sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

[CRIMINAL MINDS] 4x16 "Pleasure is My Business"












No episódio dessa semana, fomos apresentados a uma mulher assassina em série; a unsub era uma prostituta de alto luxo que estava a envenenar seus clientes.
Dado o perfil dos clientes e o poder de fogo de seus advogados, o Procurador Geral do Texas pede o auxílio de Hotchner, que vai pessoalmente a Dallas para se inteirar do caso e confirmar que se trata, de fato, de um serial killer.







A unsub da semana, trabalhando.



Gostei bastante da cena em que Hotch se encontra com a unsub no elevador. Ela foi muito viva e ele... nossa, que expressão é aquela... pra que e por que tão sério, sempre??







A equipe toda junta-se a ele e o primeiro passo significativo na investigação é dado com a ajuda de uma cafetina de luxo. Ela mostra a Reid e Prentiss que quando um homem paga dez mil dólares para uma noite com uma prostituta, o que ele procura mesmo é terapia, muito mais que o sexo em si. Eles se dão conta que o que faz com que a unsub mate determinados clientes não tem a ver com alguma prática sexual, mas sim com algo que eles dizem, confidenciam a ela.




Reid e Prentiss conversam com a Cafetina - Corretora de imóveis. Ele nunca gaguejou tanto!

(Muitas seqüências foram acima da média nesse episódio. As cenas da unsub matando mais um cliente enquanto Prentiss e Reid falavam com a cafetina foram muito bem feitas.)

Assim é que ela sabe dos segredos da maioria dos executivos poderosos do estado, e, por conseqüência, da empresas que eles dirigem. Ela é um arquivo vivo, e pode interferir com os interesses de muitos poderosos. Por isso mesmo, na hora de expor o perfil traçado, a equipe não chama a polícia ou a imprensa para ouvi-los, e sim os advogados dessas grandes empresas, que tem muito a perder.

Logo uma advogada dá uma boa pista que leva a BAU até a cobertura onde a unsub mora. Paralelamente, a unsub vai ao encontro de um novo cliente. Um homem de bom coração, fiel à mulher que morrera recentemente, e que, ingênuo, conta a ela, que o FBI já está próximo de descobrir a identidade da assassina e que está a caminho da casa dela.

A melhor cena do episódio, para mim, foi essa. Enquanto eles analisam a moradora, com base na casa, ela liga e fala com Hotchner ao telefone. A hora em que ela diz o nome dele, na secretária eletrônica, foi muito bacana. Imagino os pensamentos de cada um: “humm, Hotch conhece a prostituta? Humm, ele estava na cidade antes de nós... humm humm...”.

O fato é que havia pesquisado sobre ele na net, e ela simpatiza com ele. Ela vê nele um bom caráter, bem diferente dos homens com quem ela sai. E eu achei muito corajoso da parte dele ao responder tão prontamente, com tanta sinceridade, às perguntas que ela fez sobre seu filho, sua separação, etc.

Faço aqui um parênteses para dizer que eu nunca entendi essa separação dele. Antes eu achava que ela serviria a um outro propósito, quer dizer, a série precisava que o personagem estivesse disponível, por algum motivo. Algo a respeito da Haley, do filho, do passado dele, dela, algum novo envolvimento, sei lá. (não esse papo shipper com a Prentiss, porque já teria acontecido) O que eu quero dizer é que eles eram um casal feliz, eles sempre se mostraram apaixonados, envolvidos, felizes, com um filho pequeno, começando a formar uma família. Nenhum casal assim se separa apenas porque um dos dois está trabalhando demais. Muito menos assim, tão rapidamente, mandando um acordo para o outro assinar. Sei lá. Não me faz sentido algum, mas sempre esperei que o motivo aparecesse e até agora, nada. Demorou.

Aparece o ponto fraco da unsub: o pai, que tinha o mesmo perfil das suas vítimas. Ele tenta protegê-la e ‘abafar o caso’, mas ela faz questão de que todos os podres que ela sabe venham à tona (inclusive matou o cliente bonzinho a tiros para que não se pudesse disfarçar o crime em suicídio!) e não entrega a ele a sua lista de clientes.

Reserva-a para Hotch, na última cena. Ela morre de mãos dadas com ele, não sem antes perguntar como a mulher dele pode abandoná-lo, e de pedir para que ele fique com ela. Mais uma vez, ele prontamente atende ao pedido dela. E fica.

Eu adorei essa cena! Muito diferente de tudo que costumamos ver. Torço para que ela esteja sinalizando algo novo em relação ao Hotch. É um baita personagem, que merece toda nossa atenção.


É para se pensar. O episódio começa com Hotch assistindo a um vídeo do filho (que ele não visita o tanto quanto gostaria) no computador, e termina assim. Quero crer que seja a deixa para alguma mudança na vida desse personagem encantador. (como é que se pode ser tão encantador sem sorrir??) Eu gostaria que ele e Haley reatassem, mas não sei se isso acontecerá. Só acho que com um gancho desses, algo tem que estar por acontecer. Insh’ Allah!

Até o 4x17.

5 comentários:

jackie disse...

Bom, eu gostei do epis. foi bem diferente.

Assim, como vc também lamento ver um cara tão bacana como Hotch sozinho, ele não precisava ser tão sério assim!

Já vi que vc é anti- Hotch/Prentiss...rsrs. Mas, eu gosto da idéia, se um dia rolasse ficar muito feliz! =D

Hotch foi brilhante neste epis. mostrou muito bem porque é o chefe do time!

É isso ai, nos vemos no próximo epis. (que espero que seja muito bom!!!) Até mais, Jackie.

Celia Kfouri disse...

Jackie,

Não é que eu seja 'anti-Hotch/Prentiss. Eu apenas acho que há várias outras opções. Acho que a série e a dinâmica da equipe perderiam muito com um casal. Poderia até ser 'bonitinho', mas acho que seria ruim para Criminal Minds.

E, se acontecesse de verdade, acho que um deles teria que se desligar da equipe, ir para outro departamento, e aí perderíamos mais ainda!

De resto, estou mais animada com os últimos episódios. Espero que os próximos continuem nessa tendência de ascenção.

Até mais!!

Gabriela Spinola disse...

Eu gosto de Hotch/Prentiss, mas eu acho que ele não teria se separado de Haley por causa dela, e que sim os dois juntos seria somente uma provável consequência. E, espero eu, o 4x17 (que está me matando pela enorme espera desde que bati os olhos nos menores traços de spoilers) vai ter uma pontinha shipper. Ou talvez eu só esteja ansiosa mesmo.

Celia Kfouri disse...

Oi, Gabriela!

Eu não gosto nem desgosto de Hotch/Prentiss juntos. O que não gosto é que uma série (de ação, mistério, investigação!) dê muita atenção a romance entre personagens. Sinto como se estivessem saindo do foco, porque não assisto esse tipo de série por esse motivo. Claro que são seres humanos, que tem vida pessoal, e quando gosto dos personagens, acabo por querer saber um pouco mais sobre eles. Mas só 'um pouco'!

(Claro que essa é uma visão muito pessoal minha, e que a maioria do público gosta desses envolvimentos.)

Quanto ao Hotch, ele é um personagem que eu gosto muito. Por isso mesmo, gostaria muito de vê-lo de volta com a Haley e com o filho, ver a família junta novamente. Porque eu nunca entendi a razão desa separação! Sempre achei que iriam mostrar melhor isso, porque um casal feliz, que se ama, como a série sempre mostrou, não se separa de repente (sem conversar!), apenas porque um deles está trabalahndo demais.

Vamos só ver o que o 4X17 nos reserva! Até lá!

Juliana Correia disse...

Célia...
Me lembro que no episodio que a Hayley sai de casa, o telefone de casa toca, Hotch atende (num horário que, tipicamente ele nunca estava em casa), desligam sem responder a ele e logo em seguida o celular dela toca e ela sai logo da sala para atender..
Acho que isso é um indicio de traição. (Só vi até o fim da quarta temporada, não sei se isso se comprovou, mas foi minha impressão sincera enquanto assistia)