sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

[LOST] 6x05 Lighthouse

por e.fuzii
Já dizia alguém logo no começo de Lost que tudo seria resolvido se os pais e filhos vistos na série sentassem para conversar e entrassem num acordo. Muito se especulou também quantos desses pais seriam de uma outra geração de habitantes da Ilha, o que eventualmente se confirmou para a maioria deles. Portanto, não seria na temporada final que essas questões deixariam de ser centrais para algumas dessas tramas. Se na semana passada Locke parece ter desenvolvido uma relação bem melhor com seu pai durante toda vida -- ou que aparentemente não chegou a quase lhe custar a vida quando jogado por uma janela --, dessa vez acompanhamos Jack encarando a conturbada relação com seu filho David. Nem perderei meu tempo especulando quem seria a mãe, porque continuo achando que isso não fará diferença quando as duas linhas se juntarem, mas para mim o mais intrigante foi ver Jack encarando sua cicatriz no espelho, antes de certificar-se com sua mãe que havia sofrido uma operação de apêndice quando criança. Talvez seja outro indício de que já exista uma fina conexão vigente entre essas duas realidades. Mesmo assim, ainda acho que essa realidade alternativa precisa mostrar-se mais efetiva além de dar um sentido de resolução para esses personagens, como se fosse para amenizar um possível final trágico da série. Mas apesar de Jack conseguir de certa forma atingir um momento de redenção frente ao seu filho no final, ele ainda vive ressentido pela relação com seu falecido pai, aquele que ele sempre procurou por aprovação e seguiu como guia em sua vida. E continua a seguir (ou procurar) mesmo depois de morto. Nada mais simbólico, em um episódio com esse título, do que Jack ser levado por Hurley através das tortas instruções de Jacob até um farol da Ilha em busca de sua verdade.
Antes disso, tenho de ressaltar que esse roteiro não funcionou mais uma vez pra mim, principalmente pelas eternas cenas de passeio pela floresta e a visitação à caverna sem propósito algum. Fora isso, parte dos diálogos da breve interação Kate-Jack e Jack-Hurley foram sofríveis. Nada que se compare, claro, com a condescendente reação de Jack e Hurley diante do farol que ninguém havia visto. Como se fosse uma situação tão absurda que os próprios roteiristas precisassem pedir desculpas para que esse fato fizesse o mínimo sentido. Entendo esse esforço saudosista em trazer de volta a aura que envolvia a primeira temporada, ou nas palavras de Hurley o aspecto "old school", com seus mistérios, descobertas, flashbacks reveladores. Até a ordem dos episódios na temporada faz par com o princípio da série -- episódio geral, depois focando em Kate, Locke e finalmente em Jack. Porém, sinto que tudo isso está sendo forçado em nome de revelações de impacto no final, com base nas já tradicionais perguntas imprecisas (ou às vezes idiotas mesmo) e nas longas jornadas de seus personagens separados, exigindo que certas revelações sejam explicadas mais de uma vez. Entre todo esse sentimento nostálgico, o que achei mais interessante foi a semelhança de Claire com a Rousseau apresentada no começo da série, não mais só na aparência mas também pelo seu estado mental, procurando desesperada por Aaron em toda a Ilha. Aquela desconfiança de que ela teria morrido, assim como na infecção de Sayid, parece desaparecer quando ela revela estar vagando por 3 anos na Ilha e sendo instruída por Christian e seu "amigo" Un-Locke, o que sugere que talvez consiga vê-lo além de sua forma física. Até então acreditava que fossem manifestações de entidades diferentes, mas Claire está convencida por ambos de que Aaron está com os Outros, ou nesse caso aqueles que estão no Templo. Se nem Jin contando a verdade é capaz de salvar um dos Outros de ser torturado até a morte, ele acaba obrigado a mentir para não colocar Kate já em perigo. Essa situação é especialmente interessante quando levamos em conta o passado de Jin, que com seu trabalho aprendeu quais as condições de ser manipulável ou manipulado por alguém. Aliás, agora que já sabemos quem manda de fato na Ilha, a questão nesse início de temporada vem sendo revelar a cada um desses personagens a razão de serem manipulados até ali. Na semana passada foi Sawyer quem ficou sabendo dos prováveis candidatos de Jacob na caverna e agora foi a vez de Jack descobrir pelos espelhos do farol que todos já haviam sido escolhidos há muito tempo atrás. Mas como os dois estão sendo manipulados pelos opostos da Ilha, tudo leva a crer que também teremos aí um grande embate em breve.
Assim, quem acaba ficando no meio do caminho é o simpático Hurley, que não consegue cumprir a missão que foi designado por Jacob originalmente: orientar aquele com o número 108 a chegar na Ilha. Embora estivesse escrito Wallace ao lado desse número, basta lembrar de um tal de Jeremy Bentham para continuar torcendo pelo retorno de Desmond. Também entendo quem possa taxar de anti-climático o repente de Jack de destruir todos os espelhos, principalmente por estragar (convenientemente) mais uma fonte de respostas. Mas sua reação ao descobrir que havia sido observado por grande parte de sua vida me pareceu bem condizente. Podem até condená-lo por mais uma decisão estúpida, mas sendo o homem da ciência e percebendo que sua vida segue esse destino inexplicável, óbvio que ele continuaria lutando contra essa verdade e pouco importaria quais respostas o espelho ainda poderia lhe dar. Afinal, ele voltou para a Ilha em busca da cura, de seu próprio conserto, e que talvez seja encontrar sua maneira de abraçar esse destino. Sentado diante do imenso mar perdendo-se no horizonte, Jack pondera sobre sua vida buscando aqueles momentos que tomaram rumos inesperados, fugindo de seu controle. Tudo que Jack precisa agora é de uma nova luz, ou um novo farol, para que ele enfim possa se guiar.

Fotos: Reprodução.

e.fuzii
twitter.com/efuzii

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

[LOST] 6x04 The Substitute

por e.fuzii
Manter-se em pé com fé. Era esse o lema de John Locke na sua primeira passagem pela Ilha. Longe dali, esse episódio acompanha um homem completamente diferente daquele visto nas temporadas anteriores, provando que o acidente foi determinante para sua mudança de postura, após se ver livre da cadeira de rodas e podendo mover seu pé novamente na praia. Era praticamente seu sonho tornando-se realidade, num misto de alegria e perplexidade diante de um milagre, mas que contribuiu para aumentar sua confusão cada vez mais. Atingiu seu ápice quando John Locke foi brutalmente assassinado por Ben Linus no quarto de hotel, assim como Un-Locke revelou há alguns episódios atrás. Era essa confusão também que fazia transparecer todo esse medo percebido por Sawyer, simplesmente porque John Locke era refém também dessa nova "chance", sem saber se sua desobediência às ordens da Ilha poderiam acabar com esse sonho. Porém, a situação de John Locke em Los Angeles é completamente diferente. Mesmo ao lado de Helen e já planejando seu casamento, ele se mostra cada vez mais frustrado, a ponto até de ter mentido sobre sua jornada na Austrália. Talvez o encontro mais significativo tenha sido no estacionamento com Hurley, opostos na sorte e azar nesse caso, quando Locke mostra todo seu complexo em não aceitar sua condição. Ele não quer ser tratado diferente dos outros assim como não quer depender da boa vontade deles pelo resto da vida. E mesmo assim Locke desiste de procurar tratamento com Jack, mas encontra conforto nas palavras de Helen, que lhe apoiaria na condição que estivesse. Talvez sua felicidade não se encontrasse em dar sentido ao seu sonho, mas sim à sua realidade. Por essa razão, John Locke encontra nessa relação seu final digno, sem ter afastado a pessoa mais importante em sua vida. É também pela atuação de Katey Sagal -- pós-Sons of Anarchy quase outra personagem pra mim --, que as doces palavras de Helen nunca ameaçam cair no melodrama. Vemos ao final John Locke satisfeito em ser um professor substituto, além de um inusitado encontro com Ben Linus na sala dos professores, premissa essa que renderia várias histórias curiosas, no mínimo.
No entanto, com a série agora praticamente correndo contra o tempo, chega a ser preocupante a forma como essa linha do tempo em 2004 vem sendo desenvolvida. Por se dedicar apenas a mostrar o "presente", a ausência de flashbacks deixa algumas lacunas -- que pessimistas poderiam até chamar de furos -- nessas novas histórias. Na semana passada, o leitor Daniel questionou se as motivações que levaram Claire a embarcar no voo 815 eram as mesmas vistas na primeira temporada. Ou seja, se com a Ilha submersa ainda existiu algum vidente para mandá-la até Los Angeles e que, portanto, previu que Aaron deveria ser adotado. Nesse episódio temos mais um caso, quando na maior naturalidade Helen sugere que logo combinassem com seus pais para fazerem uma cerimônia de casamento rápida em Vegas. A questão que fica é se esse pai de Locke é o Anthony Cooper que conhecemos, um alternativo ou se Locke teria sido adotado por uma família diferente. Em todos os casos, fica difícil precisar, por exemplo, quem seria o responsável pelo acidente que deixou Locke paraplégico, a não ser que fosse uma fatalidade nas correções de curso do destino. Quem sabe quando fizer algum sentido essas duas linhas do tempo juntas e que pareçam enfim destinadas a convergir, já não faça a menor diferença o que veio antes. Mas pra mim, é urgente que deem motivos para acompanhá-las ao mesmo tempo, principalmente porque o que acontece na Ilha tem me atraído cada vez menos. Não só pelo fato de surgir um novo personagem no final com todas as respostas, mas porque o grande problema continua sendo na estrutura, estabelecendo cenas ao invés de executá-las.
Afinal, apesar de muita gente reclamar do episódio anterior, não vejo muita diferença na forma de entregar a resposta no final. Claro que a revelação sobre os candidatos à sucessão de Jacob, além de um dos usos dos números, é muito mais recompensadora do que visualizar Claire vagando como louca pela Ilha. Óbvio também que não teria a menor graça se muita coisa já fosse revelada anteriormente. Mas meu receio é que a série caia nessa armadilha de prestar contas no final, assim como aconteceu em Battlestar Galactica que para preencher grande parte das lacunas de sua mitologia acabou apelando para os delírios de um personagem. Enfim, o fato é que perde-se tempo demais no longo caminho pela floresta até que James finalmente perca a paciência e aponte a arma para a cabeça do Un-Locke. E tudo o que ele precisa fazer é garantir que tem todas as respostas, como tantos Outros já fizeram, para continuar sendo seguido. Nesse meio tempo, surge também outro mistério na forma de um garoto loiro, parecendo uma entidade da própria Ilha, censurando Un-Locke por ter matado Jacob. Ele responde com a frase clássica de Locke, mostrando que não apenas tomou sua forma, mas há também uma crise de identidade em seu interior. Pode até parecer confortável demais que ele assuma a forma de Locke, principalmente para ganhar confiança dos personagens e do público, mas o mais interessante é como a história dos dois tem paralelos. O homem de preto, que dizia querer voltar para casa na semana passada, só busca sua libertação também, nesse caso dos domínios da Ilha. Para isso ele encontra no inconformismo de Sawyer alguém que possa servir para seus planos.
Já na caverna, e depois de um momento desnecessário de tensão nas escadas (que só me fazia perguntar como eles sairiam depois dali), há a grande revelação do episódio. Un-Locke mostra os nomes de quem seriam os candidatos de Jacob para sucedê-lo protegendo a Ilha, cada um deles com um dos famigerados números assinalados ao lado: 4-Locke, 8-Reyes, 15-Ford, 16-Jarrah, 23-Shephard e 42-Kwon. Esse último apesar de parecer dúbio, acredito ser Jin, tanto por completar a lista apenas com nomes masculinos como por ser uma razão (ainda que rasa) para ter milagrosamente sobrevivido à explosão do cargueiro. Dessa forma, foi revelado que Jacob, assim como visto em The Incident, manipulou cada um deles para chegarem à Ilha. A partir disso, seria opção de cada um abraçar ou não o destino para eles escolhido.
Além do desespero de Richard Alpert, talvez seja ingenuidade demais acreditar que Un-Locke seja menos manipulador que Jacob, vendo agora como ele parece usar James para atingir seus objetivos. Assim como mostrado na balança, desequilibrada por Un-Locke como uma piada interna, talvez Jacob e seu antagonista precisassem chegar a um consenso se quisessem deixar a Ilha e, portanto, encontrar o novo sucessor talvez fosse sua grande chance. Mas esse plano parece simples demais, principalmente levando em conta a situação do candidato Sayid no templo. Enquanto isso, o corpo do candidato Locke é enterrado na praia ao lado dos antigos companheiros. Aquele que foi o primeiro a acreditar em seu destino mas sem nunca ter conseguido correspondê-lo. Afinal, basta lembrar como Locke nunca foi capaz de matar o próprio pai ou mesmo girar a roda de burro. Entre as palavras de Benjamin Linus, ele acredita que Locke foi alguém bem melhor do que ele, um homem de fé, para finalmente lamentar por tê-lo assassinado. Nas palavras de Lapidus, o funeral mais estranho do mundo. Nem poderia discordar de quem esteve ali presente.

Fotos: Reprodução.

e.fuzii
twitter.com/efuzii

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

[Spartacus: Blood and Sand] S01E03 - Legends

por Rafael S


Como as lendas são construídas? Com feitos grandiosos ou com muitas mentiras? Esse é o principal tema desse terceiro episódio de Spartacus: Blood and Sand, que se aprofunda no passado dos guerreiros do ludus, além de marcar o início das primeiras competições na arena.

Depois de derrotar Crixus e ser oficializado como um dos gladiadores de Batiatus, era de se esperar que a moral de Spartacus ficasse lá no alto. Mas acho que ficou no alto até demais. Ele está especialmente cheio de autoconfiança nesse capítulo, sempre desobedecendo o treinamento de Doctore e não levando a sério o passado dos outros guerreiros do local. Ou seja, a situação perfeita para uma grande queda. Mas antes disso, em conversas com seu amigo Varro, várias histórias do passado foram escancaradas.

Primeiro conhecemos o passado de Barca, o outro grande gladiador do ludus ao lado de Crixus. O cártago, assim como seu povo, foram vencidos pelos romanos, e obrigados a lutarem entre si na arena. Depois de sangrentas batalhas, apenas dois sobraram: Barca e seu pai. E assim a trágica história do guerreiro foi construída, sendo obrigado a matar seu próprio pai na arena. Depois, ficamos sabendo mais sobre o gaulês Crixus. Ele não se tornou o favorito de Batiatus a toa. Sua lenda se construiu ao derrotar os irmãos Decimus e Tiberius, considerados dois demônios da arena, bastante temidos por muitos, em uma batalha sangrenta (imagem que abre esse texto). E entre outras lendas, vimos a de Theokoles, um suposto "gigante de três metros de altura", que matou todos os homens que enfrentou, menos um: Doctore (que cada vez mais ganha importância na trama). Mas no meio de tanta história, o que é verdade e o que é mentira? A tradição oral de passar histórias não é uma fonte confiável, mas era assim que a maior parte do conhecimento era transmitido naquela época. A série acertou ao retratar esses feitos de modo ainda mais estilizado que a própria série: sempre com uns efeitos fortes de luz, fumaça, e muito uso de sombras, criando uma ambientação bem fantasiosa, deixando dúvida sobre a veracidade daqueles acontecimentos.



E então, no que acreditar? Spartacus decidiu pagar para ver. Logo após o anúncio da Vulcanália, um festival, que entre outras coisas, envolvia batalhas na arena de Cápua, o guerreiro viu a oportunidade para mais uma vez vencer Crixus. Mas era óbvio que um novato como ele não seria escolhido para lutar com um lutador consagrado como o gaulês, por isso Spartacus foi selecionado apenas para uma preliminar, enquanto Crixus para a grande luta final do evento. E eis que em um rompante de autoconfiança, e porque não, arrogância, Spartacus mexeu seus pauzinhos para conseguir ser reescalonado para lutar com Crixus. Um grande erro - mesmo que ele não acreditasse nos feitos do gaulês, tinha noção de sua força, habilidade e experiência na arena. Sem contar que ele era um guerreiro muito mais disciplinado no treinamento do que o gaulês, sempre reclamando e se recusando a seguir as ordens de Doctore. Então, se apoiando em sua frágil vitória em sua seleção para entrar no ludus, lá foi Spartacus para a luta...tomar uma bela de uma surra. Um passeio do gaulês, que dominou a batalha em todo o tempo, e envergonhou Spartacus publicamente, ao obrigá-lo a pedir clemência no meio da arena. Decepção para Batiatus, Lucretia, Doctore, para o público e para si próprio. O episódio terminando com a imagem do trácio cabisbaixo, pensando na derrota que sofreu foi uma síntese do que aconteceu, uma punição por toda a autoconfiança exagerada. É de se esperar uma mudança de postura a partir do próximo capítulo.

E enquanto Batiatus aposta tudo na fama e glória de seus lutadores, Lucretia encontrou seu próprio modo de conseguir atenção, influência e poder: através de Ilithyia, mulher de Glaber. Sua visita ao ludus no episódio passado acendeu a chama do gosto dela pelas lutas (e lutadores), e como boa observadora que é, Lucretia viu a oportunidade de cativar a loura mergulhando-a naquele mundo e lhe abrindo um leque de perigosas possibilidades. Além do gosto pelo sangue, comprovado pela empolgação na arena, Lucretia viu a lascívia de como Ilithyia olhava para os gladiadores, todos musculosos e suados - e na cena mais ousada da série até agora, a convidou para uma sessão de voyeurismo e assistir Varro transando com uma criada, bem ao lado delas. Nem precisa falar o quanto a loura ficou atiçada, e Lucretia começou a fazê-la comer em sua mão. Um verdadeiro poço de esperteza.



E falando em Lucretia, esse episódio desenvolveu um insólito triângulo amoroso entre ela, Crixus e Naevia (Lesley-Ann Brandt), uma das criadas do ludus. Quer dizer, era evidente que Lucretia se aproveitava dos gladiadores como objetos sexuais, mas Crixus se apaixonar por uma criada foi bem inesperado. Um (possível) relacionamento amoroso no mar de luxúria que é aquele ludus, não duvido que Naevia venha a se tornar o ponto fraco do gaulês, seu calcanhar de Aquiles. Basta Lucretia tomar conhecimento do fato.

Esse foi mais um episódio de Spartacus: Blood and Sand cheio de sexo, sangue e linguagem inapropriada - reparem o quanto os personagens xingam, independente de sua classe social. Com o caminho até Sura cada vez mais difícil, esse capítulo ensinou ao nosso herói uma dura lição: antes de querer construir sua própria lenda, ele vai ter que aprender a respeitar a dos outros.

Fotos: Reprodução



Rafael S
http://twitter.com/rafaelsaraiva

domingo, 14 de fevereiro de 2010

[Criminal Minds] 5x14 "Parasite"

(por Celia Kfouri)


Atrasei de novo meus comentários, então aceitem minhas desculpas, mais uma vez. Agora, como teremos uma pausa, acho que ficará tudo em dia, e com folga.


O episódio trouxe um unsub interessante: um golpista que se tornou assassino para acobertar seus crimes. Ele já era um criminoso em série; era mais de uma década de golpes envolvendo empresas de investimento de fachada, fazendo dele um aspirante a 'Bernie Madoff'.


Nessa trajetória, ele acabou assumindo inúmeras identidades falsas, até que passou do ponto, perdeu o controle, e se enredou nas próprias mentiras.

Ele vivia uma sequência de envolvimentos amorosos, com mulheres que tinham dinheiro para investir, ou entao que tinham maridos ricos com dinheiro para investir. Depois, de tempos em tempos, voltava para casa, onde tinha num filho e era casado com Rebecca (Annabeth Gish, para mim, a eterna agente Reyes, de Arquivo X). Era um Casanova con man.


Um agente do FBI (David Eigenberg, para mim, o eterno Steve-de-um-testículo-só, de Sex and the City), que lida com crimes financeiros e há tempos caça esse unsub, procura a BAU quando o golpista se torna assassino. Como disse Morgan, é um psicopata, uma ameaça à sociedade.


A equipe tem que esmiuçar caixas e caixas de papelada acumulada pelo Agente Goldman nos seus anos de infrutífera caçada, e nosso querido e weirdo Spencer Reid mostra o tanto que adora esse tipo de trabalho. Só ele mesmo!


Reid, uma verdadeira máquina de coletar e armazenar informação.



Analisando todas essas informações, e com a ajuda da infalível Garcia, eles começam a procurar pela mulher do unsub, e assim chegar até ele.



Quando o fazem, ele está diante da mulher e de uma das amantes/vítimas, que está grávida. Ele, que está vivenciando um verdadeiro 'racha mental' de todas as suas identidades, se vê numa situação para a qual parece não haver saída. Diante da iminência de perder sua posição, dinheiro, etc, ele opta pelo suicide by cop, fazendo com que seja morto pelo FBI.


O unsub, tendo que encarar as duas.


Gosto muito desse tema, que apareceu pouco na série. Na verdade, nem me lembro de outra série ter tratado da questão: criminosos que levam a polícia a matá-los, e a necessidade de a polícia estar atenta para não cair nesse jogo.


O episódio em si foi isso, com alguns detalhes que chamaram minha atenção.


A citação do início foi muito bem colocada, num casamento perfeito com o suicide by cop do final: "If I am what I have, and if I lose what I have, who then am I?"- Erich Fromm

Vendo que não sobrava nada, o unsub se faz matar pela polícia.



O momento da decisão.


Adorei ver Rossi 'corrigindo' Hotch, quanto ao papel que a mulher do unsub desempenhava no caso, pelo simples fato de mostrar que todos ali dependem de todos, e que mesmo Hotch pode ter impressões equivocadas.


A equipe esteve toda unifrome e equilibrada em suas atuações mas, mais uma vez, Reid se destacou. É um personagem fascinante mesmo.


Para terminar, não dá pra deixar de falar de Sawyer, de Lost. Pensei nele o episódio todo. O con man que engana mulheres, atrás do dinheiro delas e de seus maridos, com falsas identidades, bonitão e charmoso.


É isso. Os comentários do 5x15 logo estarão aqui também.


Celia Kfouri.

twitter.com/celiakfouri

[FNL] 4x12 Laboring

por e.fuzii
"There is law and there is life."
Se existe algo que não podemos reclamar em Friday Night Lights é o fato dos roteiristas saberem amarrar suas histórias, no sentido de realmente recompensar no final seu público. Partindo dessa frase dita pelo advogado de Tami diante do escândalo que está envolvida, todas as histórias tiveram um pé naquilo que é teórico e outro no prático. Afinal, para nós que acompanhamos o desenrolar da história entre Becky e Tami -- que estranhamento nunca mais dividiram nenhuma outra cena depois -- sabemos que ela nunca influenciou a garota a tomar sua decisão. Mas até que ponto vale a pena lutar para provar isso enquanto não se tem garantias de sustento da família? Resta a Tami engolir seu orgulho e preparar o pedido de desculpas, mesmo que seja penoso assumir essa culpa e ficar com sua carreira manchada pelo resto da vida. Mas não é exclusividade dela enfrentar ameaças e trotes no lar dos Taylor. Com a proximidade do jogo contra os Panthers, Coach Taylor descobre o que é ser inimigo de uma cidade mesmo sendo habitante dela. Na semana passada, considerava até escrever que essa rivalidade entre os dois times ainda parecia superficial demais, mas ainda bem que resolvi dar um voto de confiança. O clima agora está realmente tenso, a ponto de mais um limite acabar sendo cruzado e uma provocação virar motivo de vandalismo no campo dos Lions. Coach Taylor está mais do que certo de preocupar-se com a seriedade que toma conta da partida, mesmo que suas chances de vitória sejam mínimas. Fora de campo eles já até sofrem sua primeira derrota, quando são obrigados a abrir mão do mando de jogo.
Para minha surpresa -- porque imaginava que essa tensão seria levada pra dentro de campo --, o único personagem que ainda atingiu a redenção nesse episódio foi Vince, que no último instante decidiu pular fora do plano de vingança. Não que isso lhe dê alguma garantia de segurança, ainda devendo o dinheiro da internação de sua mãe e agora marcado por Kennard por faltar com certa "irmandade" em relação ao amigo morto. Enfrentando essa dilema tão sério, Vince contava apenas com o apoio de Jess para não cometer outro crime, o que acaba por desviá-la também cada vez mais do caminho de Landry. Interessante como esse triângulo adquiriu tanta complexidade, e até compaixão de ambas as partes, em apenas dois episódios. Já sabendo da saída de Taylor Kitsch do quadro de regulares da série, também tivemos a chance de aproveitar os últimos momentos cômicos dos irmão Riggins, com Billy aceitando pouco a pouco sua condição de pai na sala de espera até sair correndo pelo hospital para ficar ao lado de Mindy. Além disso, Tim Riggins protagonizou uma linda cena ao lado de Becky constatando que pela primeira vez sua vida tomou algum sentido, diante dos vastos campos de sua propriedade. Mas como toda essa alegria não poderia vir assim de graça, logo os dois são levados para prestar esclarecimentos sobre o negócio dos desmanches. Só espero que Tim não decida assumir a culpa sozinho para liberar Billy -- agora que tem uma família para cuidar --, já que acho injusto terminar sua história num tom tão baixo depois de tanta evolução durante a série. Como destaquei no começo, todas as tramas aqui tem uma razão para existir e sempre deixam consequências. Agora com todos os personagens sob pressão, só nos resta mesmo torcer, e muito.

Fotos: Reprodução.

e.fuzii
twitter.com/efuzii

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

[LOST] 6x03 What Kate Does

por e.fuzii
Última temporada e logo na segunda semana já temos um episódio com o nome de Kate estampado no título. Não poderia ser mais frustrante para alguns. Embora não concorde, entendo as razões para logo de cara torcerem o nariz para os episódios centrados nela. Além do aspecto definidor de sua personalidade (nascida para fugir) sobressair sempre, o que de certa forma independe se ela é o foco principal ou não, a maioria deles pecam por serem irregulares. Mas temos excessões, como o bom Whatever Happened, Happened da temporada passada, por exemplo. Dessa vez, sinto que esse título do episódio faz referência àquele com um dos flashbacks mais importantes da personagem, What Kate Did ainda na segunda temporada, servindo principalmente como indício de que esses acontecimentos paralelos em 2004 são definitivos. Afinal, se antes o título referia-se ao passado, agora ele encontra motivos nos dois "presentes", ou seja, é disso que Kate é capaz. Nem acho que a culpa desse episódio pode ser jogada nas costas dela, até porque Kate mostra sinceridade ao tentar ajudar Claire em 2004 ao mesmo tempo que faz dela sua motivação na Ilha em 2007. É verdade que a história em Los Angeles é bastante absurda, não apenas por Kate se expor e cruzar a cidade dirigindo um táxi roubado, como por Claire aceitar carona de uma fugitiva que lhe apontou a arma pra cabeça momentos antes. Só poderia ser explicado se isso já fosse algum tipo de convergência entre essas duas linhas paralelas. Na semana passada tentei de todas as formas desviar-me dessa discussão, mas diante do rosto de Kate ao ouvir o nome Aaron torna-se inevitável não tratar do assunto. Na conversa final entre as duas, no quarto do hospital -- quando Claire dá seu cartão de crédito (!!!) em retribuição à ajuda de Kate --, elas parecem não saber explicar por que o nome Aaron simplesmente soa "correto". Claro que alguém poderia dizer que é apenas o destino corrigindo seu curso e fazendo com que esses personagens se cruzem, mas vejo um algo mais aí, principalmente na estrutura narrativa, dando razão nesse caso para a fuga de Kate do Templo. Se não fosse por isso, seria apenas Kate outra vez exercitando sua característica dominante enquanto corre atrás de um de seus machos. Ou talvez mais um passeio frustrado escoltando reféns pela floresta. Além disso, ainda tivemos a participação de Ethan no hospital, sendo todo prestativo com Claire. Se às vezes esse comportamento inusitado parece querer apenas chocar o espectador, fico esperando que faça algum sentido no todo.
Porém, o grande problema esteve no que aconteceu dentro do Templo, após a ressurreição milagrosa de Sayid. Acho que devo ter olhado pelo menos 12 vezes o contador de tempo, preocupado com o desenrolar dessa história. Não tenho mais paciência para aguentar todo esse mistério aparentemente sem propósito, sejam as torturas que submeteram Sayid ou alguns objetos que tentam desviar nossa atenção, como a bola de beisebol na mão de Dogen. Apesar de pela primeira vez a teimosia de Jack servir para alguma coisa, o episódio parecia arrastar-se até terminar naquele ponto, revelando que Sayid estava infectado com a doença, assim como Claire, pouco antes dela também aparecer para Jin na floresta. O que me incomodou é terem perdido tanto tempo despistando, escondendo informações, para que no final Dogen resumisse dizendo "porque aconteceu com sua irmã". Precisava ser assim tão óbvio? Como sempre as respostas vem tão mastigadas na série que acabam frustrando todo mundo. Por outro lado, o visual Danielle Rousseau de Claire é bastante intrigante, principalmente pela francesa já ter citado uma doença misteriosa anteriormente, além de sua morte ter sido poucos episódios antes de Claire ter desaparecido. Além de espalhar armadilhas, resta saber se ela também vaga pela Ilha procurando pelo seu filho. O que questiono é se isso não seria um ciclo se repetindo -- de acordo com a teoria de "Esau" -- e se esses corpos não seriam as tais peças sendo movidas nesse tabuleiro. Dessa forma, não me precipitaria ainda em descartar que Jacob pode ter se apoderado do corpo de Sayid, como escrevi na semana passada, logo depois de ter morrido. Porque esse sujeito fragilizado, ou nas palavras de Hurley quase um zumbi, não é o Sayid que conhecemos. Talvez a questão seja ainda entender a relação desse povo do Templo com os outros habitantes da Ilha e se suas palavras são confiáveis, ou seja, se essa "escuridão" que toma conta do corpo deles não pode ser apenas uma visão parcial do problema. Resta saber ainda o conteúdo da tal lista, a qual Aldo e Justin questionam se Jin estaria ou não.
Antes de terminar, deixo tudo isso de lado para dedicar um parágrafo a Josh Holloway que, embora não tenha me agradado na premiere, dessa vez foi o grande destaque emocional do episódio. Ainda lamentando a morte de sua amada, Sawyer larga tudo para rever o anel que selaria seu comprometimento com Juliet. Incrédulo, será interessante observar sua postura a partir de agora duvidando dos cursos do destino na Ilha, a ponto de desmerecer com seu sarcasmo o retorno de Sayid do mundo dos mortos. Além de que diante da mais remota possibilidade de unir as duas linhas do tempo paralelas, Sawyer encontrará sua esperança. Como já esperava na semana passada, a cena nas docas mostrou que os caminhos de Sawyer e Kate estão mesmo separados para sempre, ainda bem. Enquanto ele arrepende-se de ter convencido Juliet a ficar, Kate pondera sobre o quanto a volta dos Oceanic Six -- ainda deve-se usar essa nomenclatura? -- foi um desastre a todos que ali estavam. Ao menos uma boa cena solitária em meio a tantas outras que serviram de preparação para o que está por vir. Concordo com grande parte dos mais pessimista que Lost já não pode dar-se ao luxo a essa altura de perder tempo e cadenciar sua trama. Chegou a hora de definitivamente concentrar-se em trazer soluções, elaboradas, e não apenas atirar respostas ao seu espectador.

Obs.: Sei que os produtores adotaram o nome flash sideways para caracterizar a estrutura de histórias paralelas nessa temporada, inclusive até com um som diferente de ranger durante as transições. Mas decidi não usar, primeiro porque odiei o termo e a forma como impuseram isso a nós. E segundo porque quando uma trama ocorre em 2007 e outra em 2004, elas não parecem estar exatamente lado a lado, né? Até que se justifique ou façam valer a pena, continuarei evitando de usá-lo.

Fotos: Reprodução.

e.fuzii
twitter.com/efuzii

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

[Caprica] 1x02 "Rebirth" e 1x03 "Reins of a Waterfall"

por Allan


Rebirth e Reins of a Waterfall são ambos os episódios de introdução, ótimos episódios de introdução é bom dizer, mostrando o universo onde tudo se passa, revelando motivações e introduzindo novos personagens. A série já mostrou que não é uma continuação de Battlestar Galactica mesmo compartilhando o mesmo universo, não há muito de sci-fi aqui, Caprica é um drama, mas a qualidade que a série apresentou agora é condizente com o que se esperava de Galactica.

Rebirth trata principalmente das conseqüências para as famílias Adama e Graystone do atentado terrorista que aconteceu no episódio piloto. A família Graystone descobre e tem que aceitar que sua filha participou do atentado, o que leva Amanda a fazer um discurso admitindo (erroneamente) que sua filha foi responsável pelo que aconteceu no trem. No mais, somos apresentados a família de Sister Clarice, membros do mesmo culto que Zoe fazia parte.

Algo que se destaca é o modo como estão tratando “Zoe2”, alternando imagens do Cylon com as de Alessandra Torresani. Achei uma ótima, torna mais fácil de simpatizar com a personagem ao mesmo tempo que traz de volta uma pergunta recorrente em Battlestar Galactica: os cylons são apenas máquinas, ou eles podem ser considerados pessoas?


Reins of a Waterfall mostra a família Graystone lutando contra o ódio e desprezo resultantes do discurso de Amanda em Rebirth e ficamos sabendo como Joseph e Daniel se tornam inimigos. Novos personagens também foram introduzidos no episódio e um pouco mais da vida de Joseph Adama é mostrado. Como o piloto já indicava, Joseph não é exatamente como as memórias de Bill Adama em Battlestar Galactica faziam crer. Algumas das motivações de Sister Clarice e do culto foram reveladas, mas as informações ainda são escassas e os propósitos do culto continuam nebulosos.

A volta do avatar de Tamara abre algumas interessantes possibilidades para serem exploradas em episódios futuros, já que ela não tem memórias e não sabe que vive em apenas um mundo virtual. Será que ela se tornará semelhante ao avatar de Zoe2, ciente de sua condição e capaz de tomar decisões e traçar objetivos, e assim ocupando algum papel mais central na história?

Fotos: Reprodução.


Allan
twitter.com/allanschnorr

[LOST] Promoção - Pôster AXN

Para comemorar o lançamento da última temporada de Lost, vamos sortear entre os nossos leitores um pôster preparado pelo canal AXN, contendo vários momentos marcantes da série. Para participar é simples, basta responder nos comentários qual o seu momento mais marcante de Lost. E fique ligado que a nova temporada já estreia no canal AXN na próxima terça-feira, apenas uma semana depois da exibição pela ABC. Vale até para servir de aquecimento para o próximo episódio.
(foto reproduzida do site Omelete)

A promoção é válida apenas para residentes no Brasil e o sorteio será seguindo a ordem dos comentários neste post. É importante deixar também seu nome completo e alguma forma de contato, seja site/blog, e-mail válido ou perfil no twitter. Qualquer inscrição fora desses padrões será desconsiderada. A promoção é válida até a próxima quarta, dia 10/02 e o vencedor será divulgado no dia seguinte aqui mesmo. Portanto, participe e boa sorte!

Atualização 08/02: Atenção! 4 pessoas (Luu, Miguel Horta, Bel e Cau) foram desclassificadas por não deixarem nenhuma forma de contato. As incrições se encerram a meia noite no horário de Brasília.



Promoção encerrada!

Agradecemos a todos pela participação e contabilizamos ao todo 22 inscrições válidas. O resultado do sorteio foi o seguinte:
A sétima pessoa na lista de comentários e vencedora do pôster de Lost foi a Érica, que considera o momento mais marcante para ela aquele em que Jacob e Fake Locke conversam no pé da estátua, principalmente por eles serem as chaves dos mistérios da ilha.

Então Érica, parabéns! Entraremos em contato muito em breve.

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

[Chuck] 3x05, 3x06 e 3x07

por Allan

Chuck vs. First Class trata da primeira missão solo de Chuck. Apesar de ser um passo grande para Chuck, a missão solo não trouxe nenhuma grande mudança para a série. A exemplo dos episódios anteriores, os poderes do novo intersect tiveram uso moderado e, somado a isso, Casey e Sarah tiveram uma forte presença nos acontecimentos, deixando o episódio com um ar familiar apesar das mudanças na estrutura, o que tem sido também o ponto forte dos últimos episódios.


O destaque da missão da semana foi a participação de Kristin Kreuk. Não por ela ter feito uma grande atuação, mas pelo modo como sua personagem foi integrada a missão, intercambiando conversas entre Hannah e Chuck com a missão da semana. Ao ver que Hannah seria parte do importante do episódio, fiquei temeroso que duas coisas pudessem acontecer. Uma delas é que a presença de Hannah desse mais uma vez grande ênfase aos problemas amorosos entre Chuck e Sarah, porém, apesar de a relação dos dois voltar a ter uma maior presença nesse episódio, isso aconteceu de modo sutil. O mesmo acontecendo nos episódios seguintes, não me incomoda uma breve relação amorosa entre Chuck e Hannah. A outra coisa que fiquei temeroso que acontecesse é que em algum momento Hannah se revelasse uma agente da aliança. Isso já ocorreu algumas vezes na série com outros personagens a ponto de se tornar batido, espero que não aconteça novamente agora.


O núcleo Buy More estava muito divertido devido à presença de Casey. Apesar de Casey trabalhar na Buy More há um bom tempo, ainda não tínhamos visto muitos detalhes de seu tempo na loja, seria uma boa idéia os roteiristas o integrarem ao núcleo Buy More novamente no futuro. Casey usando suas técnicas de espionagem para controlar os empregados rebeldes foi um dos melhores momentos do núcleo Buy More em toda a série.

Chuck vs. the Nacho Sampler foi um bom episódio, apesar de deixar um pouco a desejar se comparado ao ótimo episódio da semana anterior. Hannah volta como empregada temporária da Buy More, mas sua participação dessa vez é menor e restrita ao núcleo Buy More e às tentativas de Morgan conquistá-la. Morgan nunca foi um grande personagem, inclusive muitas vezes foi irritante, caso desse episódio. Morgan agiu como um obsessivo em suas tentativas de conquistar Hannah e não foi nem um pouco engraçado, como Jeff e Lester.


A missão da semana é, mais uma vez, uma missão de aprendizado para Chuck, que deve tornar-se amigo de Manoosh, uma quase cópia de Chuck antes da vida de espião, e descobrir sobre seu envolvimento com a Aliança. A missão teve alguns bons momentos de comédia (“Trankestein”, Chuck e a caneta laser), mas a Weap-Com decepcionou com seu cenário simples demais, o que arruinou qualquer verossimilhança que a conferência poderia ter ao mesmo tempo que ela não se encaixava na parte comédia da série. O desfecho com Chuck entregando Manoosh foi uma surpresa, ao menos para mim. Apesar de Chuck estar cada vez mais próximo de se tornar um verdadeiro espião, não esperava que ele tivesse a frieza necessária para roubar a liberdade de alguém, ainda mais alguém tão próximo a ele.

"Chuck vs. the Mask" foi um episódio regular com alguns péssimos momentos, obviamente a relação Chuck e Sarah que agora se tornou um quadrado amoroso. Não me incomoda Chuck e Sarah estarem separados, nem uma relação entre Chuck e Hannah que todos sabiam que aconteceria, mas triângulos e quadrados amorosos raramente se tornam algo interessante e em Chuck não é diferente. Os obstáculos que mantém Chuck e Sarah separados são cada vez mais artificiais e estão arruinando a relação entre Sarah e Chuck ao ponto de levar muitos fãs a não darem a mínima para a relação entre os dois. The Office mostrou que unir um casal dá certo e funciona muito melhor do que mantê-los separados indefinidamente. Os roteiristas de Chuck deveriam assistir a alguns episódios de The Office e aprender com Jim e Pam.

A missão da semana foi regular. Foram muitos furos no roteiro e o tema da missão não foi muito cativante, mas Hannah foi integrada à missão de um modo consciente e a presença dela e a chance de ver Chuck tendo um papel mais ativo na missão, sendo o principal responsável por tudo dar cedo no final ajudaram a ignorar os problemas. Chuck vem crescendo nos últimos episódios, cada vez mais próximo de se tornar um espião como Bryce Larkin, mas está claro que ainda é cedo para ele se tornar um agente solo. Obviamente Casey e Sarah não deixarão a série, já que são tão essenciais quanto Chuck, estou curioso para saber o que o próximo episódios nos reserva.


Uma grande decepção foi Morgan e Ellie não descobrirem nada sobre os segredos de Chuck. O episódio anterior criou expectativas com Morgan e Ellie se unindo para descobrir os segredos de Chuck e Jeff e Lester se encarregando de investigar, mas tudo a investigação chegou a um fim muito rápido, não acrescentou nada a série. Se a série tivesse maior cuidado com os furos no roteiro, até poder-se-ia argumentar que a investigação ocorreu porque é absurdo demais ninguém próximo a Chuck desconfiar de todas as suas saídas misteriosas, mas furos no roteiro não parecem ser uma preocupação e as saídas já ocorrem há um bom tempo. Dito isso, então qual o propósito de uma investigação agora, se as suspeitas acabam tão rápido?

A série fará uma breve pausa e retorna 1° de março, se tudo der certo retorno também os comentários semanais dos episódios. Até lá.

Fotos: Reprodução.


Allan
twitter.com/allanschnorr

domingo, 7 de fevereiro de 2010

[Spartacus: Blood and Sand] S01E02 - Sacramentum Gladiatorum

por Rafael S


Depois de provar a glória na arena ao vencer quatro oponentes, Spartacus foi comprado por Batiatus e levado para seu ludus (uma espécie de escola de treinamento para gladiadores). O herói já havia mostrado sua bravura, então era de se esperar que ele impressionasse os outros lutadores. Mas ao invés disso, sua chegada ao ludus não foi tão glamourosa como se esperava. E esse novo ambiente é o destaque desse segundo episódio de Spartacus: Blood and Sand.

Após seu grande feito, a fama de Spartacus rapidamente se espalhou entre os gladiadores da academia. E como todo bom novato, não teve a melhor das recepções por aqueles que já habitavam o local. Liderados por Crixus (Manu Bennett), gaulês e mais valioso guerreiro de Batiatus, os lutadores fizeram de Spartacus motivo de chacota por sua ascendência trácia e minimizaram seus feitos. E quando começa o treinamento para os recrutas se mostrarem dignos de virarem gladiadores de Batiatus, o trácio encontra mais uma pedra no seu caminho: Doctore (Peter Mensah, do filme - vejam só - 300. Coincidência?), o treinador do ludus, que faz todos os recrutas comerem o pão que o diabo amassou com treinamentos dia e noite, para prepará-los para o teste que avaliará se eles serão dignos de integrarem o rol de gladiadores. E assim começa essa nova fase na vida de Spartacus, onde após ser vencido com facilidade em uma batalha por Crixus, logo vê que as coisas não serão tão fáceis como pareciam.

Ao introduzir o ludus na série, os roteiristas apresentaram um novo núcleo de personagens, com tipos para todos os gostos. Além de Crixus e Doctore, conhecemos Varro (Jai Courtney), um novato com uma história de vida diferente da de Spartacus - ele ingressou o ludus como forma de ganhar dinheiro para pagar suas dívidas. E pelo que o episódio traçou, ele será um dos grandes parceiros do herói (na aparência, me lembrou Iolaus, grande sidekick do Hércules do seriado). Também fomos apresentados a Ashur (Nick Tarabay, da série Crash, inspirada no filme homônimo), uma espécie de negociante local, responsável por apostas e uma série de negócios escusos dentro do ludus.



E além de conhecer mais da casta baixa do local, o episódio dá um grande destaque aos donos do local, o casal Batiatus e Lucretia. Batiatus viu em Spartacus uma esperança de conseguir ascensão social. Atolado em dívidas, o ludus é propriedade da sua família há algumas gerações, mas o momento não é dos melhores. E em uma jogada arriscada, apostou o pouco dinheiro que lhe restava ao comprar o guerreiro trácio. Além de já ter testemunhado seu potencial em combate, ele percebeu que Spartacus tem seu valor para Glaber, e vai tentar ao máximo usar isso em seu favor. Seu diálogo com o trácio perto do fim do capítulo foi um dos pontos altos, uma barganha entre dois homens desesperados, um por poder, outro por seu amor, em uma frágil união que poderá beneficiar ambos.

Já Lucretia tem as mesmas ambições de poder e dinheiro do marido. Um detalhe curioso é que, sempre que estão juntos, ela e Batiatus parecem mais sócios em um negócio do que marido e mulher. Sempre conversando sobre negócios, eles veem um no outro uma chance de se erguer na vida - e o casamento no fundo parece ser uma mera convenção social. É só reparar como o sexo entre eles é puramente carnaval: enquanto conversam sobre meios de ganhar dinheiro, eles simplesmente entram no quarto, e são despidos e...estimulados por seus criados (essa era uma prática comum na Antiguidade ou uma criação da série?), para depois se atracarem no sexo, nem nenhum demonstração de carinho um com o outro. E o modo lascivo como Lucretia olha para os guerreiros do ludus demonstra que fidelidade não deve ser o forte por ali...e me parece uma contagem regressiva para quando ela irá investir em Spartacus. De qualquer jeito, nesse compasso incomum, o casal parece se entender, formando uma bela dupla em cena. Méritos dos atores também.

Entre uma surra e outra, Spartacus muito pensou sobre entregar os pontos ou entrar de cabeça na vida de gladiador. Tendo sonhos/pesadelos com Sura, ele não fazia destino do destino de sua mulher - isso até Glaber aparecer em sua cela e falar e a vendeu para um sírio, após ter servido de "diversão" para sete de seus homens. Ao mesmo tempo que deixou o sangue de Spartacus em ebulição de ódio, essa informação foi a pista que ele pôde se apegar para nutrir as esperanças para reencontrar Sura, e o fator decisivo para aceitar a barganha de Batiatus. E assim chegou a hora do sua prova final como recruta, onde ele enfim conseguiu derrotar Crixus (o que deve acirrar ainda mais as disputas internas do ludus nos próximos episódios) e sagrar-se como um dos gladiadores de Batiatus, carregando consigo a marca do seu mestre.



Esse segundo episódio fechou a introdução da série, apresentando o restante dos personagens importantes para a trama, e ambientando o ludus, local onde deve transcorrer boas partes dos acontecimentos. Menos violento o que o capítulo anterior, percebi nesse episódio um grande número de xingamentos e palavrões no texto. Curioso. De qualquer jeito, esse episódio foi focado mais em Spartacus e Batiatus, e em como seus destinos se cruzaram. Que venham agora muitas batalhas na arena.

Fotos: Reprodução



Rafael S
http://twitter.com/rafaelsaraiva

[FNL] 4x11 Injury List

por e.fuzii
Já é de se esperar muita tensão nos momentos finais da temporada de Friday Night Lights, mas não a ponto da maioria desses personagens terminarem arrasados. Afinal, o céu de Dillon está praticamente desabando sobre a cabeça deles. Enquanto no episódio anterior era momento deles tomarem firmes decisões diante de problemas alheios a sua culpa, agora chegou a vez de encarar as consequências. Os moradores de Dillon esperam ansiosamente pela partida que colocará a equipe dos Lions e Panthers frente a frente e dividirá sua cidade em duas, não apenas em espírito esportivo mas também economicamente. Por mais que Coach Taylor tente controlar os ânimos de seus jogadores, diante de mais uma derrota e com Luke finalmente saindo contundido de campo, as chance são mínimas de um resultado positivo. Apesar de ser injusto comparar situações de personagens diferentes, sinto que Luke teve o arco mais dramático nessa temporada: saindo do time do Panthers, perdendo o posto de líder nos Lions, as constantes pressões de sua família, a contusão e a gravidez de Becky, enfim, foram poucos os momentos de tranquilidade para o garoto. Então, agora que sua mãe descobriu sobre o aborto, Luke fica no meio do caminho entre reconhecer sua culpa e procurar por um culpado nessa história. Quem acaba sofrendo com isso é Tami, que apesar de manter seu emprego e sua licença de conselheira, sabe que seus problemas serão realmente sérios quando esse boato virar escândalo na boca dos pais dos alunos.
Mas é Vince quem mais sofre nesse episódio, vendo seu amigo sendo baleado após um acerto de contas que termina em tragédia. Ele termina sendo consolado por Jess que, embora se esforce para fazer a relação com Landry funcionar, sabe que o passado e a identificação dos dois é forte demais pra ser ignorada. Tivemos ainda uma breve volta de Matt Saracen, ainda que a longa distância, tentando restabelecer contato com Julie, percebendo que seu sonho nunca estaria completo sem ela ao seu lado. Por mais que o histórico nos faça torcer pela volta do casal, estou achando interessante essa possibilidade de Julie se tornar voluntária, e curioso para saber como seus pais vão encarar essa decisão. No mais, a ligação serviu mesmo para Aimee Teegarden mostrar o quanto evoluiu como atriz, explodindo de raiva ao telefone. Já a despedida de Tim Riggins da casa de Becky foi bastante conturbada, embora cercada de previsibilidade e uma falta de sutileza no final. Assim que a mãe de Becky veio com elogios para cima de Tim, logo imaginei que essa história terminaria mal, ainda sem achar que fosse por uma distorção da situação e ciúmes da filha. Aliás, cenário bastante parecido com a vez que Coach Taylor encontra Riggins na cama de Julie. Apesar de ser válida essa proximidade da relação entre Becky e Tim -- a ponto dela até ironizar a fonte de renda para adquirir o terreno --, o discurso final ressaltando todas as qualidades dele pareceu um pouco exagerado. Ainda assim, parece ser um boa preparação para um adeus digno ao personagem que mais amadureceu durante toda a série, Tim Riggins.


Fotos: Reprodução.

e.fuzii
twitter.com/efuzii

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

[LOST] 6x01-02 LA X

por e.fuzii
"Nada é irreversível", diz Jack Shephard. Tudo leva a crer que essa será a questão crucial dessa última temporada, ponderando principalmente as conexões entre esses personagens se tivessem desembarcado no aeroporto de Los Angeles. Muito se especulava sobre essa possibilidade de reiniciar a história, algo que sempre fui contra por praticamente ignorar tudo que vinha sendo desenvolvido até aqui. Outros acreditavam que com a explosão da Jughead, todos os personagens que estavam no passado simplesmente voltariam ao seu tempo "normal". O que os produtores decidiram fazer? Abraçar as duas causas. Se já vínhamos nos deslocando para frente e para trás nessa linha do tempo e depois junto até dos próprios personagens, chegou a vez de explorar uma linha paralela, praticamente uma realidade alternativa após a detonação da Jughead em 1977. Mas claro que o plano de Jack serve apenas como ponto de partida para as mudanças que vemos a bordo do voo 815, tanto pelos vários personagens faltando como pela presença de Desmond entre os passageiros. Claro, se tudo que vimos na série até aqui parecia determinado a acontecer, nada mais natural do que uma única causa desencadear novas consequências a cada um desses personagens. Deve ser um alívio também para os produtores saberem que essa será a última temporada, até porque não deve ser nada fácil surpreender com um novo formato pra série todas as vezes.
De início, tudo parece ser uma ilusão ou alucinação de algum personagem, mas depois que Juliet manda uma mensagem do além para Miles dizendo que o plano funcionou, e a medida que os acontecimentos em LA passam a ficar sérios, estava confirmado que balançaram novamente as estruturas. Acho que o grande desafio agora é dar importância a essas histórias paralelas fora da Ilha, convencendo o público de que essas duas linhas de tempo, uma em 2004 e outra em 2007, devem convergir em determinado momento. Embora não consiga imaginar como isso pode ser possível -- ainda mais vendo que a Ilha está totalmente submersa numa delas --, espero que a dinâmica vá além de estabelecer motivações ou refletir sobre o comportamento dos personagens em questão, assim como já visto nos flashbacks. Interessante é que dessa vez há uma relação em duas vias: inicialmente não sou capaz de simpatizar com esse "novo" Jack, por exemplo, não já sabendo de toda sua teimosia em qualquer linha do tempo possível. Ou até acreditar que Charlie pode ser muito mais que esse roqueiro otário, ainda que fique curioso para saber como fazer essa ligação com um personagem já morto na Ilha.
Afinal, dead is dead, certo? E nesse primeiro episódio, além da confirmação da morte Juliet, acompanhamos Sayid morrendo após as tentativas frustradas de salvá-lo no Templo. Sinceramente, no primeiro caso nada posso dizer além de lamentar esse descarte de uma das personagens mais intrigantes da série. Nem acho que era necessário escandalizar esse adeus, com ela morrendo nos braços de Sawyer, ainda que vê-lo jurando o doutor de morte tenha sido bem bacana. Não só pelo ato em si, mas também pelo seu comprometimento a ela. Talvez seja a deixa para nunca mais termos de aturar o triângulo mais chato da televisão -- nesse caso torcendo para que não venha nenhuma outra influência de Los Angeles. Creio que essa cena já havia sido gravada, até pelo estranho fato de Sawyer enterrar Juliet antes de pedir para Miles se comunicar com ela. Já a morte de Sayid é um pouco mais complexa. Estou praticamente certo de que Jacob se apoderou de seu corpo, embora a desconfiança de Miles possa indicar uma "simples" ressurreição. Mas o fato é que finalmente conhecemos o Templo secreto e seus habitantes, com os personagens sendo capturados mais uma vez e salvos por uma lista num "biscoito da sorte" em forma de ankh dentro do estojo de violão trazido por Hurley. Mais uma daquelas (d)eficiências de roteiro que só relevamos por respeito ou amor à série.
Para quem exige respostas, tivemos um dos primeiros mistérios da série aparentemente resolvido quando o antagonista de Jacob -- ou como já vi sendo chamado por aí, o Un-Locke -- toma forma do monstro de fumaça e aniquila Bram e seus capangas. O pior é ter gente ainda duvidando disso, mesmo que suas palavras para Ben, "lamento por ter me visto desse jeito", fossem mais do que claras. Desse jeito não tem como o pessoal ficar satisfeito com o final da série mesmo. Ficou esclarecido também a razão do pó ao redor da cabana de Jacob, sendo a única forma rudimentar de se proteger dos ataques do monstro. Mas apesar da história ter trilhado um caminho entre a mitologia e essa nova estrutura, foram duas cenas particulares que me deixaram bastante otimista com essa temporada final. A primeira é a conversa entre Un-Locke e Ben, quando ele revela o alto grau de confusão de John Locke, depois de ter seguido tudo o que lhe foi ordenado, no momento em que é assassinado por Ben. Há toda uma ironia de Terry O'Quinn falando de "si mesmo" que me faz até ignorar essa reutilização do ator num outro personagem. Já o outro momento é o encontro entre Locke e Jack no aeroporto, quando pela primeira vez a posição dos dois aparece invertida, com Locke sendo extremamente pragmático e Jack acreditando nas possibilidades de reverter sua situação. Depois de ver o rosto de Locke cercado de frustrações saindo do avião ao final do primeiro episódio, é Jack quem tenta agora convencê-lo de que nada disso pode ser eterno. Enquanto isso na Ilha, Sawyer resolve poupar Jack justamente para vê-lo sofrendo ao lado de todos eles, depois que seu plano falhou. Essa diferença de perpectivas dos personagens e novos encontros entre velhos conhecidos -- principalmente o mais interessante deles envolvendo Kate, Claire e claro, Aaron --, são o que definitivamente devem mover essa alternância entre dimensões. Para mim, é indício suficiente pra ficar tranquilo e perceber que o que realmente importa para Lost, felizmente, são seus personagens.

Fotos: Reprodução.

e.fuzii
twitter.com/efuzii

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

[Criminal Minds] 5x13 "Risky Business"


(por Celia Kfouri)


O caso da semana envolve mortes que aparentavam ser suicídios. JJ recebe o chamado lá de Wyoming e, além dos detalhes realmente suspeitos, valeu-se de motivações pessoais para convencer Hotch a investigar o caso.

Seguem-se inúmeras cenas exageradas e forçadas para mostrar que JJ tem alguma questão pessoal envolvendo suicídios. Colarzinho, caras e bocas, desvio de olhares, aff.



Coisa mais piegas esse papo do colar.


Mas lá vão eles e, no avião, ficamos sabendo que Garcia vai junto, para fazer o que ela melhor faz, esmiuçar computadores.

Lá chegando, JJ logo faz a primeira caca ('Se...') . Que ela é fraquinha, sabemos faz tempo. Agora, além de tudo, ela está abalada, então foi uma caca atrás da outra.

Mas o fato é que eles, que investigam a coincidência entre adolescentes encontrados mortos por enforcamento nos mesmos dias e horários, logo descobrem (Garcia descobre, pelo laptop de uma das vítimas), que estavam todos logados em um jogo que consiste em se auto-enforcar.

(Nao cheguei a ler nada do gênero, mas essa trama me parece inspirada em fatos reais, como CM já fez tantas outras vezes. Um caso real, que virou notícia, tempos depois inspira um episódio; às vezes até para esclarecer, educar, mostrar mais como as coisas são, etc.)

Gostei da cena em que Garcia mostra a Hotch que a ordem dele estava equivocada, e ele responde apenas "you're right, Garcia". E também de Reid e Morgan na sala de aula. Dois estilos opostos e complementares para lidar com os adolescentes.

Foi nessa classe que eles se depararam com o garoto 'gótico', e fica evidente que ele está de alguma forma envolvido com o que seria não mais suicídios mas sim mortes que decorreram desse jogo esdrúxulo.



O garoto e as marcas do abuso.

Levado à polícia, é com Penélope que o garoto estabelece uma relação mais próxima, mas seu pai chega e a entrevista termina.





Ela leva jeito pra tudo. Ou quase. (E até tricot no avião!)


Aí, de repente, em poucos minutos, a questão toda é decifrada de forma quase mirabolante. Juro que revi 2 ou 3 vezes esse trecho para entender como eles tinham 'esclarecido' tudo. Tantas deduções infalíveis...

Reid percebeu que eram duas as pessoas que postavam no blog; relembram a morte da mãe do menino, as marcas no corpo dele e dela, somam ao fato de o pai ser bombeiro que atende emergências e... voilà!

Descobrem o verdadeiro unsub (o pai!) e a síndrome de Munchausen por procuração (como teria morrido a mãe doo menino). Simples assim.

(quem tem Munchausen causa doenças em si para chamar atenção; quando a pessoa causa doença em outrem para chamar atenção para si, diz-se que é 'por procuração'. Isso muito resumidamente, claro. A questão é interessante e vale uma visita à wikipedia)

Sim, só isso. Então resta voltar para Washington e, no avião, Reid dá seu show particular, mais uma vez. A cara da Prentiss foi ótima!


E a cara de incredulidade do Reid, diante da 'bobagem' que ela estava dizendo, foi ainda melhor!

Ainda no avião, Hotch e JJ conversam, e ela fala mais um punhado de bobagens. (atriz e personagem fracas... complicado!)

É isso. Nem vou me alongar porque o episódio foi simples, sem dar margem a grandes comentários. Mas essa semana já tem mais, e me parece ser mais um episódio fora do padrão. Veremos!

(E também veremos Lost, em menos de 20hs!!)

Até o 5X14.

Celia.

www.twitter.com/celiakfouri




(Fotos: reprodução.)