sexta-feira, 15 de fevereiro de 2008

[LOST] 4x03 The Economist

Depois de dois ótimos episódios nessa temporada, Lost não decepciona e traz o mesmo ritmo alucinante aliado a diversas reviravoltas. Já somos surpreendidos logo de início com o flashforward de Sayid, que agora parece ter "permissão para matar" e faz sua primeira vítima após perder uma aposta no golfe. Claro, tudo isso planejado para ele estar de forma providencial naquele buraco. Mas o mais interessante acontece quando Sayid muda-se para Berlim.
Aproveitando o dia dos namorados americano (dia 14 de fevereiro), Lost apresentou o relacionamento entre Sayid e Elsa, uma moça com um estranho emprego ligado ao "economista" do título. E conforme o tempo passa e os dois estão mais íntimos, Elsa parece estar correndo um perigo eminente. Embora não entenda o porquê da surpresa de Elsa em Sayid ter encontrado-a de propósito no café (já que o iraquiano parecia ser sua missão), foi bastante surpreendente a revelação de que ela era outra agente, interessada no "chefe" de Sayid. Ainda bem que eles resolveram suas diferenças antes de tornarem-se marido e mulher.

Entretanto, não foi apenas fora da Ilha que tivemos reviravoltas. O trio formado por Sayid, Kate e Miles vão à procura do grupo de Locke para resgatar Charlotte. Miles, que na semana passada era meu personagem favorito, foi bastante irritante durante todo o episódio, mas embora tenha sido um truque genial de Sayid, trocá-lo por Charlotte chega a ser sacanagem. Servindo como isca para uma emboscada ao trio, Hurley acabou sendo uma ferramenta bem rasa. Terminar a cena em que Hurley questiona as ordens de Locke de forma ambígua pareceu ser uma forma de tentar nos enganar e engolir qualquer tipo de reação de Hurley a partir dali. Muita coisa pode ter acontecido depois daquilo e sei que o ritmo dos episódios é mais rápido agora (e põe rápido nisso), mas tem momentos que pedem para as dúvidas da personagem serem colocadas nas costas do ator.
Para os shippers também não faltou emoção, mesmo com a cena sem sal entre Kate e Jack. Já o encontro entre Kate e Sawyer parece ser o mais revelador para o destino das duas personagens até aqui. Sawyer é outro que chega à conclusão de que continuar na Ilha é melhor que tentar a sorte no mundo exterior. Mais uma vez, como aconteceu no embate entre o plano de Jack e Locke, fica o mistério sobre o porquê de Kate resolver sair da Ilha, quando o mais sensato seria ficar.
Não existe forma melhor de descobrir os segredos de alguém que a pessoa certa estar no local certo. Sayid descobre a sala secreta de Ben, que com tantas moedas e passaportes diferentes, são indícios de que a foto de Ben foi mesmo tirada fora da Ilha. Depois dessa revelação das idas e vindas de Ben e Sayid estar seguindo mais uma lista, ficou claro quem seria o chefe: Benjamin Linus. E mesmo que a revelação já tivesse sido entregue por esses detalhes e pela própria voz inconfundível de Michael Emerson, foi um alívio enorme saber que Ben estará mexendo seus pauzinhos até o final da série.

Para provar de uma vez por todas as minhas suspeitas que o tempo da Ilha corria diferente do exterior, Dan Faraday desenvolve um experimento simples para receber um foguete enviado por Regina (só de ouvir sua voz já fico ansioso para ver Zoë Bell em Lost). E se na contagem o objeto deveria chegar em alguns segundos, ele leva muito mais tempo que isso. Mas o mais impressionante é que seu relógio interno marca 31 minutos de diferença com um daqueles que estavam na Ilha. Parecia claro que essa seria a única forma de explicar o útero das mulheres e até os flashes do Desmond na temporada anterior. Para completar, Jack ainda intrigado com a vitória do Red Sox, diz o número de dias que os Losties estão na Ilha e Frank quase responde que ele estaria errado, mas infelizmente acaba sendo interrompido.

Os eventos que ocorrem na Ilha e no flashforward foram ligados através do bracelete encontrado em Naomi, igual ao que Elsa também usava. Poderíamos presumir que elas seriam da mesma equipe? Porque, afinal, é difícil ocorrer uma coincidência como essa. Sayid afirmar que vive das indenizações da Oceanic e isso ser o suficiente para assustar o golfista, só pode significar que o resgate deverá ser feito pela equipe mandada por Abaddon mesmo. Porém, o arrependimento talvez tenha feito Sayid unir-se a Ben e tentar voltar à Ilha. E pelo celular usado por Sayid para se comunicar com Ben seu flashforward é no mínimo contemporâneo àquele dos delírios de Jack. O que surge de mais estranho de tudo isso é Elsa estar encumbida de descobrir quem seria o chefe da organização, quando tudo parece tão claro. A não ser que o tal "economista" e sua empresa não tenha ligação com a Ilha, o que seria mais estranho ainda.

E assim Desmond e Sayid vão ao encontro do barco. Já que Locke foi incapaz de derrubar o helicóptero (sério, que legal seria ver John Locke com um lança-mísseis em cima de uma das montanhas tentando derrubá-lo, não?) só resta mesmo esperar que Jacob apodere-se do corpo vazio de Naomi. Claro, não sem antes de encontrarmos os tripulantes do barco, que tem tudo para ser bastante interessantes.

Update 17/02: Eu não costumo (e não gosto) de atualizar postagens antigas, mas depois de rever por pelo menos 15 vezes a cena em que Juliet chega com Desmond ao local do helicóptero, não pude deixar de vir aqui comentar. Não sei de onde Elizabeth Mitchell consegue colocar tanta emoção numa cena simples assim.



e.fuzii

2 comentários:

Celia disse...

Eu estava ouvindo o podcast do The Odi - que é sempre uma excelente fonte! - e els comentaram uma coisa muito estranha sobre o 4X02 (não postei no outro tópico pq tá todo mundo focado nesse aqui).

Eles afirmam que o nome pelo qual a namorada/ mulher/irmã do Dan Faraday o chama, naquela cena em que ele está vendo tv, é SAM e não DAN!!! Revi o episódio naquele trecho e realmente me pareceu que ela diz Sam. Mas eles são dois americanos e que afirmaram isso como se todo mundo tivesse notado. Eles só estavam argumentando que no Find 815 também tinha um Sam... pq será que o Faraday estava escondendo o nome real dele, etc...

O que vcs acham???

Outra pont que para mim está muito confuso é quanto àqueles relógios. São relógios ou cronômetros?? Pq faz toda a diferença... Um relógio estaria indicando que eram 2.45h e o outro 3.16h e, assim, haveria uma diferença de 31 minutos. Já um cronômetro indicaria que, no tempo da ilha, levou 2h45m para o payload chegar e 3h16m no tempo 'normal'.

Daí surgem várias questões porque o tempo levaria 31m a mais a cada 2h45m e, a essa altura (precisa fazer uma conta para calcular o crescimento dessa diferença) os 100 dias para os losties significariam mais dias para resto do mundo.

Viajei??

Celia disse...

Quanto ao episódio como um todo, achei excelente. Uma grande série, que teve seus problemas mas parece ter dado a volta por cima em altíssimo estilo.

Ben=Capeta?? Sayid vendeu sua alma... A que preço??

Não acreditava mas a essa altura já concordo com quem disse que o Michael é o espião no barco mesmo. De outro modo, pq os losties quereriam tanto saber quem era o 'man on the boat'?? Só pode ser gancho para mostrarem alguém conhecido.

Para quem gosta de spoilers, tem um sneak peek muito bom lá no The Odi. Tb está no darkufo. Essa Kate...

http://the-odi.blogspot.com/

http://www.darkufo.blogspot.com/