quinta-feira, 20 de novembro de 2008

[FNL] 3x08 New York, New York

"We gotta stay positive" é o que canta Craig Finn do The Hold Steady, durante o treino em que Coach Taylor finalmente resolve ceder e tenta colocar Matt Saracen como Wide Receiver. Diante de tantos atalhos que os roteiristas resolveram tomar, é com esse espírito que devemos encarar: torcer para que os fins pelo menos possam valer a pena.
Depois de McGill sofrer um ataque cardíaco e o treinador risonho de J.D. assumir sua posição temporariamente, ninguém era capaz de convencer Coach Taylor a arriscar seu QB2. Isso até Julie trazer o assunto à mesa de jantar e mostrar no melhor estilo Tami, que Matt merecia uma chance. O rosto de Eric Taylor vendo sua filha calar Matt enquanto tentava ganhar a discussão foi impagável. Pois é, quando uma das garotas Taylor quer alguma coisa, ela vai até o fim. E é bom o treinador aproveitar enquanto a pequena Grace ainda não consegue falar. Mesmo com suas pernas um pouco enferrujadas, essa acaba sendo uma boa desculpa para não tirar Matt dos holofotes. Até porque não conhecemos nenhum WR melhor na equipe.

Mas quem roubou grande parte do episódio mais uma vez foi Jason Streets, que partiu com seu amigo Tim Riggins para tentar seguir a carreira de agente esportivo em Nova York. Acho que semana passada eu já deixei claro o quão improvável era uma história como essa e que era bem previsível que essa seria a forma dele deixar a série. Mais absurda do que na viagem ao México na temporada passada, Riggins outra vez esqueceu o colégio e os treinamentos do time para seguir seu grande amigo. Mas deixando de lado esses problemas, a interação entre os dois foi cômica e comovente na medida certa para a despedida final. Além disso, Scott Porter fará muita falta em Dillon, de forma que é impossível se cansar do seu poder de persuasão sobre as pessoas. Ops, olha aí outra vez.

Talvez para balancear um pouco a série, outras duas tramas tiveram, na sua própria maneira, finais frustrantes: a casa-obsessão de Tami e o cowboy-obsessão de Tyra. A primeira até dispensa comentários porque não chegou a lugar algum, além de mostrar a sintonia do casal Taylor e que nem sempre é possível conseguir aquilo que se quer. Já no segundo caso, por maior que fosse o sonho de Tyra de conseguir uma vaga na universidade, existe uma força que atrai ela de volta a realidade: a família Collete. E mesmo que esse desfecho possa ser previsível, não há como deixar de torcer. Ao contrário de Jason, Tyra não consegue concentrar-se em seu futuro e na primeira decepção -- em que Tami não precisa sequer dizer para sabermos como foi sua entrevista -- resolve desistir de tudo e partir atrás do cowboy. E por mais frustrante que isso possa ser, é a realidade da família Collete: esperar confortavelmente um homem para resolver seus problemas. Só espero que Tyra volte rápido o suficiente para saber da "namorada" lésbica de Landry.

Play of the Week: Apesar de tudo, Jason Streets teve a despedida que merecia. Depois de Tim desejar sorte ao amigo, Jason já encontra um obstáculo com o lance de escadas na casa de Erin, que faz com que a garota tenha de levar o filho até seus braços. E por mais comovente que seja seu discurso para convencer Erin a lhe dar uma chance, o que realmente deu aquele aperto foi o silêncio de Tim, assistindo à cena com lágrimas nos olhos, dando adeus ao seu melhor amigo. Texas Forever!



e.fuzii

2 comentários:

Davi Cruz disse...

Cara, no momento em que o Tim solta aquele longo suspiro, com lágrimas nos olhos, nem eu aguentei... Muito bem conduzida essa despedida de Street. Ele merece!

Davi Cruz disse...

Ah, está no ar a 5ªedição do PODCAST TÔ ASSISTINDO.

Dá uma passada lá...
http://toassistindo.wordpress.com/2008/11/25/podcast5/

Valeu!