terça-feira, 12 de maio de 2009

[Dollhouse] 1x12 Omega

Depois de acompanhar essas doze semanas da série, posso garantir que pouca coisa fará falta caso Dollhouse for mesmo cancelada. Nem mesmo todo o talento envolvido na sua produção conseguiram salvar essa premissa confusa, que parecia ir se desenvolvendo semana a semana, sem ter uma base já estabelecida. A impressão era que a cada novo caso mostrando as operações da Dollhouse e sempre levantando uma certa polêmica, a história se enrolava mais e mais. Afinal, até o ponto em que essa rede secreta está espalhada por todo o globo tudo bem, mas além disso, quando boatos corriam por todo o canto, uma rede imensa de clientes usavam de seus serviços e várias pessoas estavam envolvidas na sua manutenção, ficava difícil acreditar que não atraísse suspeitas. Ainda mais quando os actives pareciam sair de controle muito facilmente.

Apesar disso, esse episódio final foi muito bom, principalmente dependendo do talento de Alan Tudyk mais uma vez, que na confusão de personalidades impressas em Alpha mostrava uma dinâmica formidável -- algo que ainda falta em Dushku. Desde a semana passada, já desconfiava que Saunders poderia ser uma active aprisionada com essa personalidade de médica, mas a revelação em meio a uma missão ao lado de Alpha foi bastante surpreendente. Numa cena tensa e muito bem dirigida, mostrando um dos clientes sendo torturado por Alpha, minha última suspeita era que Whiskey fosse esse último vértice do triângulo e dançasse daquele jeito na escuridão.
Mas a melhor parte do episódio veio exatamente do confronto entre Echo e Alpha, com cada um tendo uma visão diferente do certo a ser feito antes de desistir da sua verdadeira personalidade. A discussão ainda consegue abranger todo tipo de crença, sendo permitido dizer que era a "personalidade raiz" que deixava esses resquícios ou a própria "alma" do active. Pra dizer a verdade, preferia que Alpha tivesse sido corrompido durante sua estadia na Dollhouse, e que não fosse apenas sua mente doentia que o fizesse agir dessa forma, já que pareceu uma solução simples demais para desculpar novamente as barbaridades da empresa. Porém, acho que o grande deslize foi no momento de amarrar e concluir toda essa história. Além de um apanhado de cenas ridículas durante a perseguição na usina de energia, fazendo com que Paul Ballard salvasse a "Caroline original" enquanto caía (!?!), a decisão de Paul em continuar trabalhando para a Dollhouse em troca da liberdade de November é completamente absurda. Por mais que ele quisesse destruir a organização de dentro para fora, talvez depois de saber sobre as outras filiais espalhadas pelo mundo, não dá para entender o que fez ele mudar de idéia depois de uma temporada inteira seguindo o rastro de Echo. Parece até ter sido a forma mais confortável para estabelecer uma possível segunda temporada e manter a protagonista ainda como active.

No final, tivemos ainda uma bela montagem com "Everybody's Gonna Learn Sometime" ao fundo -- que aliás, tem uma versão belíssima também no novo disco do The Field --, música na voz de Beck e encontrada na trilha sonora de Brilho Eterno de uma Mente sem Lembrança. O tema é bastante semelhante e acho bacana, principalmente se for o último episódio mesmo, fazer essa homenagem a uma obra melhor sucedida. Apesar de todas as irregularidades, Dollhouse foi uma boa diversão ao longo desses meses e espero que mesmo no caso de seu cancelamento ainda poder ver todo esse pessoal junto novamente em outras produções.

e.fuzii

2 comentários:

Hélio disse...

Atrasado com Dollhouse uns 3 episodios. Me desempolguei com a possibilidade cada vez maior de nao haver mais serie.

Agora o mais importante... que demora pra esse texto sobre o season finale de Lost sair, hein?! Isso é um absurdo!

Anônimo disse...

Ta, agora saiu o episódio 13...
Mudou todo o rítmo, como será daqui para frente?