quarta-feira, 29 de agosto de 2012

[Breaking Bad] 5x07 - Say My Name



“Do you really wanna live in a world without Coca Cola?” – Walt


“- How many more people are gonna die 'cause of us?” – Jesse
“- No one. None.” – Walt



Há um incômodo com a quinta temporada de Breaking Bad que ficou mais evidente com este “Say My Name” e a morte de Mike. Um dos meus maiores prazeres com a série sempre foi o desenvolvimento da trama, fluindo com incrível naturalidade, mesmo que os acontecimentos fossem surpreendentes e bombásticos. Algo ocorre como consequência de uma série de eventos anteriores, todos devidamente justificáveis, seja pela lógica interna da narrativa, seja pelo desenvolvimento que se pretende dar aos personagens. Até situações que podíamos acusar de um providencial “Deus Ex Machina” (a morte de Jane, o desastre aéreo, a bala que salva Hank no último segundo) tornam-se aceitáveis pelo próprio componente quase místico que a série desenvolveu em que carma, destino e sorte parecem rondar os personagens (não à toa o próprio Vince Gilligan chamou o explosivo final da segunda temporada de “Lucifer Ex Machina”).


No entanto, a nova temporada parece ter perdido um pouco desta capacidade de mover a trama sem que percebamos os dedos dos roteiristas. Até defendi, no texto anterior, a pressa com que o episódio “Buyout” passa da morte do garoto para a negociação da metilamina, porque, apesar de tudo, nada parecia forçado. Mas agora, para chegar onde queriam, os roteiristas abusaram um pouco.


Pra falar da morte de Mike, é preciso lembrar um pouco da morte de Gus Fring: uma das grandes sacadas da quarta temporada foi conduzir a trama a uma situação cada vez menos possível de manter Gus na série (a não ser que o protagonista fosse sacrificado), ao mesmo tempo em que mostrava ser impossível para Walt matá-lo. Isso só ocorre graças a um erro de Gus (talvez o único?), que foi levar Jesse a Hector Salamanca, perfeitamente justificado como toque final de uma vingança bem executada. Já o erro de Mike? Subestimar Walt. Várias vezes.


Hank disse no episódio anterior que até profissionais como Mike cometem erros. O problema é que houve uma grosseria nesses erros que não é congruente com o personagem. Ele não só aceita que Walt seja a pessoa que vá buscar seu dinheiro (que não queira Jesse é compreensível, mas por que ligar para Saul, se é a primeira pessoa que a polícia ficará de olho? Certamente que ele tem pessoas de confiança e que não estejam presas), como deixa para conferir a mala dentro do carro. Isto sem falar na coincidência de Walt visitar Hank no exato momento em que Gomez chega com novidades (e que Hank convenientemente diz o sobrenome de Mike para não ficarem dúvidas), novidades, aliás, que existem apenas por outra série de erros, desde o uso do mesmo advogado dos nove presos, como a guarda do dinheiro em cofres no mesmo banco. E nem vamos acrescentar a esta extensa lista a forma como algemou Walt no episódio anterior...


Há algo mais que me incomoda também neste final: por que chegar a este ponto? Gustavo Fring e os gêmeos primos de Tuco foram mortos porque chegaram a um momento em que suas presenças na série eram insustentáveis, e foram eliminados de maneira satisfatória e crível. Mike morre por nada. Um dos melhores personagens da série é também, se não me engano, o único que morre pelas mãos de Walt sem uma necessidade aparente. Pode parecer birra de quem não queria a morte de um personagem querido, mas não é isso. Acredito, inclusive, que Mike não caberia no que Gilligan e seus roteiristas planejaram para a reta final da série e que talvez este seja até um dos acontecimentos que levará a tragédias maiores. O problema é que me passa a impressão de que Mike morre covardemente pelas mãos de Walt apenas como parte do projeto “chegará-o-momento-em-que-ninguém-torcerá-pelo-protagonista”, como se Walt já não fosse detestável o suficiente.


Não que eu acredite que Walt fosse incapaz do que fez. Mas tudo acontece de forma estranha: parece impulsivo por conta da discussão, mas ele já tinha intenção por ter retirado a arma; como ele volta para o carro, dá a impressão de que não estava com a arma escondida no corpo (e se Mike conferisse a sacola ali mesmo? É esse tipo de questionamento que a série nunca nos deixou); nem mesmo a discussão se sustenta como uma verdade que lhe é jogada na cara. O argumento de Mike é furado. “Nós tínhamos uma coisa boa, Gus, o laboratório...” é mentira porque Gus sempre quis substituir Walt – por Gale na terceira temporada, por Jesse na temporada seguinte. Se há algo que não se pode contestar em Walt, é que ele tinha mesmo que matar Gus. Fica então uma motivação frágil para um assassinato que só ocorre por uma construção frouxa de elementos fáceis.


E a que se deve isto? Certamente os roteiristas e a direção continuam de alta qualidade. A escrita na abertura do episódio, com enquadramentos que vão se fechando sobre os personagens, é ótima, tornando verossímil e divertida uma situação duvidosa clássica (a de alguém que tem que convencer um outro de opinião fortemente contrária). Além do mais, com todos os problemas que vejo no final, é perfeito o contraste que mostra Heisenberg ainda como uma aparência de Walt que não se sustenta no particular, já que não sabe como reagir ao impulso que o leva a atirar em Mike – este, por sua vez, tem uma saída não apenas marcante pela bela composição de cena, mas também por colocar seu algoz no devido lugar: “Cale a maldita boca e me deixe morrer em paz”. Os roteiristas também continuam afiados na relação entre Walt e Skyler (e o segundo encontro dela com Jesse reforça a suspeita de que ambos de alguma forma irão se juntar contra Walt no futuro), na crueldade de Walt em mais um conflito com Jesse, e no desenvolvimento de Todd como soldado-aprendiz-psicótico.




O motivo, então, para que as coisas tenham saído dos trilhos só pode ser a divisão da temporada em duas partes. Eu consigo imaginar a série trilhando este mesmo caminho, chegando ao mesmo destino, mas de uma forma mais satisfatória, em que a morte de Mike aconteceria lá pelo nono ou décimo episódio de uma temporada normal com treze. Mas parece que Gilligan sucumbiu à necessidade de estruturar duas mini-temporadas, em que um arco completo se fechará no oitavo e último episódio deste ano, de modo que foi necessário apressar as coisas, nem que para isso precisasse sacrificar um pouco do que faz Breaking Bad ser uma aula de condução narrativa para as demais séries do gênero. É como se o autor, na verdade, tivesse preparado material para mais duas temporadas, e não uma com três episódios a mais. Não é uma tragédia, mas espero que o próximo episódio traga as coisas de volta aos eixos e nos deixe com novos e excitantes rumos para uma longa e amarga espera para seu retorno daqui a um ano.


Observação: um close e o último plano de despedida de Jonathan Banks para ilustrarem o post. Vamos torcer para que ele substitua Giancarlo Esposito no Emmy do próximo ano.




Hélio Flores

5 comentários:

Eliane disse...

Concordo com a avaliação geral de que, por conta dessa temporada curta, os episódios não são desenvolvidos naquele jeito Breaking Bad de acontecer muito sem acontecer nada. Mas acho que "Say my name" foi mais bem resolvido do que "Buyout" -- aquela cena McGyver do Walt, sim, achei forçada demais; nessa temporada, se abusou um pouco da "genialidade" do Walt e até o Jesse virou menino prodígio. Na cena final, acho que o Walt foi buscar a arma no carro. O Mike estava sem o seu time de costume (todos presos!) e teve de se valer do Saul e mesmo aceitar a ajuda do Walt, já que ele não tinha tempo para buscar outras alternativas. E ele morreu sim, para mostrar o quanto o Walt se deteriorou moralmente -- Heisenberg não aceita antagonistas, não aceita críticas e, principalmente, não aceita alguém que não se mostra agradecido e submisso.

Felipe disse...

Concordo plenamente. Foi de fato um erro terem dividido essa temporada em duas partes, fazendo com que tudo se apressasse, e para isso, abusam demais de "coincidências", pra poder levar a trama pra frente, só pra não deixar essa primeira parte sem um clímax.

Realmente essa temporada tá cheia de errinhos de coerência e conveniências de roteiro.

Anônimo disse...

Tb achei ridículo e forçado o Mike dizer "tínhamos uma coisa boa, Gus, o laboratório...".

O único que tinha uma coisa boa ali era o Mike mesmo (e msm assim, incerto, visto que o Gus matou o outro leal comparsa, de forma bem fria e sem a menor culpa).

Já o Walt estava vivendo com os dias contados por toda aquela temporada temporada, e o mike mataria ele e o Jesse sem piscar caso fosse ordenado.

kamilla danielle disse...

Simpatia poderosa para emagrecer - Chico Xavier
Simpatia poderosa para emagrecer - Chico Xavier. simpatia para emagrecer logo. Simpatia para ser feita em apenas três dias, podendo ser repetida, caso a pessoa desejar chegar a seu peso ideal.


Como fazer:



Numa quarta feira pela manhã coloque meio copo de água e dentro dele o número de grãos de arroz correspondentes aos quilos que você deseja perder. Não coloque grãos a mais do que você deseja, porque os quilos perdidos não serão recuperados depois.


À noite, beba a água, deixando os grãos de arroz. Complete novamente o copo com água.
*Na quinta feira pela manhã, em jejum, beba a água, deixando os grãos de arroz, completando novamente com meio copo de água.
*Na sexta-feira pela manhã, em jejum, beba a água com todos os grãos de arroz.


Importante:

1: Conserve o mesmo copo durante o processo.
2: Não faça regime pois a simpatia é infalível.
3: Tire o número de cópias correspondente aos quilos que deseja perder. Por exemplo: se você quiser perder 7 quilos (kilos), faça 7 cópias.
4: Comece a simpatia numa quarta feira, após distribuir as cópias (pode ser publicações em sites).
5: Publique na mesma semana.

O mais importante: Com saúde não se brica, por mais bem intencionadas que sejam as simpatias e orações. Por isso, antes de começar qualquer dieta ou regime, procure um especialista da área médica. Somente esse profissional poderá lhe fornecer todas as informações necessárias de acordo com sua necessidade, isto é, de acordo com seu organismo.


Para ajudar a perder uns quilinhos, comece por diminuir o açúcar industrializado de seu dia a dia, em seu lugar utilize adoçantes naturais. Pode, também, recorrer à uma dieta mais saudável, ingerindo menos quantidade de carboidratos, presentes no macarrão, no arroz, nos pães, etc. Procurar se alimentar mais com frutas, verduras e legumes. Ao invés de duas refeições, passe a fazer mais 3, dessa feita com esses alimentos naturais. Não coma salgadinhos e docinhos na rua, eles estão carregadinhos de gordura saturada.


Falando nisso: evite ao máximo frituras, prefira alimentos cozinhos (sem óleo, é claro). Não tome refrigerantes junto às refeições. De preferência, dê um bom tempo com eles. Prefira sucos naturais (sem açucar, por favor)

kamilla danielle disse...

Simpatia poderosa para emagrecer - Chico Xavier
Simpatia poderosa para emagrecer - Chico Xavier. simpatia para emagrecer logo. Simpatia para ser feita em apenas três dias, podendo ser repetida, caso a pessoa desejar chegar a seu peso ideal.


Como fazer:



Numa quarta feira pela manhã coloque meio copo de água e dentro dele o número de grãos de arroz correspondentes aos quilos que você deseja perder. Não coloque grãos a mais do que você deseja, porque os quilos perdidos não serão recuperados depois.


À noite, beba a água, deixando os grãos de arroz. Complete novamente o copo com água.
*Na quinta feira pela manhã, em jejum, beba a água, deixando os grãos de arroz, completando novamente com meio copo de água.
*Na sexta-feira pela manhã, em jejum, beba a água com todos os grãos de arroz.


Importante:

1: Conserve o mesmo copo durante o processo.
2: Não faça regime pois a simpatia é infalível.
3: Tire o número de cópias correspondente aos quilos que deseja perder. Por exemplo: se você quiser perder 7 quilos (kilos), faça 7 cópias.
4: Comece a simpatia numa quarta feira, após distribuir as cópias (pode ser publicações em sites).
5: Publique na mesma semana.

O mais importante: Com saúde não se brica, por mais bem intencionadas que sejam as simpatias e orações. Por isso, antes de começar qualquer dieta ou regime, procure um especialista da área médica. Somente esse profissional poderá lhe fornecer todas as informações necessárias de acordo com sua necessidade, isto é, de acordo com seu organismo.


Para ajudar a perder uns quilinhos, comece por diminuir o açúcar industrializado de seu dia a dia, em seu lugar utilize adoçantes naturais. Pode, também, recorrer à uma dieta mais saudável, ingerindo menos quantidade de carboidratos, presentes no macarrão, no arroz, nos pães, etc. Procurar se alimentar mais com frutas, verduras e legumes. Ao invés de duas refeições, passe a fazer mais 3, dessa feita com esses alimentos naturais. Não coma salgadinhos e docinhos na rua, eles estão carregadinhos de gordura saturada.


Falando nisso: evite ao máximo frituras, prefira alimentos cozinhos (sem óleo, é claro). Não tome refrigerantes junto às refeições. De preferência, dê um bom tempo com eles. Prefira sucos naturais (sem açucar, por favor)