terça-feira, 22 de janeiro de 2008

[L and O:SVU] Paternity - S09 E10

O episódio que a Universal transmitiu hoje, inédito na televisão brasileira (não se pode dizer o mesmo do 'computador brasileiro'), foi curioso. Foi feito especialmente para aqueles que assistem a série com afinco, pois deu ênfase para a vida pessoal dos detetives e só emocionou quem está torcendo para tudo dar certo na vida do detetive Stabler e da detetive Benson.


O mote do episódio era uma criança "sem sobrenome", cuja babá foi assassinada e que posteriormente descobriu-se filho do amante de sua mãe. Um namorado virtual matou a babá, o pai (que criou o menino) matou a mãe e tentou se matar. Enquanto o desfecho desta história parecia impossível...

parêntese (os roteiristas americanos tem um costume politicamente correto, como já vi acontecer em algumas outras séries: quando a lei não pode ficar do lado de quem "pelo senso comum" deveria se safar ou ser condenado, eles encerram sem uma resposta definitiva: O homem foi traído e seu filho o amava demais, a mulher estava com ele pelo dinheiro. Ela pediu o divórcio e o pai biológico, a guarda da criança. O pai adotivo ia perder o filho - que ficaria com a mãe - e pagaria pensão para os dois ainda. No desespero, matou a mulher e tentou se matar) fim do parêntese

...esqueceu-se esta história com um acidente sofrido pela Olivia e a Kathy (esposa hipergrávida do Elliot) a caminho do ginecologista. Um homem bêbado bateu nas duas, desmaiaram, a Liv acordou, ajudou Kathy e segurou na sua mão durante o parto-fácil-de-criança-limpa dentro da ambulância. Kathy quase morre, mas sobrevive. Elliot e Kathy, depois de uma pequena desconfiança sobre a paternidade do bacurí, se vêem pais do primeiro menino. Lembrando que eles já são pais de uma ou duas meninas. (Eu me atrapalho... até a Claire de Heroes já foi filha do detetive!)

Para aqueles que não acompanham a série, existe uma torcida (ok, 87,72% da torcida é feminina) que está ansiosa pelo encontro amoroso de Olivia e Elliot. Passou mais um episódio, e aos 47 do segundo tempo, ele, duro como uma pedra, agarra Olivia para lhe dar um abraço, para despejar ali todo desespero dos ultimos instantes. Olivia, que é um pouco mais esperta emocionalmente, agarra com todas as forças este momento, aproveitando o abraço. Elliot logo se separa, pois em termos de 'inteligência emocional' (argh) é um zero a esquerda. O menino vai se chamar Elliot Stabler também. Cai o pano.



O capítulo teve uma vitalidade que, fazia tempo, não aparecia. Talvez isto me bata tão forte pois faço parte dos 87,72% lá de cima... e um capítulo que traz com tanto vigor a relação entre os dois e deixa de escanteio o "crime do dia" para por um forte highlight na vida pessoal dos personagens principais só podia se refletir nisso.

Vi alguma propaganda falando do ciúme da Olivia em relação ao filho do Elliot e a um súbito apaixonamento (de novo) pela esposa, que já foi ex e tudo mais. A esposa tem ciúme da Olivia, e o homem, como sempre, é leeeerdo para perceber o que está fazendo. Vamos ver o que eles vão preparar.

A narrativa de hoje foi bem boa. Sem encheção de lingüíça, parecia que a história, inclusive, não ia caber no episódio. O que, de fato, se revelou verdadeiro quando ficou aquele ar de "E agora, José?" entre todos os amores possíveis desta série. Aos amantes de Christopher Meloni: corpo atlético é uma coisa, mas aquele pescoço a la Rebeca Gusmão está um pouco passadinho da conta.

Não sei se Law & Order: SVU continua na próxima temporada, pois as negociações para esta que está no ar já foram muito complicadas, e quando vemos policiais tão dedicados e entusiasmados com seus afazeres é duro crer que eles estejam cansados de seus papéis e interpretar não seja mais do que um meio qualquer de ganhar a vida. Os rumores dos desagradáveis papos entre produção e atores antes da nona temporada, posso afirmar com alguma certeza, fizeram com que a série perdesse um pouco o encanto, pois quando nos envolvemos com o background descobrimos que nossas fantasias não passam de mera invenção.
____________________________________________

Até o próximo episódio (ou antes).
Paula.

3 comentários:

Thais Afonso disse...

O abraço foi o ponto alto do episódio. Mas eu não torço por Olivia e Elliot, não. Gosto dos dois como amigos. Não acho que amor deles seja um amor romântico, mas um amor fraternal.

Celia disse...

Adorei seu texto e adoro a série!

Sou muito dividida entre torcer ou não por um romance entre nossos queridos 'detectives'. Eles funcionam muito bem juntos mas talvez como parceiros apenas.
Sem dizer que seria muito destruidor em termos da família Stabler.
Acho que ele tem muito mais filhos, uns quatro, talvez agora sejam cinco. Inclusive ele tem um menino. Lembro de um episódio em que um menino é molestado e ele conversa com o seu para que ele saiba se proteger dessas coisas. Lembro também quando seus filhos vão ao trabalho para fazer surpresa no aniversário dele. Acho que eram muitos! :-D
Mas posso estar confundindo e nao tenho os episódios para conferir.

E parabéns novamente!

Leonardo disse...

Só um adendo, Paula! O menino não é o primeiro filho de Elliot, mas o segundo... o primeiro e o Dickie, que tem a irmã gêmea, fora as outras duas, Maureen e Kathleen!