terça-feira, 12 de junho de 2007

LOST: O Que Sabemos Até Agora - 3ª Parte A

FENÔMENOS GERADOS PELA ILHA

Chuvas Repentinas: podem até não ser um dos maiores mistérios da série, mas muitos já notaram que a maior parte das vezes que choveu na Ilha foi em momentos reveladores, dramáticos ou fatais. Eis uma lista de alguns deles:

  • A primeira delas ocorreu enquanto Jack, Kate e Charlie exploravam os destroços da cabine do avião da Oceanic, pouco antes de serem atacados pelo “monstro”;
  • Curiosamente uma dessas chuvas parou subitamente logo após Michael prometer a Walt que sairia para procurar Vincent na floresta assim que parasse de chover;
  • Enquanto procuravam Charlie e Claire, seqüestrados por Ethan, Locke e Boone foram pegos por outra, que na ocasião foi prevista um minuto antes pelo “homem das caixas”;
  • Choveu também quando Ethan foi morto por Charlie em seu confronto final com os sobreviventes;
  • Caía uma chuva pouco antes do monstro de fumaça atacar Kate, Jack, Locke, Hurley, Dr. Arzt e Danielle, quando já estavam se aproximando do Black Rock. Assim que o monstro se afastou, a chuva parou;
  • Também chovia antes e durante a morte de Shannon, parando assim que ela morreu;
  • Momentos antes de Kate, Claire e Danielle chegaram à Estação Caduceu, caiu outra chuva;
  • Mais uma delas marcou o “seqüestro simulado” da Sun, combinado entre Charlie e Sawyer;
  • Semelhante a Locke, Desmond também previu o começo de uma chuva, além do ponto exato onde cairia um raio;
  • Chovia muito quanto Kate e Juliet encontraram o monstro de fumaça na floresta próxima ao quartel dos Outros;
  • E também choveu momentos antes de Charlie quase ser mortalmente atingido por uma flecha de uma armadilha de Rousseau, quando ele, Desmond, Hurley e Jin procuravam o local onde caira Naomi de pára-quedas.

Sussurros: as fantasmagóricas vozes ouvidas nas florestas da Ilha ainda intrigam muitos fãs de Lost. O que sabemos sobre elas se resume à seguinte lista:

  • Foram mencionados pela primeira vez por Danielle Rousseau, que os atribuiu aos Outros;
  • Sayid foi o primeiro a ouvi-los, logo após fugir do esconderijo de Danielle;
  • James “Sawyer” também os ouviu. Na ocasião eles o advertiam de um erro do passado que voltaria para atormentá-lo (no caso era o fato de ter matado um inocente pensando ser o verdadeiro Sawyer);
  • Manifestaram-se antes de Shannon ver a primeira “aparição molhada” de Walt, além de antecederem sua morte, confundindo a cabeça de Ana Lucia, que a alvejou;
  • Foram ouvidos momentos antes de Jack, Kate, Sawyer e Hurley serem capturados pelos Outros;
  • Podem possuir alguma relação com as vozes que Jack escutou no comunicador “quebrado” de sua prisão na Estação Hidra;
  • Foram ouvidas por Ben, quando ainda era pequeno, próximo da cerca sônica, pouco antes do “fantasma” de sua mãe aparecer;
  • Mais tarde eles ressurgiram para o pequeno Ben pouco antes de encontrar-se pela primeira vez com Richard Alpert, na floresta fora do quartel da Dharma.

As Curas da Ilha: muitos foram aqueles afetados por este enigmático poder da Ilha. Entre eles:

  • Locke, que era paraplégico quando embarcou no vôo 815 da Oceanic, e voltou a andar quando chegou na Ilha;
  • Rose, que curou-se do câncer, aparentemente encontrando o seu “ponto energético ideal” (conforme a explicação de Isaac, o curandeiro australiano, que citou, entre algumas fontes de energia curadora, a geológica e a magnética);
  • Jin, que foi curado de sua infertilidade, engravidando Sun na Ilha;
  • Locke ainda teve acelerada sua capacidade de regeneração a ferimentos, voltando rapidamente a andar sem muletas após o acidente com a porta de contenção da Estação Cisne;
  • Misteriosamente, Ben Linus não teve seu câncer curado pelo poder da Ilha, mas acelerou sua recuperação pós-operatória assim que abandonou o quartel da Dharma, e partiu com seu povo para um acampamento ao ar livre, próximo das ruínas de um templo antigo;
  • Mikhail sobreviveu ao ataque da cerca sônica, quando Locke o empurrou em sua direção;
  • A recuperação do russo também foi muito rápida quando foi atingido por um arpão, atirado por Desmond;
  • Naomi também recuperou-se rapidamente da perfuração que sofreu em um dos pulmões durante sua queda na Ilha.

A “Doença” das Gestantes: por muito tempo o interesse dos Outros em Claire foi um mistério, até Juliet revelar que, na Ilha, as mulheres grávidas que nela conceberam são afetadas por uma “doença” que faz com que seus corpos se voltem contra o próprio feto, considerando-o um corpo estranho a ser eliminado pelo sistema imunológico do organismo. De alguma forma isto também afeta a mãe, matando-a em até 4 meses, contados a partir da data da concepção:

  • Apesar de não ter concebido seu bebê na Ilha, Claire começava a apresentar os mesmos sintomas. Por isto Ethan foi encarregado de tirar amostras de seu sangue para que Juliet desenvolvesse medicamentos que evitariam que a doença se manifestasse por completo;
  • O sonho de Claire na 1ª temporada, no qual se via sem barriga, diante de um berço cheio de sangue, pode ter relação com a tal “doença” (talvez uma mensagem da Ilha advertindo-a do perigo que corria em seu estado naquela época, já que ainda estava grávida).

Anomalia Eletromagnética: a importância do eletromagnetismo na trama de Lost é tanta, que a Iniciativa Dharma construiu uma estação inteira com o objetivo de estudá-la. Vejamos o que foi revelado até agora sobre mais esse fenômeno originário da Ilha:

  • O primeiro indício, mesmo que indireto, da presença de uma fonte incomum de eletromagnetismo na Ilha foi apresentado a Jack pelo piloto do vôo 815. Este disse ao médico que, após 6 horas de viagem, o rádio do avião estragou, tornando-o invisível para radares. Quando tentaram dar uma volta e aterrisar em Fiji, caíram em uma turbulência, e quando se deram conta já estavam a 1000 milhas de distância da rota original;
  • Mais adiante Sayid notou que a bússola que Locke lhe dera apresentava um considerável desvio com relação ao ponto que ela deveria indicar como sendo o norte polar;
  • A confirmação da existência de uma anomalia eletromagnética veio com a descoberta da Estação Cisne, cuja principal finalidade era controlar a liberação da energia por ela acumulada a cada 108 minutos, evitando que ela atingisse um limite crítico, e ficasse descontrolada;
  • A queda do avião da Oceanic ocorreu devido a um descuido de Desmond, que não inseriu o código de controle a tempo, permitindo que a anomalia ficasse instável por alguns momentos, atraindo o avião para a Ilha, e danificando seus aparelhos. A abrupta contenção da energia, no momento em que ele inseriu o código, pode ter gerado um “efeito estilingue”, que possivelmente causou a rachadura na fuselagem da aeronave, que se partiu em dois em pleno ar, sem razão aparente;
  • Quando Desmond se viu forçado a destruir a anomalia, através da implosão da Estação Cisne, sua desintegração liberou um intenso P.E.M. (pulso eletromagnético), cuja conseqüência foi a danificação de todos os aparelhos quem mantinham o complexo da Dharma em contato com o mundo exterior, além do fenômeno do “céu púrpura”;
  • Outra das possíveis conseqüências de sua destruição foi a “viagem no tempo” de Desmond, que no momento posterior à virada da chave de ativação da bomba nuclear se viu, literalmente, acordando no passado. Talvez um “efeito colateral” obtido pela combinação entre a radiação nuclear da bomba, e o vazamento descontrolado de energia eletromagnética da anomalia. Não se sabe com exatidão se ele foi fisicamente transportado, ou apenas mentalmente (o que não explicaria como seu corpo ficou intacto).

Acidentes: a Ilha de Lost tem um invejável histórico de acidentes navais e aéreos. Confiram a lista de todos que já conhecemos:

  • O primeiro deles, ainda sem explicações, foi aquele que levou o Black Rock para dentro de uma clareira no meio da floresta da Ilha. Estima-se que o acidente ocorreu em meados de 1800 (baseado em informações divulgadas durante o Lost Experience). O Dr. Arzt levantou a hipótese de um tsunami ter arrastado o navio inglês até lá. Segundo Locke, ele saiu provavelmente de Moçambique, no leste da África, o que seria um ponto em comum com o avião nigeriano;
  • Em seguida vem o acidente que estragou o barco da equipe de pesquisas da qual Danielle Rousseau fazia parte, ocorrido em meados de 1988 (só lembrando que ela está na ilha há 16 anos, contados a partir de 22 de setembro de 2004, data do acidente com o avião da Oceanic). Na época eles tinham saído do Taiti há três dias, quando captaram a mensagem que repetia os bad numbers. Decidiram mudar o curso original pra investigar a transmissão, quando seus aparelhos pararam de funcionar no meio de uma tempestade. O barco bateu nas rochas, abrindo um buraco impossível de ser consertado, e encalhou na Ilha;
  • O avião nigeriano parece ser o acidentado seguinte. Ele, inexplicavelvente, foi parar no meio do Pacífico (ponto mais provável da localização da Ilha) tendo saído da África. Vale observar que para um avião do seu porte uma viagem como essa seria impossível. Porém, as circunstâncias que o conduziram até o local ainda permanecem desconhecidas;
  • O quarto na ordem é o veleiro de Desmond, que em 2001 participava de uma competição cujos concorrentes precisavam completar uma volta ao redor do mundo. Pouco depois de se perder no meio de uma tempestade, Desmond acabou ferindo a cabeça, e ficou inconsciente. Só acordou quando já estava dentro da Estação Cisne, após Kelvin Inman salvá-lo. Portanto, não soube como seu barco chegou até lá;
  • Tivemos ainda o balão do verdadeiro Henry Gale, que tinha alguma ligação com os Laboratórios Widmore (informação confirmada pelo nome da empresa gravado no motor do veículo aéreo). Segundo a breve carta que escreveu à esposa, antes de morrer sob circunstâncias misteriosas, ele estava atravessando o Pacífico quando caiu na Ilha;
  • Em 22 de setembro de 2004, o vôo 815 da Oceanic Airlines foi a próxima “vítima” da Ilha. O que se sabe até o momento se resume a uma falha de Desmond no controle da anomalia eletromagnética, que parece ter provocado a queda. Mas ainda permanece um mistério como ele foi desviado 1000 milhas de sua rota original, aparentemente sem que o piloto e co-piloto da aeronave notassem;
  • O último acidente registrado foi o do helicóptero que transportava Naomi. O veículo aéreo pareceu sofrer uma pane total nos sistemas, e logo em seguida caiu no mar. O que causou esta pane é um mistério, pois a mais provavel fonte, a anomalia eletromagnética, foi destruída bem antes de ela chegar à Ilha;
  • Existe ainda o "acidente" que provocou a queda do “outro vôo 815”, mencionado por Naomi. Segundo ela, o avião foi encontrado no fundo do oceano Pacífico, sem nenhum sobrevivente. Sua causa é ainda desconhecida, e não sabemos se a Ilha tem alguma participação indireta nele;
  • Temos também o “incidente” citado por Marvin Candle no vídeo Orientação da Estação Cisne, que ainda depende de maiores informações para ser devidamente registrado como outro dos causados pela Ilha. Fica aqui sua simples menção para futuras observações.

Ficamos por aqui hoje, mas a 3ª parte continua ainda esta semana, na 5ª feira, quando falaremos de "Sonhos e Fantasmas".

Para aqueles que começaram agora a acompanhar este guia, não deixem de ler as primeiras partes:

1ª parte - Animais e Criaturas da Ilha
2ª parte - Locais e Elementos Misteriosos

Rodrigo "Wolv" Ferreira

2 comentários:

Anônimo disse...

Oi meu comentário, ou melhor pergunta não tem nada haver com o assunto.
Não sei se fui eu que não reparei antes, mas o Jack está com uma nova tatuagem no braço esquerdo? embaixo, parece que é uma flor.

Marcelo disse...

Muito Legal os comentários sobre o que sabemos até agora. Tenho uma contribuição a fazer no tópico "sussurros".
Quando o Ben leva o Locke na cabana do Jacob,Locke escuta uma voz clamando por ajuda