sábado, 16 de junho de 2007

[FNL] 1x01 Pilot

Os 5 dias de preparação para o jogo de sexta-feira, estréia da temporada. Na apresentação da equipe, através de entrevistas na beira do campo, descobrimos que Coach Taylor tem sua primeira oportunidade como técnico-geral após 6 anos trabalhando no Dillon Panthers, e que Jason Streets é seu principal jogador, celebrado como o melhor quarterback a aparecer nos últimos 25 anos.
A cidade concentra-se, então, em tentar ao máximo apoiar o time, ao mesmo tempo que mostra uma cobrança excessiva, através dos jornalistas, diretores e até a prefeita. Mas o jogo de estréia guarda surpresas extremamente desagradáveis para o Dillon Panthers.
10. Under pressure. Que bela festa para o time aparecer, não? Coach Taylor descobre que só a vitória interessa. A prefeita mostra toda sua autoridade e recomenda a Saracen ouvir Black Sabbath. Okay, não é uma sugestão ruim... ainda que meio fora de contexto. E Riggins enfrenta investidas de fãs hmm... experientes, eu diria. "You ever blitzed an older woman? You could you know." Haha. Go, Riggins.
9. Coach Taylor. Seguro. Essa é a principal característica da atuação de Kyle Chandler. Emoção, dedicação e talento com certeza o levarão a suceder no novo cargo, mesmo com muita gente sendo contra.
8. Jason Streets #6. O melhor quarterback a aparecer nos últimos 25 anos. Uma tremenda responsabilidade. Mas ele corresponde chamando a atenção pra si quando o time precisa, no intervalo do jogo. Ele é o capitão, o personagem principal do time, aquele que serve de exemplo e divide entrevistas com o treinador. E ainda acha tempo pra amar Lyla Garrity, mesmo essa sendo a parte mais fácil de seu dia.
7. Smash Williams #20. "Man, this is the best team. They've got me." Não tem melhor forma de apresentá-lo. Smash é orgulhoso, mas consegue cumprir muito bem seu papel no campo. A jogada que ele faz, pulando sobre a linha de defesa a uma jarda é sensacional, mesmo pra ficção. Entretanto, vamos ver como ele sente a pressão do belo dia que as coisas começarem a não funcionar.
6. Clear Eyes, Full Heart, Can't Lose. Como marketing é ótimo o time (e no caso, o seriado) ter uma frase como lema. A preleção quando ela é introduzida também merece destaque por Coach Taylor. "I expect you to play football". Uma pena que a frase foi pessimamente traduzida na também péssima legendagem brasileira como "Visão e Coragem, Não perdem!"...
5. God. Sim, Deus tem coisas mais importantes pra preocupar-se além do futebol. Ainda assim, o paralelo feito entre futebol e religião é bem interessante. São praticamente costumes deixados de geração em geração, principalmente numa cidade pequena como Dillon.
4. Tim Riggins #33. Acho que Riggins foi o personagem mais brutalmente introduzido numa série que já vi. Primeiro ele diz odiar Smash por uma razão desconhecida e em seguida é jogado no meio de uma roda, tomando tackles seguidos dos outros jogadores como punição por aparecer bêbado. A cena é intensa, mas não conseguiu me causar comoção. Realmente conseguiram pintar um belo "vilão" no time.
3. Matt Saracen #7. Ator coadjuvante, jogador coadjuvante. Alçado num só episódio a jogador e personagem principal. Bravo!
2. O lançamento de Saracen. Na cena mais eletrizante da partida, Matt Saracen, após duas jogadas medíocres, consegue colocar dois membros da Defensive Line ao chão enquanto corre de costa. Mais um excelente trabalho de câmera, seguindo o jogador de diversos ângulos, embora, como sempre, o slow-motion fosse dispensável. Lançamento perfeito de aproximadamente 40 jardas. Touchdown, Panthers!
1. O acidente. Existem coisas que acontecem no esporte que são difíceis de explicar. Momentos inexperados que tomam o coração daqueles que jogam e torcem nos estádios. Posso exemplificar. Serginho, atleta do São Caetano, teve uma parada cardiorrespiratória num jogo contra o São Paulo há 3 anos atrás, e saiu do estádio do Morumbi já falecido. Eu estava no estádio e faltam palavras, até hoje, pra eu dizer o que aconteceu ali. Lembro-me do choro generalizado entre torcedores e atletas em campo. O jogo foi suspenso e os jogadores de ambas as equipes fizeram uma corrente pra rezar por ele.
Acho até forçada essa superação que os membros do Dillon encontraram pra continuar na partida, principalmente por serem tão novos, mesmo pelas proporções do acidente terem sido menores. Ainda assim, entendo que ganhou-se muito em emoção com a entrada de Saracen no lugar de Streets. Ao final, a visita do time ao hospital e as cenas de Streets na cama, imóvel, foram pra fechar com chave-de-ouro esse ótimo episódio-piloto.



e.fuzii

Um comentário:

Graciele disse...

Fiquei absolutamente apaixonada pela série (já assisti todos os eps). Meu personagem favorito é o Smash! Incrível!