sexta-feira, 20 de março de 2009

[CRIMINAL MINDS] 4x18 "Omnivore"




Obrigada, muito obrigada, Criminal Minds! Fazia um tempinho já... a espera não foi pouca... mas finalmente chegou um grande episódio. E chegou mostrando uma grande ‘criminal ‘mind’! Parecia até que estava assistindo a outra temporada! O fato é que tivemos muitos dos ingredientes que devem estar presentes nos grandes thrillers: policial com dramas de consciência, policial assassinado, relação entre o velho e o novo policial, provocações e desafios do criminoso, mind games entre criminoso e policiais, jornalista com papel importante na trama, morte forjada, vítima sobrevivente que na verdade é o criminoso, e até fuga no final! Adorei (me sinto recompensada depois de tanta caca, tanta mediocridade a que tive de assistir).

Onívoro – aquele que ‘come’ de tudo – é o título do episódio que traz um unsub que ataca vítimas sem um perfil específico (ao contrário da maioria dos serial killers!). As mortes lhe importam mais do que as vítimas em si, pois o que ele busca é reconhecimento. Certa predileção é notada, pois quando as vítimas são mulheres bem jovens ele usa lâminas para perfurá-las inúmeras vezes. E aqueles que acompanham a série já sabem que isso equivale a penetração sexual.

Quando o velho e moribundo policial revela a Hotch (que estava iniciando na BAU quando trabalharam juntos no caso) o pacto que fizera, a BAU entra em ação. Até porque o velho tira em seguida morre e as mortes recomeçam de imediato.

O pacto não me parece razoável da parte do policial; não é crível que ele concordasse. Mas da parte do unsub, é fascinante pensar que, com isso, ele experimentou uma sensação de poder maior ainda, ao fazer a polícia ‘se render’.

Muitos momentos foram empolgantes:

- o brainstorm da equipe, no avião, foi bem feito. Muitas idéias interessantes – e críveis! – apareceram ali.
- o repórter: a relação de vaidade do unsub, que precisava dele para ser reconhecido; os acordos e compromisso mútuos entre ele e Hotch foram muito bons; e que bela proposta Hotch fez a ele! Acesso irrestrito aos arquivos da BAU!






Hotchner indo ao encontro do repórter, em frente ao FBI.


- Morgan rendido. Adorei! É sempre bom vermos que somos falíveis e vulneráveis. Morgan, que em tantos momentos se parecia com Rambo, talvez repense algumas coisas.
- mais um unsub que telefona para Hocth e mais uma grande cena a partir daí. A do 4x16 ainda está tão fresca e já recebemos outra!
- Rossi, mais uma vez, é quem acolhe um membro da equipe em momento de aflição, e o fez muito bem. A cena em que ele conforta Hotch, após a matança no ônibus foi intensa (pelas minhas preferências pessoais, só teria sido melhor se tivesse Gideon a confortá-lo; adoraria ter visto isso. E Rossi, vê se não ‘toma o nome de Gideon em vão’).




Hotchner, abalado, é confortado por Rossi. Lágrimas...


A seqüência que levou a equipe a identificar Foyet como o unsub foi eletrizante. Bom ritmo para ótimas associações que levaram à sua prisão e a salvarem a vida do repórter. Momento hilário: “Hello, Derek!”.






George Foyet, vítima, e Geoge Foyet, serial killer.


Unsub identificado, capturado, preso, BAU voltando para Washington, tudo resolvido, aí eu vejo na tela que ainda falta um minuto e meio. Eu penso ‘vão aprontar com meus nervos! que surpresa guardaram pra esse finalzinho?’. O unsub, que durante dez anos de trégua planejou todos os detalhes de sua volta (até armazenou seu próprio sangue para forjar sua morte), planejara também uma fuga espetacular. Cumpre sua promessa de que seria ainda mais famoso do que se imaginava e deixa o terreno preparado para seu retorno em mais um episódio – que bem que renderia um bom finale.




Reaper e sua fuga iminente.

P.S.1 – Momento ‘minha idade está pesando’: o que aconteceu com o C. Thomas Howell que eu assisti em ‘Vidas sem Rumo’, ‘A Morte pede Carona’, etc? Eu já era adolescente!!
P.S.2 – Por que será que a Prentiss apareceu tão pouco nesse episódio? Será que era medo de o nariz começar a sangrar de novo?? Bah!!

Até o 4x19.
Célia Kfouri.

Um comentário:

jackie disse...

Também gostei desse epis. nos fez lembrar aquele velho Fank da 2ª temporada. Um killer cruel e inteligente e que por fim ainda consegue fugir....espero que tenha uma continuação, ao menos merecemos!!! =D

Hotch e Rossi conversando para mim foi um dos melhores momentos, pq sempre vemos Hotch durão e neste momento ele se sentiu impotente. Eu tb me sentiria. Quanto ao Rossi tá veriando terapeuta do time...kkk! Mas, gosto disso todo time tem alguém que se comunica com todos e que dá conselhos.

E a Prentiss ter aparecido pouco.... ao contrário eu não senti tanta falta e olha que sou mega fã dela. Achei, que ela fez o que devia, o foco do episódio era mais o killer e Hotch.

Até mais! Jackie.