segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

[CRIMINAL MINDS] 4x14 "Cold Comfort"






Nesse episódio, temos a volta de JJ. Ótima notícia (não que eu seja grande fã da personagem; é que a Todd não agradou mesmo). Welcome back.


Na trama da semana, a BAU é chamada para ajudar a solucionar uma série de desaparecimentos. São moças de idade e aparência semelhantes, e cujos corpos estão sendo embalsamados.


No decorrer da investigação, ao se investigarem casos de menor importância, mas que também envolvem cadáveres, Reid tem o insight necessário para esclarecer o mistério. Um necrófilo diz que um ‘artigo genuíno’ daquela pessoa que ele fantasia que o cadáver seja (ou pudesse ser) é fundamental para dar mais realismo, para incrementar o prazer. (quanta gente doida nesse mundo...)


Seguindo essa pista, logo descobrem que o unsub quer transformar suas vítimas na sua querida babá que morreu ao seu lado. Ela morrera enquanto cuidava dele durante uma viagem de seus pais e foi em seu cadáver que ele buscou aconchego por dias, até que seus pais voltassem (e o encontrassem dormindo abraçado a um corpo em decomposição!).

O menino abraçado à babá, vítima de morte súbita, e o livro de histórias ao lado.

Assim, ele transforma as vítimas em Abby, a doce babá que lhe contava histórias. Veste-as, penteia-as à sua maneira, pede que elas leiam histórias, e quando sente que elas já se encaixaram no papel de Abby, ele as mata. Mata e embalsama, para poder ter seus cadáveres por mais tempo. So sick!

O menino, agora adulto, tornou-se o unsub de uma série de crimes.

Gostei da trama. Não me pareceu releitura de nenhuma outra. Pareceu inédita mesmo. E fiquei a pensar nas marcas profundas que relações mais íntimas (não necessariamente de ordem sexual) - quando se é novo demais - deixam nas pessoas por toda a vida. E então tive pena do unsub.


A investigação recebe a ‘ajuda’ de um medium, a pedido da mãe da última moça a desaparecer, e que pode ainda estar viva.
O vidente, 'intuindo'.

Só mesmo a JJ para se deixar tocar pelo discurso daquele vidente. Ele a encanta quando dá parabéns a ela pelo anel que ela usava. Ora, era um presente recente, que ela ostentava com todo apreço, e que por um design característico, ou por algum comentário dos colegas, fez com que ele concluísse que algo muito bom havia acontecido a ela recentemente. Então, deu os parabéns. Pff, que conclusão de gênio... Maternidade recente não é desculpa para se estar tão vulnerável assim, JJ.

JJ, vulnerável, ouve o que quer ouvir.

Adorei Rossi empenhado em desmascará-lo. E adorei a conversa dele e JJ ao final do episódio. Realmente, ainda que ela acreditasse no que o medium dizia, ela estava trabalhando. Ela tinha obrigação de acreditar - em primeiríssimo lugar – no trabalho da equipe.


A citação do final encaixou-se perfeitamente. Algo como, em tradução livre, “Para os que crêem, nenhuma prova é necessária; para os que não crêem, nenhuma prova é possível” (Stuart Chase).
No caso do episódio, eu me encaixo na segunda hipótese: A imagem do mar e dos rochedos só pode ser coincidência. Se não era, isto é, se o meédium realmente a viu, é porque devia ser cúmplice do unsub nesses crimes! :-D

Para o bem de Criminal Minds, “nenhuma prova é possível”.

Até o 4x15.

Célia Kfouri.

2 comentários:

jackie disse...

Eu não tinha pensado por este ângulo seu Celia. Realmente a JJ deu muito credito ao vidente do que o time.

Mas, ao meu ver ela não estava de toda errada como a última citação "Para os que crêem, nenhuma prova é necessária". Algumas pessoas são assim, eu confesso que em muitos momentos me sinto assim, crendo no que não vejo.

Boa semana e até o próximo episódio!!!

Jackie

Celia Kfouri disse...

Pois é, Jackie. Ela se deixou encantar pelo vidente, e naquela situação, eu acho que ela não deveria.

Eu tenho muito medo quando se dá algum crédito a coisas do tipo 'videntes', numa série como CM (em outras séries, eu sou a primeira a achar bacana!).
Por favor, apego à Ciencia, BAU!!

No mais, concordo com seu comentário de que a atuação da equipe foi muito apagada, sem nenhum momento bem especial a ser ressaltado.

Até o 4X15!