quinta-feira, 12 de março de 2009

Cinema, pipocas e críticas

No último mês fiz uma jornada ao nazismo segundo o cinema ocidental.

Gosto muito do tema, foi este interesse que me fez optar por estudar História. Desde a adolescência com a leitura de "O Diário de Anne Frank", que o assunto me desperta muita curiosidade.

Já vi filmes muito bons, outros que são porcarias homéricas e com erros históricos. Não gosto de maniqueísmo e da personificação de Hitler em algo sobrenatural, o diabo em pessoa. Hitler e os seus oficiais nazistas são seres humanos, muitos eram pais de família, que escolheram por vontade própria exterminar pessoas. Muitos seres humanos fazem esta opção. Bush fez esta.

Destaco alguns filmes, "A Queda" é um deles. Conseguiu mostrar um Hitler demasiadamente humano, um homem delirante, iludido, que sacrifica a nação e a si próprio com seu suicídio, pelas suas convicções.




Bruno Ganz fez Hitler neste filme e retorna no melhor filme que vi sobre este tema em muitos anos, "O Leitor". Um professor de direito que, junto a seus alunos e em especial um deles, analisa a culpa alemã na guerra. Quem sabia? O que sabiam? E porque deixaram acontecer?

O Leitor é um filme soberbo! Quanta coisa é discutida ali!Analfabetismo, a culpa alemã na guerra, a descoberta da sexualidade. E olha, essa Kate Winslet é demais! Não há inocentes na guerra.



Também paguei ingresso para ver "Operação Valquíria", filme feito para Tom Cruise brilhar, pena que ele não entendeu a complexidade do personagem, um oficial nazista que participa de um plano (a tal operação) para eliminar Hitler. As razões que o leva a fazer isto nem correspondem a uma verdade histórica por completo, aí o filme peca por tentar transformar em herói um nazista, sobretudo! Em outras mãos, o papel seria melhor entendido, tanto para o ator principal, quanto para o diretor, Bryan Singer deveria ficar com mutantes mesmo. Destaque para os coadjuvantes, amo Terence Stamp e ele está um espetáculo! Mas o filme é bom, vale a pena ver, mesmo sabendo o final, o que não deixa de ser engraçado! :P

Ao contrário de O Leitor, que absorve a dimensão humana que ele coloca em todos envolvidos na guerra, até na participação voluntária no regime de Hitler por parte dos alemães. Operação Valquíria e seu diretor, Bryan Singer, deveriam aprender como não transformar nazistas em heróis. Extermínio de judeus foi um dos crimes dos nazistas, mas não o único, senhores. Então o personagem de Cruise não deveria levar a alcunha de quase herói.



Outro da minha safra é "O menino do Pijama Listrado", baseado num best seller.

Tem muitos problemas neste filme, ele pode até soar inverossímil. Portanto, para apreciar, é relaxar e ver com olhos de criança. Aí ele funciona.



É um ótimo filme para introduzir este teme difícil para os pequenos. Trata-se de uma fábula e é para ser admirado no que se propõe.

Quer escolher um só? Fique com O Leitor. Ingresso e diversão, garantidos.

Danielle M

5 comentários:

Hélio disse...

Desses so vi O Leitor e o Menino do Pijama Listrado.

Achei O Leitor ruim quando vi. O tempo foi passando, e na minha memoria se torna cada vez mais mediocre.

O menino de pijamas passa como um blablabla qualquer. A gente ja viu auqilo tudo antes, e nao fede e nem cheira na sua falta de pretensoes.

Quem arrasa O Leitor é o Inacio Araujo, que ta com blog novo de pequenas (e belas) ideias. Infelizmente nao foi ele o autor da critica do filme pra Folha, mas breves palavras podem ser lidas aqui:

http://inacio-a.blog.uol.com.br/arch2009-03-01_2009-03-07.html#2009_03-03_16_51_03-135949845-0

E, olha, eu tendo a concordar...

E juro que tentei ver "A Queda", cheguei a uns 40-50 minutos de filme, mas sabe-se la porque, nao fui em frente. Nao estava ruim. Mas bom tb nao devia ser (ou teria terminado).

Quero ver o do Tom Cruise. Alem de gostar do ator, o Bryan Singer é um diretor interessante.

Abços!

Celia Kfouri disse...

Eu conheço e até concordo com parte das críticas negativas em relação a "O Leitor'. De fato, Ralph Fiennes estava péssimo.
Mas eu me comovi, me encantei com a história de amor do Michael adolescente (sem falar nas questões da própria Hanna, que me tocaram também). A emoção tão genuína do menino diante de tantas descobertas (no primeiro momento, da paixão, e também num segundo, quando do julgamento) me levou, e eu me deixei levar.
Saí do cinema comovida, sem me importar com a canastrice do Michael adulto ou com o sotaque incoerente da Hanna. E com vontade de aplaudir David Kross (que fez o Michael adolescente).

e.fuzii disse...

Longe de querer criticar, mas até hoje não entendo como as pessoas tem essa fascinação pelo Holocausto.

Essa fascinação, no caso pela figura de Hitler, chega ao ápice com "A Queda!". É verdade que tem suas cenas poderosas (Hitler inspecionando o garoto, por exemplo), mas ainda não consegue sair daquela denúncia de que o povo alemão foi uma simples vítima desse homem, levados por suas próprias ingenuidades.

Falei sobre "O Leitor" em meu blog, em que volto a tentar documentar (mal e porcamente) aquilo que (pouco) assisto:
http://pontoincolor.blogspot.com
Acho interessante esse paralelo de que a relação do jovem com Hanna seja de fato a forma como a jovem Alemanha (recém derrotada na outra Guerra) foi seduzida também por Hitler. E depois de uma nova derrota, o tempo que o povo leva para curar esse "coração partido". Claro que parece também concordar com essa desculpa do povo alemão. Mas só parece, porque trazendo o foco para alguém Hanna, a discussão atinge uma dimensão bem maior ao personificar nela aquela tese de que havia um Hitler dentro de cada um deles. E além disso, ainda havia a troca entre os dois no caso da leitura...

Apesar disso, é uma pena que o filme seja tão mal conduzido e não consiga proporcionar discussão com cenas tão expostas. Já ouvi dizer que o romance é bem melhor, mas não deixa de valer a pena por toda a austeridade (quem diria?) de Kate Winslet.

Os outros dois, o pijama e o pai da Suri visitando o nazismo, eu passo.

P.S.: Hélio, eu tenho achado o Inácio Araújo tão rabugento ultimamente...

Allan disse...

Não sou um grande interessado em segunda guerra mundial. Dos citados, só vi a queda. O filme é bom, mas não é nenhuma obra prima. O que eu recomendo sobre o tema é um interessante documentário que vi há alguns meses, Rape of Europa. É sobre os esforços dos nazistas para salvar certas obras de arte e saquearam museus, enquanto se esforçavam para destruir qualquer coisa ligada a cultura eslava.

apenas Ribas disse...

Tópicos bons tem que ser elogiados...

Portanto elogio este...


Maaaaaaaaaaaaaaaas comentando/complementando o comentário...

Aconselho/ recomendo ver "Die Welle" (2008), refilmagem da experiência real "3a Onda" (que acho que numa era jurássica, cheguei a comentar por aqui...)