quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

[LOST] 5x04 The Little Prince

Antes de começar esse texto, preciso confessar que infelizmente esse formato de Lost não está funcionando pra mim. Suspeitava que seria difícil que deixassem coesa a história entre os Oceanic Six tentando voltar à Ilha e os outros sobreviventes indo e vindo no tempo. A maior prova disso é como nesse episódio tentaram manter a ligação do triângulo mais frustrante da televisão. As cenas de Kate ao lado de Jack sempre foram o ponto mais fraco de Lost na minha opinião, uma tentativa de envolver dois protagonistas que não tem química alguma, mas inserir Sawyer para rever a cena do parto de Claire ultrapassou todos os limites do desnecessário. Nem com essa diferença de três anos dão uma folga para nossa paciência.

A verdade é que essas viagens no tempo oferecem possibilidades infinitas para os roteiristas, ainda mais tendo controle total sobre quando ir e quando voltar. No entanto, a grande armadilha dessa liberdade criativa é que exercita a preguiça de querer expor toda uma cena para motivar as personagens ou criar relações forçadas. Sawyer não precisava disso, nós já sabemos tudo o que ele passou e como jogar-se daquele helicóptero foi difícil para ele. A relação entre Kate e Aaron também não precisava disso, nós já vimos essa cena do parto antes e bastava mostrar uma simples recapitulação no começo do episódio. Já no caso de Locke é diferente porque além de ele contextualizar essas viagens do tempo -- considerando que toda a sua dor na primeira temporada é o que levou ele até ali -- sua mudança de postura em relação ao acender da luz na escotilha (vista no final do episódio "Deus Ex Machina") é bastante interessante e não chega a tirar o impacto dessa cena para aquele momento.
Na Ilha, Charlotte se recupera rapidamente de seu desmaio e justifica toda minha decepção com o final do episódio anterior. Mas abre espaço também para que Miles e depois até Juliet começassem a apresentar os mesmos sangramentos pelo nariz. A indagação de Faraday parece fazer as especulações de que Miles seria filho de Pierre Chang ganhar força, até pela sequência que os sobreviventes tem sido afetados -- começando por quem teria passado mais tempo na Ilha. O outro salto do tempo leva todos a encontrar seu abrigo desabitado na praia. Quando decidem pegar um dos barcos que pertencem a algum grupo ligado à companhia aérea Ajira para chegar a escotilha Orquídea, são atacados pelo tal grupo (será que poderiam ser os Oceanic Six já de volta?). E antes das coisas ficarem críticas, todos acabam sofrendo outro flash em meio a um comentário hilário de Sawyer. Talvez fosse estranho que o barco não ficasse durante esse deslocamento, mas enxergo outra vez como uma forma de manter as coisas nos eixos e salvar o grupo de um possível afogamento. A Ilha sempre sabe o que faz.
Ou não. Até porque ainda não me conformo que Jin pudesse sobreviver à explosão do cargueiro e ser arremessado perto o suficiente para embarcar nas viagens temporais. Quando um personagem "revive" dessa maneira só posso colocar a culpa nos produtores, que ou não tiveram coragem de matar um personagem querido ou usaram de um truque para provocar o público. O corpo de Jin é resgatado no meio do mar por uma equipe de franceses (o que exige do coreano aprender outra língua), que só poderia incluir... a saudosa Danielle Rousseau. Pela estrutura dessa temporada o retorno da louca francesa já era mais do que esperada, mas nem por isso foi menos impactante, até pela chance de sabermos o que realmente aconteceu com sua equipe. Bom, isso até pelo menos o próximo flash.

Já na saga para reunir os Oceanic Six na mesma causa, acompanhamos outra vez Kate lutando para proteger Aaron. E para aproximar as personagens tivemos de relevar algumas situações desastrosas. Para começar, só através de um misterioso bilhete no sujeito que daria cabo de Sayid faz com que Jack entre em contato com Kate. Quando os dois resolvem perseguir então o advogado, acabam encontrando a mãe de Claire. No final, além de uma cena bacana do casal dentro do carro, descobrimos que tudo isso só passou de enrolação e quem estava por trás de tudo era obviamente Ben. E já que os Oceanic Six decidiram reunir-se na marina de Long Beach, seria demais considerar que Desmond encontrasse com Ben Linus antes de Ms. Hawking? Porque afinal, como disse no comentário da semana passada, se ele tivesse de encontrá-la direto, isso já deveria ter acontecido. Então, perigo! Perigo! PERIGO!



e.fuzii

17 comentários:

Hélio disse...

Essas conveniencias de roteiro (viagens para locais e tempo especificos, barco que viaja junto) sempre serao explicadas com um "a ilha quis assim".

Kate e Jack realmente nao funcionam e nao sei ate quando vao insistir nisso. Nem acho a passagem do Sawyer pelo parto de Claire tao ruim assim, tendo em conta que foi um episodio quase todo de enrolação: ao menos serviu pra mostrar que embora ele nao desabafe com Locke, o relacionamento com Juliet está muito mais intimo. Esperto será se esquecer de vez a fujona e investir na doutora.

Nao se preocupe que veremos um flash de Jin rapidamente pulando fora do barco e apoiado naquele pedaço de madeira vai chegar longe. E se Sun errar o alvo, nao duvido nada o Ben calmamente falar pra ela que Jin está vivo. Afinal, o homem sabe de tudo, ne?

Quanto ao barco ser dos Ocean Six, seria a primeira viagem da Ilha pro futuro. Nao gostei dessa ideia. Alem do mais, teria que explicar muito bem pq Jack, Sayid e cia. iriam atirar em pessoas sem nem saberem quem são. E se eu nao me engano, a Juliet acertou um, nao?

Achei o final um tanto frustrante pq foi possivel antecipar aquilo desde quando Locke pergunta se alguem fala frances. Episodio passado eles mostraram que ha sempre um jeito espetacular de revelar alguma coisa ("Widmore!"), podiam ter caprichado um pouco mais nessa.

Abraços!

Thiago Vall disse...

Eu achei o episódio mt bom... me amarro em viagens no tempo ... deve ser por isso

Mais comentários do episódio vc encontra aki:
http://raio-xrj.blogspot.com/2009/02/lost-5x04.html#links

Abraço

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
e.fuzii disse...

Oba, o Antônimo voltou! \o/
Mas infelizmente terei de apagar sua mensagem porque não toleramos mais que venha fazer propagandas de sites alheios aqui. Quer criticar, tudo bem.

O resto na íntegra:
"Bah, eu achei que com a volta da série poderíamos ter um outro comentarista no lugar do e.fuzii.
O que o Hélio postou aqui já da para ver a diferença de qualidade de texto.
O fuzii é muito ruin, comentários primários, lamentável.
Por que o Hélio não fica no lugar dele?"


Sério, por que você não se candidata para o meu lugar? :)

e.fuzii disse...

Hélio,
minha implicância com a cena é exatamente porque a saudade de Sawyer e a aproximação com Juliet poderiam ter sido de uma forma mais sutil, sem expor o passado desse jeito. Adoro as viagens no tempo, mas tudo tem que ter um limite. É como os sussurros na floresta serem explicados como os viajantes no tempo, como algumas especulações apontam. Dá um tempo, né?

"Quanto ao barco ser dos Oceanic Six, seria a primeira viagem da Ilha pro futuro. Nao gostei dessa ideia. Alem do mais, teria que explicar muito bem pq Jack, Sayid e cia. iriam atirar em pessoas sem nem saberem quem são. E se eu nao me engano, a Juliet acertou um, nao?"

A explicação pode ser a mais primária (hehe) possível: roubaram um dos barcos do grupo para fazer a travessia.
Juliet parece ter acertado um mesmo, mas como não sabemos quem é, talvez seja até interessante quando essa cena reaparecer no outro ponto de vista e for se desenhando para esse desfecho trágico, não?

abraços.

leoff disse...

A cena do Sawyer vendo o parto não foi inútil. É uma forma de mostrar o que aconteceria se os sobreviventes encontrassem com alguém do grupo que não havia viajado no tempo. É importante que todas as regras de viagem no tempo seja delineadas pouco a pouco.

Por mais que achasse Jin de pouca utilidade na trama, ele vivo trará muitas implicações interessantes para as ações de Sun. Pelo bem da personagem, Jin vivo é uma opção melhor. Acho injusto criticar LOST de não coragem em matar um personagem menor depois de todos os outros que já mataram.

netiteve disse...

e.fuzii, eu já considero esse formato da quinta temporada um grande achado para a série, justamente porque ele abre para a solução de muitos mistérios. Eles nunca estiveram perdidos num lugar, mas sim num tempo. É minha teoria oficial, agora. :)

Sobre o foco na Kate penso que foi um dos melhores roteiros já escritos para a personagem. Tecnicamente falando o roteiro é todo amarrado no tema da maternidade. Até os pulos no tempo. Desde o óbvio parto de Aaron até o renascimento de Locke com a luz na escotilha. Sun põe sua maternidade de lado para "passear" com o filho de outra. Sem falar na "geração ilha" que começa a sangrar pelo nariz. Charlotte é declarada nascida ali, os demais são prováveis. Claro, Rousseau redondamente grávida. E até um Jin ressuscitando dos mortos.

Sobre Jin é uma questão que pode envolver até a saída da Mila Furlan do papel de Rousseau. Mas eu ainda não chamo de erro Jin voltar dessa maneira sem saber a explicação oficial. Espero que seja plausível.

Bom, Lost ainda teima em cacoetes irritantes, que é esse de esconder a identidade de personagens óbvios.

Pra mim, Sawyer tem um grande problema. Ele cumpriu sua missão na série desde que voltou a ser James quando matou o verdadeiro Sawyer. Se não existir uma carta na manga dos roteiristas ele passará essa e a próxima temporada como a anterior: apenas preenchendo espaço. Infelizmente.

Sobre o barco ter viajado junto com os Losties é a explicação clássica de ficção científica. Os objetos em uso pelos viajantes no tempo os acompanham. O contrário do Exterminador do Futuro, onde se fica nu. Por isso o bote a motor não estava lá, pois está sendo usado por outras pessoas naquele instante do pulo.

Paulo Fabian

Danielle Mística disse...

Eu gosto da resolução de viagens ao tempo. Acho que não será novidade alguma se já tivermos visto tudo na série. Pelo caminhas da coisa.

Tô com implicância em relação aos nomes dos episódios. Que óbvio! Eles se esforçavam mais. E, bom, se é para ter príncipe na parada, que seja Maquiavel. Ben e Locke. Me parece que seria mais interessante que o retorno dos six, como bem destacou Sayid, fosse apenas algo útil para que Ben retornasse ao poder na ilha e com os Outros. Chega de constantes.

Eu gosto do caminho que a série percorre, porém, eles estão mastigando muito.

e.fuzii disse...

leoff,
não disse que a cena do parto foi inútil, mas sim desnecessária para o contexto do episódio.

E eu discordo que a Sun, como personagem, se beneficiaria da volta de Jin. Estava exatamente gostando bem mais dela agora com esse desejo de vingança. Mas foi o que eu disse, se não foi falta de culhões, foi sim um daqueles truques para causar comoção no finale.


Paulo,
acho que falhei ao tentar explicar.
A parte que realmente tem valido a pena são as viagens no tempo. A saga dos Oceanic Six é que tem sido sacal e sou até a favor que passasse logo esses meses e mostrassem eles chegando na Ilha.

Acho até interessante que usem um tema central para o episódio (embora seu conceito de maternidade ficou um pouco confuso), mas confesso que esse não funcionou para mim. E também espero alguma explicação plausível para a volta do Jin, que não seja porque a Ilha/roteirista quis.


Dani,
eu ainda não aposto que vimos tudo da história e agora só haveria explicações. Talvez para essa temporada sim, mas as viagens no tempo não devem se estender até o final da série.

E concordo que tudo tem vindo mastigado e ruminado, infelizmente.

Celia Kfouri disse...

Eu nem sei se gosto, mas aceito as viagens no tempo como o caminho escolhido/encontrado para contar a história. Já que o mistério todo se relaciona a isso, que seja. Só peço juízo e comedimento no uso dessas viagens para não cair no ridículo do sci-fi B.

Eu adoro a série e estou gostando muito da temporada, mas não podemos nos esquecer que por anos nos foi dito que a ciência (ou mesmo a pseudo-ciência) explicaria tudo. Do jeito que está, nem Mulder se convenceria (será?? rsrs).

Espero que não errem a mão pois acho que visitaremos o naufrágio do Black Rock, veremos o povo da estátua do pé de quatro dedos, etc, dessa forma. Com flashbacks nao daria para ser.

Concordo com quem disse que Sawyer já cumpriu seu papel na série. Ele hoje nem é mais 'Sawyer'. E como eu não me importo nem um pouco com esse triângulo Sawyer-Kate-Jack (odeio esses movimentos shippers), e nao há mais tanto espaço para seu sarcasmo, acho que ele se tornou um personagem menor.

Sun/Lady Vengeance dá medo. Há uma frase oriental (acho que de Confúcio) que diz algo como "Antes de embarcar numa jornada em busca de vingança, cave duas covas". Eu acho que ela anda muito 'abusada'.

Penny filha de Widmore, Faraday e Miles (provavel e respectivamente) filhos de Hawkings e Chang, Jack filho do Shepard, etc: essa questão dos pais me faz lembrar daquela 'ultimate theory' que lá entre a 1a e a 2a temps, falava dos pais dos personagens como o elo de ligação. Preciso desenterrá-la para relê-la. Mas está aqui mesmo no blog.

A explicação para os sussurros (vindo dos viajantes no tempo) até que me agrada.

Mas se eu começo a pensar em explicações, começo a pirar porque por mais que venham algumas, parece que nada nunca será suficiente. Alguém ainda fala do monstro de fumaça?? E Jacob???? Grandes mistérios parecem sair de cena (ainda que temporariamente) para dar espaço a outros, de tantos que são. Eu vou esperar explicação para tudo! Pedras brancas e pretas, etc...

Uma pergunta (desculpem se for óbvia): a imagem do sonar, que o técnico mostra ao Chang no 5x01 é nitidamente a tal roda que o Ben girou, certo? Não lembro de ter lido mais sobre esse detalhe. A roda é o que eles procuravam desde o início, como indicador do foco da tal energia?

Interessante o comentário do Hélio, lá no ep anterior, quando ressalta que Cabin Fever, na verdade, mostrou um flash forward. também quero rever esse ep.

e.fuzii disse...

Celia,
você pensa exatamente como eu, a única coisa que espero mesmo é esse juízo nas viagens no tempo. Se é o caminho escolhido, então que seja.

A verdade é que grande parte das personagens estão desgastadas e daí é que vem toda minha revolta em quererem "reviver" aquilo que um dia foi uma série centrada nos personagens. Agora que virou desvendar mistérios, é melhor não olhar mais pra trás.

A respeito do sonar, na lostpedia diz que nos comentários (no DVD) sobre o finale da temporada passada, os escritores dizem que a Dharma não sabia da roda de burro quando construíram a Orquídea. Talvez tivessem medido só o acúmulo de energia mesmo.

Continuo sem entender essa suposição de que seria um flashforward. Por quê?
Por que seria depois de Alpert receber a bússola do Locke do futuro? Mas a linha do tempo seria única, só houve mesmo uma intersecção naquele momento do encontro dos dois. O passado continua sendo passado.

Rubens disse...

Nao sou muito chegado em series policiais ou de dramas pessoais e familiares, desta forma eu acesso esse blog basicamente para ler os reviews do Fuzii sobre Lost, que eu considero muito mais pertinentes que um monte de babaquice que eu leio nos sites de fanboys convictos de Lost (daquele tipo que não critica nada e encontra "maravilhas" ate no execrável episodio das tatuagens de Jack, ou em puras embromacoes que nada tem a ver com a historia do seriado, como o episodio da morte de Paulo ou o das recordacoes de vida do roqueiro antes de morrer).

Nao vou citar nomes, mas os reviews do Fuzii, ao menos para mim, sao zilhoes de vezes melhores e mais isentos que os dos 2 outros famosos blogs nacionais dedicados a Lost, os quais exageram DEMAIS na babação. Parabéns!

e.fuzii disse...

Rubens, agradeço sempre pelo apoio.
Estava querendo até falar contigo, mas como seu e-mail não está disponível, vai ser por aqui mesmo.

Sei que é bacana encontrar opiniões parecidas com a sua, principalmente quando estamos na minoria. Mas também é interessante encontrar opiniões diferentes, como por exemplo, o episódio em questão do Charlie estar na minha lista de 10 melhores da série. Cada um sabe a forma de pensar sobre o que está assistindo e é das diferenças que nascem as discussões.

Durante essa semana, li no tópico de repercussão de um desses blogs famosos que você citou meu comentário. Pediria, por favor, que numa próxima vez não copiasse nada daqui para lá. Mesmo sem ter o link direto pro blog e de nenhum deles ter algo pessoal contra alguém daqui (aliás, considero-os até como amigos), eles tem seus motivos para manter distância. Só peço para evitar qualquer deselegância.
Se quiser tirar qualquer dúvida, mande e-mail para mim:
e.fuzii@gmail.com

abraços.

Rubens disse...

OK, Fuzii... E nem foi por mal. Ocorre que eu queria repetir aquelas suas palavras, e se eu nao identificasse o real autor das mesmas, as palavras seriam interpretadas como sendo minhas (o que, no meu modo de ver, é injusto).

Eu tenho por bem sempre creditar a autoria dos textos que reproduzo (exceto quando me pedem para não fazê-lo, claro).

e.fuzii disse...

Ah, eu sei Rubens.
Claro que quando cita-se um texto, creditar é sempre a melhor postura. Só pedi uma "paciência" para esse caso específico.

Anônimo disse...

o jin não morre pq ele estava fora da ilha -.- .. ninguem q esta fora da ilha morre ,a ilha naum deixa , não foi produtor não , é so prestar atenção na 4° temporada !!

e.fuzii disse...

Então, devo acreditar que Michael esteja vivo também?