segunda-feira, 4 de maio de 2009

[CRIMINAL MINDS] 4x22 "The Big Wheel"








Ninguém precisa me dizer. Eu sei muito bem que, se alguém se dá ao trabalho de vir ler o que escrevo, é porque é fã da série e, na maioria dos casos, não está a fim de ler críticas muito negativas. Assim, decidi que, por algum tempo (enquanto dou um tempo para que momentos melhores sejam mostrados), quando o episódio me desagradar muito, vou escrever pouco.
Dessa forma, começamos hoje, com um breve comentário.

“The Big Wheel” conta a história de um unsub portador de Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC) que, dentre todas as repetições de conduta e comportamento que ele não consegue evitar, está o crime. Ele repete compulsivamente o assassinato de sua mãe, que presenciou quando ainda era criança. Ele assistiu e filmou seu pai matando sua mãe, e seguiu matando, ano após ano, alguma mulher parecida com sua mãe, da mesma maneira que ela morreu.



O unsub da semana.

A imagem do menino cego presenciando a morte da mãe comoveu o unsub de modo que ele se viu querendo parar, mas sem conseguir em virtude do TOC. Ele então manda um vídeo para a BAU pedindo ajuda e a equipe se põe em campo. (Não falaram que a mensagem estava escondida no vídeo??)

Com a ‘onisciência’ da Garcia, eles vão levantando dados, pesquisando tudo, associando as informações, até chegarem à identidade do unsub e à sua ligação com o menino cego − o menino-morcego que, com sua ‘ecolocalização’, nos deu um dos únicos momentos bacanas do episódio.


Muito bacana esse menino.

Nenhuma atuação genial de nenhum dos membros da BAU, nenhum momento brilhante na investigação. O TOC do unsub foi demonstrado de maneira pífia. Na própria série, já vimos uma unsub que tinha que girar a maçaneta três vezes para abrir a porta (01x02 – ai, que saudades da season one...). A cópia descarada das cenas de Melvin Udall (Jack Nicholson em Melhor é impossível), que evita as linhas divisórias nas calçadas, ou usa uma barra de sabonete de seu estoque atrás do espelho a cada lavada de mãos, é constrangedora. (Cheguei a sentir vergonha alheia pelos roteiristas!) Não é possível que nossa série precise se valer disso. Chega a ser descaramento. Mas só serve para confirmar essa tendência de falta de criatividade que assola a série, e que eu venho apontando a tempos.

Essa dubiedade que se tem colocado nos unsubs não é só irritante. É também sinal de inconsistência, de falta de convicção e confiança nos personagens criados. “Como eles poderiam não convencer se apresentados apenas como X, dou margem para que ele também possa ser entendido como Y.” É essa a minha impressão, e é essa a única explicação que vejo para os inúmeros finais abertos, e para os inúmeros personagens (principalmente unsubs) sem uma construção fechada. Não é questão de ser maniqueísta; por óbvio que (quase) ninguém é de todo bom ou ruim. Mas tantas em questões em aberto parecem coisa de quem não quer se comprometer.

Melhor cena da episódio: o unsub colocando miolo de pão e filme plástico no seu ferimento à bala. Adoro!

Doido de pedra!
Bom, eu havia prometido escrever pouco. Já deu.
Até o 4x23 e, insh'allah, com menos rabugice.

Célia Kfouri.

(Vou voltar pra outra série que me interessou recentemente para tomar coragem de criar um post aqui. Acabei fazer uma maratona da primeira temporada de Epitáfios. Essa série, sim, corajosa! Para alguns, até demais.)

4 comentários:

Lee disse...

Eu achei o episódio mediano, mas concordo contigo em alguns aspectos, como a referida dubiedade inpingida pelos roteiristas aos unsubs.Mas acho que até agora o nº de bons epis superam em quantidade os episódios ruíns.Mas gostei também do seu comentário.Obrigado por ele.

Celia Kfouri disse...

Olá, Lee.

Estou respondendo a esse seu comentário já tendo assistido ao 4x23. Pois é, e por falar em dubiedade dos unsubs.... Vamos ver onde isso vai parar.

Concordo que muitos episódios dessa 4ª temporada foram muito bons mas para dizer se foram a maioria, eu teria que fazer uma retrospectiva. Ao final da temporada, farei!

Espero você no 4x23.

jackie disse...

Preciso rir ... kkk!

Célia, eu sou fã, adoro a CM e me fico triste quando você discorda da minha opinião, como no caso do meu sonho de shipper entre Hotch e Prentiss. Mas, mesmo assim eu leio seus comentários como já disse você tem sempre uma visão diferente das coisas e é isso que me faz vir ler seus comentários. Parabéns!!!

De fato por mostrar o lado bom e ruim dos unsub tem cansado, um vez ou outra é legal, mas sempre... é demais!

Eu gostei das cenas do menino cego com o Morgan foram bonitas.

Você mencionou Epitáfios eu tô louca para ver, já vi algumas cenas e achei fantástico!

CláH disse...

Nossa...eu gostei demais do episódio...
Não acho que a principal parte foi a equipe descobrir quem era o assassino. Acho que teve outros episódios que eles trabalharam mais e foram mais inteligentes ao descobrir o culpado. Aliás, o Reid [meu predileto] não fez quase nada.
Mas, a cena na montanha-russa, aquele menino conversando com o Dereck... Realmente, eu AMEI o episódio... Confesso que me emocionei com as últimas palavras de Vincent, ao dizer ao Stan que NUNCA desejasse morrer...
Eu gostei MUITO do episódio, um dos meus prediletos, até hoje.