contínuo, significando sofrimento contínuo”.

INICIALMENTE:

Site Oficial
Site Oficial Traduzido

Ficha Técnica

Título Original: The Departed
Gênero: Drama
Tempo de Duração: 149 minutos
Ano de Lançamento(EUA): 2006
Estúdio: Warner Bros. Pictures / Vertigo Entertainment / Plan B Entertainment / Media Asia Films Ltd. / Initial Entertainment Group
Distribuição: Warner Bros.
Direção: Martin Scorsese
Roteiro: William Monahan, baseado em roteiro de Siu Fai Mak e Felix Chong
Produção: Jennifer Aniston, Brad Grey, Graham King, Brad Pitt e Martin Scorsese
Música: Howard Shore
Fotografia: Michael Ballhaus
Desenho de Produção: Kristi Zea
Direção de Arte: Teresa Carriker-Thayer e Nicholas Lundy
Figurino: Sandy Powell
Edição: Thelma Schoonmaker
Efeitos Especiais: Lola Visual Effects


Elenco:
Leonardo DiCaprio .... Billy Costigan
Matt Damon .... Colin Sullivan
Jack Nicholson .... Frank Costello
Martin Sheen .... Queenan
Vera Farmiga .... Madeleine
Mark Wahlberg .... Dignam
Anthony Anderson .... Brown
Ray Winstone .... Mr. French
Alec Baldwin .... Ellerby
Dion Baia .... Donegan
Lyman Chen .... Robert Yan
Derrick Costa .... Oficial Doorley
Kristen Dalton .... Gwen
Conor Donovan .... Colin Sullivan/jovem
Shay Duffin .... Jimmy
Brian Haley .... Detetive Flynn
Amanda Lynch .... Carmen

SEGUNDAMENTE:

Já avisando que não vou fazer sinopse do filme, até porque isso é a coisa mais fácil de se achar (dica: no site oficial nacional tem), me permitam iniciar os comentários sobre esta refilmagem do filme japones de 2002 "Mou Gan Dou", dizendo que adoro o Tio Martin (que já nos deu "Taxi Driver", "Os Bons Companheiros", "Cassino", dentre outros...), ADORO o tio Jack Nicholson (que nos deu "ele mesmo" em tudo que faz!!), gosto muito do tio Martin Sheen (saudade dos "bastidores do poder" hehhehe) e assisto sem grandes espectativa os outros rostinhos da ve na industria do cinema americano, maaaaaaaaaaaaas quanto a esta refilmagem posso dizer que é um filme extremamente incomodo, com cenas de extrema violência visual que fizeram pessoas sairem da sala onde eu fui ver (clube Pinheiros/São Paulo) e que, aparentemente, por ter gasto com os contratos do elenco bilionário (talvez p/poder ter algo a oferecer, junto com a violência, e com isso chamar algum público e ter mídia mais fácil), precisou correr no final, conseguindo estragar até o, já meia boca, final original...

Muito espectador da geração fast food, que foi ao cinema pelo diretor e/ou pelo elenco, sem saber que era uma refilmagem pode até ter se maravilhado e até achado o final -SPOILER A SEGUIR-(que honra o restante do filme) onde todo mundo morre (sim, contei o fim pois aqui todo mundo sabe que tem spoiler e tb, pq esse filminho é uma refilmagem, logo...) super hiper power mega batuta, porém como já disse, foi só falta de orçamento...

Mas tio Ribas, não tem nada que se salve nesse filme???? Siiiiiiiiiiiim!

Tem cenas legais? Huuuuum tem

Dá p/ver? Esperem sair nas locadoras e aluguem rachando a diária com o máximo de amiguinhos que puderem

Algo mais? Sim!
O que??? o que é legal nesse filme???? Caaaalma eu conto. Como praticamente todo mundo morre, isso fará com que, ao contrário do que acontece com o filme original, não tenhamos continuações!!! AINDA BEM!!!

"aquele que está no inferno contínuo nunca morre. A longevidade é uma grande punição no inferno contínuo"


TERCEIRAMENTE

Não tem terceiramente...
Até a próxima!

quarta-feira, 22 de novembro de 2006

[House] - 3x08 "Whack-a-Mole"

O mais novo paciente é um jovem de 18 anos, trazido ao hospital após ter um ataque cardíaco e uma crise de vômito. Jack assumiu o papel de pai de seu irmão mais novo e irmã desde que seus pais morreram. Após uma breve olhada no arquivo de Jack, House acha que encontrou o diagnóstico, o selando em um envelope e transformando o processo em uma brincadeira, desafiando Cameron, Foreman e Chase a descobrirem por conta própria. Quando é dada a Jack uma opção que pode levar a uma provável trégua das doenças que está enfrentando, ele se depara com uma decisão que pode acabar com sua pequena família para sempre. Enquanto isso, em uma tentativa de obter uma confissão, Tritter torna quase impossível para Wilson praticar medicina, levando a amizade de House e Wilson em direção à ruína.

Tritter não entra em cena neste episódio, mas suas ações estão muito presentes. Ele continua em sua cruzada para levar o House a cadeia, e para chegar ao seu objetivo pressiona Wilson. No episódio anterior congelou a conta bancária, nesse apreendeu o carro e revogou a licença da DEA (licença necessária para receitar substâncias controladas) do Wilson. A impressão que fica é que o policial considera Wilson o elo mais fraco, pois a pressão maior está sobre ele, não sobre a equipe. E House não está agindo de um modo inteligente para evitar que Wilson conte o que sabe.


Com Wilson sem a licença, ele não pode receitar substâncias para seus pacientes, o que acaba o tornando praticamente inútil, pois não pode receitar remédios para o controle de dores para seus pacientes. A solução temporária foi recrutar a Cameron para assinar as prescrições para o Wilson. A tensão fica grande quando Wilson pede a Cameron para assinar uma prescrição e House a impede, forçando-a a ficar com ele discutindo sobre o estado de Jack. A briga que ele e o Wilson tiveram mostra bem o estado em que a amizade dos dois está e que Tritter está conseguindo o que ele quer.

O comportamento do House em relação ao Wilson nessa briga é algo que me incomodou. House deixou Wilson esperando três horas para assinar a prescrição.

Wilson mente e põe sua carreira médica em risco pelo House e ele não mostra o mínimo de consideração ou agradecimento pelo que Wilson fez. Eu pensei que House ia tentar conservar a amizade pelas atitudes que ele tomou no episódio anterior, mas parece que eu estava enganado. O House passando de moto pelo Wilson e não oferecendo nem uma carona foi o fim...


E agora que não há mais o Wilson para receitar Vicodin, temos House procurando alguém que posso receitá-lo. Todos da equipe negam, então resta a House pedir a Cuddy. Ela acaba receitando, afinal se ela negasse significaria que House não necessitava dos remédios e traria problemas para ele junto à polícia. Por enquanto ele garantiu o vicodin, vamos ver por quanto tempo mais a Cuddy vai conseguir receitar sem o Tritter tomar alguma atitude.

"OK. Aceito ser o pai do seu filho, mas antes precisa me dar uma prescrição de vicodin."

Agora o caso: Após a entrada de Jack no hospital, sabendo os sintomas, House diz que sabe o diagnóstico e desafia a equipe a tentar descobrir. Cada um pode fazer somente um teste. Todos os testes dão negativo, com exceção do teste feito por House; o paciente tem hepatite A.
Hepatite A explica os sintomas, então House dá o caso por encerrado.


Quando o paciente está quase pronto para receber alta, ele começa a apresentar sangramentos em algumas partes do corpo, entre elas o nariz e as orelhas. Os testes indicam problemas de coagulação (Disseminated Intravascular Coagulopathy é o nome em inglês, não sou médico, então fico devendo o nome da doença em português).

O próximo passo é descobrir a causa da DIC. Chase aposta que a doença é causada por envenenamento alimentar (ingestão de comida contaminada por bactérias, toxinas, vírus, etc...), Foreman aposta em uma DST e Cameron aposta em uma infecção oportunista. Enquanto Foreman faz um teste em Jack, ele quebra sua costela acidentalmente. House interpreta isso como um sinal de que Jack possui uma infecção nos ossos. O resultado dos outros testes chega e todos deram positivo. Jack tem botulismo, sífilis e eikenella (tipo de infecção oportunista).

Jack apresenta convulsões. Seu número de glóbulos brancos está baixo, mas ele não possui AIDS. Testes neurológicos não mostram nada. House acredita que os sintomas podem estar relacionados ao uso de drogas de Jack no passado. House nota que as drogas podem ser absorvidas por células gordurosas, e são liberadas com a perda de peso. Temos então um dos momentos mais divertidos do episódio: a equipe acompanhando Jack em uma sauna.

"Não poderia ter mandado a Cameron me dar as notícias"?

Os resultados não indicam a presença de drogas. A equipe refaz a ressonância magnética e dessa vez ela apresenta múltiplas lesões no cérebro. A equipe aposta em tumores e House em uma infecção por fungos. House estava certo. House está convicto de que o paciente possui uma imunodeficiência genética. Ela teria chegado a um nível mais alto pelo stress causado pela morte dos pais. Isso explicaria as várias doenças que Jack possui.

Como um teste demoraria muito tempo, House submete Jack a uma mistura de germes; aquele que deixá-lo doente indicará o tipo de doença que ele possui. O resultado é granulomatose crônica (Chronic granulomatous disease). Um transplante de medula óssea do irmão menor de Jack provavelmente levaria à cura.


Jack se recusa a fazer a cirurgia, alegando que seu irmão é jovem demais para decidir por conta própria. Foreman acredita que esse é um ato nobre por parte de Jack, mas House mostra a ele a verdade: a doença livra Jack da responsabilidade de ser pai dos dois irmãos mais novos.
O episódio termina com as crianças sendo levadas pelo serviço de adoção e Foreman dizendo a Jack que um dia ele se arrependerá disso.

Acho um pouco difícil falar sobre essa decisão do Jack em entregar os irmãos para a adoção. Entendo que ele é jovem e as responsabilidades são muitas, mas se fosse comigo, eu não faria isso. Mas só estando mesmo na pele dele, sentindo o que ele sente para poder dar uma opinião sincera. Por isso não condeno a atitude.



Allan

[FILME - em breve -] Rocky VI

EBAAAAAAAAAAAAAAAA !!!!!!!!

É tão batuta ver filmes e séries que eu amava na infância e adolescência, voltarem nos tempos atuais, sim, adoro rever o remake de Galactica, que foi uma das séries que mais adorei na infancia e, dentre outras séries e filmes, amei saber que teríamos um novo "Rocky"...

Pensei em fazer um tópico formal, falando do elenco, algumas curiosidades, site oficial e bla bla bla e tal... Maaaaaaaaaaas como eu adoro essa série de filmes (acho que a adoração só perde p/os "Chefões"), resolvi fazer uma pequena homenagem, até bem simplória, colocando os trailers (ou traileres) de todos os 5 filmes anteriores e, lógico, do atual!

Eu sei, que odeio tópicos cheios de videos, qdo começamos, de forma inédita a fazê-los com legenda, graças ao BART, isso até tinha um sentido, mas hoje em dia isso já nem é novidade e, vários filhotinhos, netinhos e bisnetinhos aqui do CES, já usam desse recurso, seja como for, embora ainda odiando tópicos cheios de video, como amei rever esses em particular, divido minha emoção com vcs...

Espero que gostem...
Na dúvida... Eu amei!!!

Abraços e beijos

ROCKY I


ROCKY II


ROCKY III


ROCKY IV


ROCKY V


E finalmente o futuro!!!
Com vcs!!!!!
Ele esta de volta!!!!!!!!
VIVA!!!!!!!!
Há muito tempo não esperava tanto por um filme!!!!!!!!!
VIVA VIVA VIVAAAAAAAAA


Ah!!!!!
Site oficial:
http://www.rockythemovie.com/


terça-feira, 21 de novembro de 2006

[COUPLING] Série injustiçada

Oi Povo,
No meu último post comentei que falaria sobre Nip/Tuck, pois bem, mas gostaria de falar também sobre algumas séries injustiçadas que eram boas, mas foram canceladas, não tiveram repercussão entre o público ou simplesmente por algum motivo específico não está mais entre nós
E pra começar quero falar de uma série da BBC de Londres, criada por Steven Moffat que estreou em 2000 e teve apenas quatro temporadas: "Coupling".

Coupling é uma comédia rasgada sobre seis solteirões ingleses na casa dos seus trinta anos. E este enredo te lembra algo? Talvez Friends? Se você gostou de Friends pode se surpreender com Coupling, mas, se você é dos que não escutam nem falar no nome da série, fique tranqüilo, embora o esqueleto de seis amigos seja igual ao da série americana, Coupling tem um texto delicioso, quiçá brilhante; atores afiados até na o último fio de cabelo e com uma química digna de uma explosão; edição primorosa, ágil e de tomadas de cena com caráter jovem e inovador. Vale a pena dar uma olhada nesta série que rendeu um remake pela Sony Entertaiment, mas sem o mesmo brilho e qualidade da original.










Vamos conhecer os personagens?

Steve Taylor (Jack Davenport): Solteirão boa pinta (pra mim, o mais bonito do elenco), confuso com seus sentimentos, tarado por pornografia lésbica e ex-namorado de Jane. Suas "palestras" sobre a sexualidade masculina heterossexual é qualquer coisa, hilário!

Jeffrey Murdock (Richard Coyle): Melhor amigo de Steve, um paranóico, aquele tipo de cara que não pega ninguém e se extravasa estragando os encontros dos outros amigos. Responsável por grande parte das ótimas piadas da série, infelizmente ficou apenas até a terceira temporada.

Jane Christie - (Gina Bellman): Bissexual, devoradora de homens e sem qualquer semancol, tem um quê de ingenuidade que beira à burrice. Gina explora com maestria as diversas facetas que a personagem apresenta no decorrer das temporadas.

Susan Walker- (Sarah Alexander): Ela é a astuta do grupo, maquiavélica, não se incomoda em humilhar seus amigos, perfeita.

Sally Harper- (Kate Isitt): Melhor amiga de Susan, esteticista, morre de medo de envelhecer e faz de tudo para manter sua pele sempre jovem.

Patrick Maitland - (Ben Miles): O desligado do grupo, a personagem que talvez destoe nos primeiros episódios, mas acaba por engrenar nos seguintes.

Passemos então ao primeiro episódio da primeira temporada: FLUSHED

Steve está tentando dar um fora em Jane, que se faz de desentendida. Ela resolve contar uma história que ela estava brigando com a irmã e vencia quem dissesse a última palvra, formando um jogo de Sim/Não.

No mesmo bar o sarado Patrick também tenta se livrar de Susan, mas ela o humilha dizendo que eles não estavam tendo uma relação séria.

Quando finalmente Steve diz que não quer mais nada com Jane, ela o seduz com uma história picante e os dois acabam no banheiro feminino.

Ao sair do cubículo em busca de preservativos, Steve tropeça e acaba caindo aos pés de Susan, que foi usar o toilette. Ela o reconhece como o amigo de Jeff, seu colega de trabalho e antigo caso. Bastante atraído por Susan, Steve a convida para sair enquanto Jane o espera no cubículo.

Lá fora Sally, amiga de Susan, se interessa por Patrick, que também a convida para sair. No primeiro encontro de Steve e Susan, todos encontram uma razão para também participar: Jeff, por temer que Susan conte a Steve detalhes sobre o caso antigo e desastroso que tiveram; Jane, ainda achando que é a namorada de Steve e Patrick e Sally, que sem saber marcam no mesmo restaurante que o casal amigo. Depois de muita confusão e bate-boca, melhor parte do episódio, onde Susan chega a mostrar um dos peitos para os outro cinco, para que depois todos fossem embora, mas não dá certo e os seis acabam jantando juntos e assim começa a amizade.

Este episodio além de mostar muito ao que a serie vem, já nos dá um gostinho de quero mais. e se vocês quiserem eu conto os outros episódios.
Em tempo, a reprise da série pode ser vista no canal Eurochannel, disponivel para os assinantes da Tv à cabo.
Agora é com vocês.
Até
Davi

segunda-feira, 20 de novembro de 2006

[Heroes] 1x08 - "Seven Minutes to Midnight"

Após dois episódios de transição, enfim um episódio com muitas revelações interessantes.

Algo que está se firmando na série é privilegiar certos personagens em determinados episódios e ignorar completamente outros. Se no episódio anterior não tivemos Mohinder ou Isaac, neste eles retornam e saem de cena figuras centrais como Niki, Peter ou Nathan. Por ter muitos personagens, a escolha é acertada, pois é possível uma maior exploração de todos. É a fórmula de Lost fazendo escola.

Primeiro, começamos por Mohinder. Até porque o título faz referência ao horário da morte de seu pai que, como suspeitamos, foi causada por Sylar. A outra suspeita recaia sobre Mr. Bennet, personagem que também teve destaque neste episódio. Mas falemos de Mohinder. O personagem talvez seja o elo mais fraco da trama. Sabemos da importância de seu pai, mas sua busca por respostas até agora foi tão infrutífera que se torna muito difícil se importar com ele. Há ainda outro agravante: o ator é péssimo, e se neste episódio a participação de Mohinder foi significante, ficou clara também a falta de talento necessária para protagonizar cenas mais intensas. Sendhil Ramamurthy consegue ser pior que Milo Ventimiglia, o ator que faz Peter Petrelli. São os dois grandes problemas de um elenco que não preza muito pela excelência, com poucas exceções.

A descoberta do assassino de Chandra Suresh se deu através de misteriosos sonhos de Mohinder, onde ele foi guiado por um garoto para situações importantes de sua vida. Mohinder não só presencia a morte do pai, como também descobre que teve uma irmã, que morreu antes de ele nascer. O comentário de sua mãe sobre Chandra considerar a menina especial sugere que ela poderia ter dons especiais, o que teria levado o geneticista a investigar essa nova evolução humana. Os sonhos teriam sido produzidos pelo próprio Mohinder, mostrando a capacidade de vivenciar situações do passado através de sua imagem quando criança, ou o menino existe no tempo atual e quer dizer algo ao personagem? Acredito mais na segunda opção, mas quem seria ele e qual seu objetivo?

O que deseja o menino que persegue Mohinder em seus sonhos?




O episódio também mostrou um interesse amoroso para o personagem, mas por enquanto não merece destaque.

Como se era de imaginar, também foi confirmada a origem das marcas que Matt e Ted têm em comum e que elas se relacionam ao rapto que sofreram de Mr. Bennet. O diálogo entre os dois (Matt e Ted) é muito bom, ambos querendo se empenhar para descobrir respostas e isso irá direcioná-los para um envolvimento central na trama (Matt é o único dos heroes que está distante dos demais).



Matt e Ted: "Que diabos tá acontecendo?!"



Do lado de Hiro, conhecemos mais uma pessoa com poderes interessantes: a garçonete Charlie. É difícil saber exatamente como funciona sua habilidade. Memória excepcional ou uma incrível capacidade de aprendizagem que, no futuro, se mostraria também de outras formas, além da memória? Charlie era a nova vítima de Sylar e seu retorno criou um ótimo clima de tensão, por não sabermos, a princípio, quem ele estava caçando, Hiro ou Charlie. A telecinese é um dos poderes dele, mas seu método de assassinato não foi revelado.


Como Sylar mata suas vítimas e para quê?




Seja como for, Hiro logo percebeu que se tratava da mesma pessoa que havia matado Isaac no futuro e seu retorno ao passado para salvar Charlie foi bem interessante. A foto em que ambos aparecem sugere que Hiro voltou 6 meses no passado, mais exatamente ao aniversário de Charlie e provavelmente ele quem tenha dado o livro de japonês para ela! Apesar de interessante, tenho medo dessas brincadeiras envolvendo viagens no tempo. Algo terá que acontecer para impedir que Hiro faça essas viagens quando bem entender para que não crie enormes buracos no roteiro.

De qualquer forma, seis meses atrás parece indicar que é quando tudo começou e provavelmente não veremos Hiro no próximo episódio, quando Peter tentará salvar a cheerleader (e que certamente ganhará uma cicatriz no rosto), voltando no episódio 10, quando conheceremos mais sobre as origens dos poderes de nossos protagonistas.


Charlie teria ganho de Hiro um dicionário em japonês no seu aniversário?




Do lado de Isaac, temos as maiores revelações do episódio. A primeira delas é a confirmação de que Eden também tem um dom especial, que parece ser o de manipular as pessoas. É bom saber também que ela não é uma má pessoa, assim como Bennet. Se seus objetivos ainda não estão tão claros, ao menos já sabemos que há muito tempo ele investiga pessoas “especiais” e que a mãe de Claire era uma delas. Seu amor pela filha adotiva também ficou claro, assim como seu conhecimento a respeito das atividades de Sylar. Provavelmente foi Bennet quem roubou todo o material encontrado por Mohinder no apartamento de Sylar (com a ajuda de Eden) e talvez ali estivesse a informação de que Claire seria uma das próximas vítimas.



Bennet conseguirá proteger Claire de Sylar?



Episódio muito bom. Trouxe informações importantes e preparou terreno para os acontecimentos essenciais que estão por vir. Nota 9,0.

No próximo episódio: Niki à caça de DL. Sylar à caça de Claire. Enfim a mensagem que permeou a série até então (“Save the cheerleader. Save the world.”) será cumprida.