sábado, 10 de fevereiro de 2007

[Heroes] 1x14 - "Distractions"

As coisas continuam se desenvolvendo lentamente em “Heroes”. O episódio chama-se “Distrações” e tivemos muitas delas, enquanto poucas informações realmente interessantes foram fornecidas. No geral, foi mais um episódio de transição com soluções frustrantes para situações de grande potencial criadas no capítulo anterior.



O título está ligado diretamente a dois casos similares, mas com perspectivas diferentes: Peter e Hiro precisam lidar com seus relacionamentos familiares de forma que essas distrações não comprometam suas missões. No caso de Peter, é Claude com sua visão hedonista que o alerta da necessidade de se desligar de laços afetivos para desenvolver todo seu potencial. Eccleston é ótimo ator e o personagem certamente ganhará mais espaço com o tempo, visto a interessante informação de que houve uma ligação entre ele e Mr. Bennet no passado. Foi chocante e, pra mim, um tanto inverossímil quando Claude joga Peter do prédio, mas sua lógica “ou eu ajudaria a você desenvolver seus poderes ou eu salvaria o mundo” foi perfeita. Além de tudo, é um personagem divertido.

Peter e o Samurai de Hiro

Isso trouxe mais informações sobre o poder de Peter, embora a confusão permaneça: ele absorve os poderes de quem se aproxima e essa transferência é permanente ou apenas dura mais do que se imaginava? Em todo caso, não é de se admirar que esteja entrando em colapso. A essa altura, Peter já esteve em contato com Nathan, Claude, Isaac, Claire, Sylar, Matt e até o Hiro do futuro. É de se supor que, com controle absoluto de seus poderes, ele poderia utilizar qualquer habilidade dessas pessoas, não? Se sim, talvez Peter seja muito poderoso para sobreviver por muito tempo. Afinal, como manter um personagem desses como protagonista? Os roteiristas terão que dar uma solução muito criativa para isso e talvez tenha a ver com a cicatriz da qual o Hiro do futuro comenta.


Hiro, por sua vez, tem suas próprias distrações para lidar. Confesso que fiquei decepcionado com a trama envolvendo seu pai. Entendo que é preciso dar algumas explicações, já que o personagem atravessou o planeta para chegar em New York e é bom saber que ele vêm de uma família rica do Japão. Mas quando é para tratar de dramas pessoais e relações familiares, os roteiristas já mostraram não terem muita capacidade para isso (vide os chatíssimos conflitos entre D.L. e Micah). Enfim, Hiro continua sua incompreensível jornada em busca da espada samurai e espero que o roteiro traga situações mais interessantes que as vistas até agora.

Hiro continua inspirado. Os roteiristas, não.

Mas falando em relações familiares, o episódio trouxe ainda uma revelação surpreendente com a informação de que Nathan é o verdadeiro pai de Claire. Não vejo em quê isso é interessante. “Heroes” não é “A Sete Palmos”. Que tal não perder muito tempo com conflitos que não terão a profundidade devida e investir mais no plot principal?


A mãe de Claire deu mais uma pequena demonstração de seus poderes, mas não comentou nada sobre uma possível relação entre esses poderes e o incêndio que a separou da filha. Claire bem que poderia ter ligado uma coisa à outra, não? A dúvida que permanece é se Mr. Bennet sabe que Margareth está viva e que Nathan é o pai biológico de Claire. Bom lembrar que Nathan sabia que tinha uma filha, mas não conhecia Bennet quando este tentou sequestrá-lo.

Who´s your daddy: Mistério finalmente revelado. Mas... e daí?

Frustrante também foi a resolução da fuga de Sylar. Quase não acreditei que Sylar simplesmente trancaria Mr. Bennet vivo e iria atrás de Claire. Mas faz sentido: deixar um pai preso e mostrá-lo que sabe seu endereço e que vai atrás de sua filha é típico dos melhores vilões. Sylar não enlouqueceu simplesmente com seus poderes. O homem é um sádico. Contudo, esperava algo mais emocionante do que Bennet chegar em casa a tempo de salvar sua esposa, munido de uma arma e o haitiano. Desde a não tão empolgante luta entre Peter e Sylar, não há um conflito sequer entre heroes. A série desenvolve tramas e personagens que só aumentam a expectativa de grandes confrontos, mas até agora não houve um clímax neste sentido que valesse a pena.


Algo inesperado foi descobrir que Isaac está trabalhando com Bennet. Não faz muito sentido se lembrarmos que Isaac só está solto porque Eden o libertou de Bennet. A conexão certamente não vai ser explicada, então é melhor deixar pra lá. O personagem definitivamente está longe das drogas (aspecto que poderia render coisas interessantes se soubessem trabalhar com isso) e tenta pintar o futuro para encontrar Peter. Infelizmente, seu relacionamento com Simone é sem graça e a situação criada pelos roteiristas para Peter se ressentir com ela é ridícula. Ora, a única coisa que ele viu foi dois ex-namorados discutindo sentimentos e se abraçando. Talvez sua decepção tenha sido a mesma minha: a de que atores e diálogos melhores fizeram falta.

Uma das pinturas inspiradas de Isaac.

O segmento envolvendo Niki/Jessica não teve muita coisa de interesse. O comportamento de Jessica é um mistério. Por que espancar a psiquiatra e deixar Niki lá desmaiada, sujeita a ser assassinada pelos policiais (algo que seria perfeitamente possível)? Ela poderia ter fugido há muito tempo, mas não o fez. Será que esperava ser solta por Linderman? O personagem mostrou novamente sua onipresência entre os heroes, embora suas motivações continuam um mistério. E embora seja legal ver Niki aprisionada no espelho (metaforicamente, claro, mas funciona muito bem), aquela cena com Micah aparecendo rapidamente soa deslocada. Parece que ignoraram a seqüência do episódio anterior em que ele despeja milhares de dólares diante do pai, o que é estranho. Jessica fingindo ser Niki também vai parecer inverossímil, uma vez que Micah já a desmascarou via telefone, imaginem pessoalmente!


Episódio razoável que me deu a impressão de que os autores têm muita coisa planejada para o futuro, mas que nem sempre conseguem êxito no desenvolvimento (atores e diálogos fracos, conflitos e dramas pouco interessantes). Nota 6,5.


No próximo episódio: Matt encontra Jessica; Mohinder encontra Sylar; e mais sobre o relacionamento de Nathan e Margareth.




Hélio.

2 comentários:

Rubens disse...

Helio, gostei muito do seu review de Heroes. Você faz várias observacoes pertinentes e acho que voce acertou em cheio quando afirma que os roteiristas de Heroes sao FRAQUISSIMOS e simplesmente nao sabem desenvolver os dialogos e situacoes paralelas (alias, dialogos sao o ponto mais fraco desse seriado), e estao desperdiçando os personagens com situacoes tôlas e mal-resolvidas, diálogos tati-bitati, abuso do lugar-comum (quando a serie pretendia ser
inovadora), muita embromação e personagens cada vez mais desinteressantes (como TODA a familia de Nikki, a loira de dupla personalidade). Estao conseguindo estragar ate os bons personagens, como Hiro.

A continuar assim, o seriado vai despencar ladeira abaixo. No momento (pós-hiato), ja está conseguindo a façanha de ser muito pior que Smallville (que melhorou recentemente).

Comentarista Hélio disse...

Valeu, Rubens, pelo comentario!

Interessante vc ter citado Smallville, pq vendo este episodio me lembrei imediatamente desta série. Heroes corre o risco de virar um drama teen. Nao de adolescentes, mas PARA adolescentes, o que significa dramas sem muita profundidade e pouca inspiração.

Mas vamos ver como se desenvolve. Ainda nao vi o episodio de ontem e espero que as coisas melhorem.

Um abraço.