segunda-feira, 7 de janeiro de 2008

[Filme] O Amor Nos Tempos do Cólera

Eu estava toda feliz, achando que iria ver um filme soberbo, afinal, Gabriel Gárcia Marquez, com direção de Mike Newell, elenco internacional que inclui a nossa Fernanda Montenegro e o espanhol Javier Bardem. O que poderia dar errado? Tudo! O próprio autor disse a Mike Newell que ele NÃO iria conseguir. Rá!

Impressionante como pouca coisa deu certo nesse filme, a começar pela própria escolha de elenco. Mistura de sotaques num filme falado em inglês. O diretor não tem a pálida idéia do que é a alma latina, o que ele pensa é o que reflete na tela: somos todos iguais, exóticos, coloridos e, pasmen, gostamos da Shakira. Sim senhor, a trilha sonora é representada por ela. A partir daí não tem como levar o filme a sério, são situações contrangedoras.

O ator que interpreta Florentino Ariza quando jovem ganhou uma prótese de nariz risível e ridícula. No entanto, justamente a primeira parte do filme que se salva, a doçura de sua interpretação e de Fernanda Montenegro, sem falso ufanismo, ela tem mais falas do que Sonia Braga, Rodrigo Santoro e Gisele em suas empreitadas pelo cinema internacional. Fernanda Montenegro impõe dignidade e reverência à sua personagem.

Javier Bardem bem que tenta, mas com uma direção dessas, ele não consegue ir além da caricatura. A italiana Giovanna Mezzogiorno brilha na segunda e terceira parte da adaptação, conseguiu crescer sua personagem e transformá-la em algo crível.



O problema concerne não na adaptação, que é bem resolvida, mas sim na execução. Essa é uma história sobre amor e espera, tema recorrente na obra de Gárcia Marquez.O amor de Ariza é espíritual, paciente, ingênuo e idealizado. Já Fermina ama com a razão, com o dever e com a sua condição. Infelizmente, essas questões tão caras, passam rápido no filme. Faltou calor, interação, latinidad. Não era para ser uma novela mexicana. Mas o produto final resume-se a isso.

Danielle Mística
**fotos:reprodução

3 comentários:

Anita disse...

eu nao gostei mto desse filme tb, justamente por isso que tu comentou. faltou melhor caracterizacao desses dois lados diferentes que os personagens representa,... eu por exemplo nao entendi lhufas disso pq nao li o livro, ateh que alguem me contou o que os dois realmente significavam.. enfim, nao gostei do filme. e shakira de trilha sonora? ai ai ai

Anita disse...

ps, a sombra de goya, com mesmo ator e natalie portman, beeeeeeeeem mais legal.

Anônimo disse...

Antes de julgar a escolhas da produção, é preciso ter um certo conhecimento para se falar. O próprio Gabo escolheu a direção e deixou a trilha sonora em mãos de Antonio Pinto (brasileiro) e Shakira, seus amigos pessoais.