domingo, 31 de janeiro de 2010

[Dollhouse] Series Finale "Epitaph Two: Return"


por Anita Boeira

E acabou-se o que era doce. De acordo com spoilers lidos antes do episódio, Whedon prometia resolver todos os mistérios e perguntas de Dollhouse nesse finale, mesmo que as respostas não fossem exatamente o que a gente gostaria de ouvir.

Pausa.

Quem aqui é fã do Whedon? Se voce é, já está acostumado com a "tendência" dele em "matar" personagens queridos no final de suas séries (Não vi Buffy ou Angel, mas nas minhas queridas series Firefly e Dr. Horrible eu perdi alguns dos meus personagens favoritos, e sinceramente? Sempre fico um pouco puta com o Whedon por causa disso). Mas mesmo com essa tendência macabra de torturar o espectador, o Joss sempre nos emociona no final.

Voltando a Dollhouse.

"Epitaph Two" foi a sequência de "Epitaph One", episódio extra do DVD da primeira temporada que não foi exibido na televisão americana (e obviamente a FOX nao fez o favor de passar o episódio antes de passar sua continuação, way to go FOX!). Em Epitaph One, conhecemos novos personagens, que em 2019, estao fugindo do desastre que o mundo virou com as invenções da Rossum. Mag, Zone, uma guriazinha de 10 anos, seu pai, e mais um companheiro e uma companheira que eu esqueci os nomes (faz tempo que assisti Epitaph One, esqueci o nome dos que morreram hehe). Resumidamente, esses 5 malucos evitam o "tech" (tecnologia) a todo custo, e resolvem ir se esconder no subsolo para fugir dos "açougueiros" (os assassinos criados pela Rossum com as invenções de Topher que possibilitavam fazer "imprints" nas pessoas a distância). Nessa, eles acabam encontrando a Dollhouse de LA abandonada. O pai da guriazinha está desmemoriado, então eles resolvem colocar o cara na cadeira e por um bando de memórias deixadas para trás para entenderem o que era esse local. Nisso, através do pai, ficamos sabendo de pedaços de coisas que aconteceram com os personagens da Dollhouse. E enquanto isso, entre eles, há um assassino (e claro que todos suspeitamos do pavio curto do Zone). Quando o grupo está resumido a Mag, Zone e a guriazinha (e nesse ponto a gente já sabe que é a guriazinha que está assassinando gente), eles encontram Whisky/Dr. Sanders que diz saber o caminho para "Safe Haven". E o caminho para Safe Haven começa ao colocarem a guriazinha na cadeira para implantarem nela as memórias de Caroline. E Caroline então os guia para Safe Haven.

E é assim que termina Epitaph One e comeca Epitaph Two.

Mag, Zone e Mini Caroline estão a caminho de Safe Haven, mas são atacados. Acabam indo parar presos numa cela dentro de um galpão. Nesse local, está Harding, antigo chefe da Dollhouse de Washington que criou tanto problema para Adelle na segunda temporada. Harding está gordíssimo (num corpo de outra pessoa, é claro) e pede que seus subordinados tragam os novos "ternos" (corpos de homens jovens e em forma) para ele escolher o que vai "vestir" agora. Entre as opções está Paul Ballard. E Echo está na cela, e juntos eles matam a torto e a direito o pessoal da Rossum, e escapam com Mag, Zone e Mini Caroline.

Echo os leva para Safe Haven, que nada mais eh do que uma fazenda no Arizona, onde eles tem uma vacina para impedir que o pessoal receba imprints, e por lá todo mundo vive feliz e em paz... por hora. A razão pela qual Paul e Echo estavam no galpão da Rossum era para salvar Topher, que estava preso lá, e totalmente traumatizado pois eles assassinavam uma pessoa por dia na frente dele enquanto ele não completasse mais uma invenção para o Harding e cia.


Em Safe Haven estão Priya/Sierra e seu filho (do Victor/Tony?) e Adelle Dewitt, além de Echo e Paul e outros figurantes. Quando eles trazem Topher, ele diz que está prestes a inventar uma máquina que seria capaz de restaurar as memórias originais de todas as pessoas do planeta, mas para isso, ele precisava de equipamento que eles só tinham na Dollhouse de LA. E mais um problema: todo mundo teria suas memórias restauradas para o tempo antes de receberem os primeiros imprints, o que significaria nunca lembrar de nada que aconteceu. E Echo, Paul e Priya/Sierra e alguns outros nao poderiam ficar sem essas memorias. Alias, Priya/Sierra iria esquecer que T. era filho dela... Mas Topher diz que a solução para isso seria eles ficarem um ano no subsolo, e a nova invenção dele não iria os atingir.


Então de volta a LA. Claro que Zone não fica muito feliz, acabaram de fugir de lá, nem terminaram de comer a sopa e já tem de voltar? Oh well, C'est la vie. Nisso, um baita caminhão para na porta, e lá está Victor/Tony no melhor estilo Mad Max, são conhecidos como "Tech Heads", e tem um aparelhinho na cabeça com conector USB para colocarem e tirarem memórias da cabeça deles quando quisessem. Freak Show.

E todo mundo embarca na caçamba do caminhão e se armam no caminho para LA. Chegando lá, um monte de zumbis, quer dizer, açougueiros, os espera, e eles tem que lutar para chegarem na entrada da Dollhouse. Quando estão muito perto de conseguir, Mag é atingida na perna e não consegue caminhar. Paul, rapidamente vai ajudá-la, mas acaba recebendo um tiro e morre. Outra pessoa vem resgatar Mag, e Echo age como se nada tivesse acontecido e eles fogem para a Dollhouse deixando o corpo de Paul lá fora. E Echo agindo como se nada tivesse acontecido.


Quando eles chegam a Dollhouse, surpresa! Está exatamente como antigamente, com Dolls caminhando pela casa tranquilamente. Alpha está por lá, disse que veio para ajudar a limpar a bagunça. Ele fica surpreso por não ver Paul, mas Echo continua sem demonstrar qualquer emoção.

Priya/Sierra e Victor/Tony estão constantemente brigando um com o outro, pela escolha que ele fez de ser um "Tech Head" e que por isso ela não queria que ele chegasse perto do T. (eu sei que é pra gente ficar na dúvida se o guri é filho do Victor/Tony, mas sério mesmo? Claro que o guri é dele).

E por causa disso, Priya/Sierra começa a reclamar de Victor/Tony para Echo, reclamando que ele não faz nada por ela e etc. E é nessa hora que Echo explode, e diz para Priya o quão óbvio é que Tony a ama, mas que ela não quer enxergar e fica reclamando. Mas Echo começa a ficar cada vez mais violenta e destrutiva, e de repente a conversa não é mais sobre Priya e Tony, mas sobre Paul. Ela finalmente está encarando sua morte, e não é nada fácil. Ela sempre se sentiu sozinha desde que Paul "perdeu" a parte da memória que gostava dela, e nunca mais pode dizer que o amava, porque Paul não poderia retribuir esse sentimento. E aí ele morre, e ela está ainda mais solitária.

Topher termina o aparelho. Ele vai então para o último andar do prédio, o antigo escritório de Adelle para acionar a "bomba". Ele sabe que vai morrer quando o aparelho explodir, mas é o unico jeito. Adelle se oferece para ir com ele, mas Topher diz que ela tem que ficar e consertar o mundo. Então ela e Zone levam as Dolls de volta à superfície, enquanto Echo, Priya, Tony, T. e Mag ficam no subsolo. (Mag nao tem imprints, mas está numa cadeira de rodas graças aos tiros que levou, e vai ficar por lá um tempo para se recuperar). Priya apresenta Tony e T. oficialmente como pai e filho. Alpha deixa a Dollhouse antes da bomba explodir, porque quer ter certeza do que vai acontecer com ele, se a bomba vai mesmo funcionar.

E na cena final, Echo encontra um pacotinho na cadeira, provavelmente deixado por Alpha -- que no episódio "Love Supreme" fez uma cópia do cérebro original de Paul. Echo não sabe do que se trata o hard drive, mas mesmo assim o coloca na cadeira e se deita. É Paul, e ele e Echo podem finalmente ficar juntos. Só na cabeça dela, é verdade, mas agora ela finalmente não estará sozinha.

The End.





E ae? Eu me emocionei um pouco. A cena de Echo perdendo o controle, Topher todo amalucado, ver o Alpha de novo mas agindo como uma pessoa decente, Paul levando um tiro - okay, não me importava muito com o Paul não.

Foi um final de temporada que na minha opinião não resolveu muitas das perguntas não. Mas foi um final de temporada ao estilo Whedon, e foi emocionante ao mesmo tempo que revoltante. Não resolveu pergunta nenhuma para mim, mas mesmo assim foi um final satisfatório. Agora vou esperar os DVDs sairem para adicionar à minha coleção. Dollhouse teve seus trancos ao longo do caminho, mas o balanço geral é de uma série excelente, com uma boa trama. O único defeito dela é ter sido uma série da Fox. E todo mundo sabe o quanto a Fox respeita seus seriados.

A partir de agora continuo por aqui só falando de Bones mesmo. Aliás, outra série da Fox. Sim, eu gosto de me torturar. Nas férias de Bones vou ver se conto pra vocês sobre Firefly. Enquanto isso, comprem (ou baixem) os episodios de Firefly e divirtam-se enquanto esperamos Dollhouse em DVD.


site: anitaboeira.net
twitter: twitter.com/anitaefrango

Fotos: Dollhouse's Facebook page

2 comentários:

Rodrigo Ferreira disse...

Eu achei o final satisfatório. Não foi tão impactante como o Epitaph One, mas teve uma carga emocional boa o bastante pra nos lamentarmos pela despedida.

Faltaram explicações sobre como a Whiskey ficou naquele estado, e uns detalhes a mais sobre a "redenção" do Alpha. E as explicações sobre o efeito da invenção final do Topher pra salvar o mundo ficaram bem corridas.

Interessante também foi ver o trabalho de atuação da Eliza Dushku atingindo seu melhor momento na cena em que explode de tristeza e revolta. Finalmente ela conseguiu roubar a cena!

Aquela seqüência final de Echo reencontrando Paul em sua mente me lembrou demais o final de um anime chamado Saikano, que tem uma das histórias mais tristes e trágicas já criadas pra uma série de animação. Altamente recomendado pra quem gosta de emoções fortes.

Enfim, um final digno para uma série que soube amadurecer em tão pouco tempo, e nos ofereceu algumas interpretações memoráveis, com destaque pro meu ator preferido, Enver Gjokaj. Ficarei de olho nos próximos trabalhos desse cara.

Rafael S disse...

Enfim, o fim. Uma coisa que sempre achei é que vale muito mais o poder da sugestão do que algo explícito na sua cara. E esse era o grande trunfo de Epitaph One - um episódio totalmente enigmático, que nos deu apenas pedaços de informação, rápidos vislumbres daquele futuro apocalíptico - e deixou para nós tentarmos imaginar o cenário maior.

Mas Epitaph Two Returns já escancara de vez esse futuro. Não gostei do clima "fazenda de refugiados", onde os sobreviventes viviam. Outra coisa que me "decepcionou" foi ver todo mundo ainda vivo em 2020 - um dos trunfos de Epitaph One era não trabalhar com nenhum dos personagens clássicos (apenas a Whiskey - os outros só apareceram em flashbacks). Mas aqui ver todo mundo vivo pra mim tirou um pouco do fator tragédia para mim.

Mas de qualquer jeito, esse novo paronama veio acompanhado de boas ideias dos roteiristas. A dos "tech-heads" foi muito bem sacada, Ativos que se tornaram viciados em conhecimento, e tentam sempre conseguir mais e mais - e é coerente com o Victor/Anthony, já que no episódio anterior ele provou dessa haibilidade (vício?) ao ser impresso com muitas habilidades para invadir o prédio da Rossum.

Mas a melhor sacada para mim foi colocar Alpha no futuro...como um aliado! Ideia espetacular, e que justamente por ser algo que tivemos pouca informação, dá margem pra imaginação, de como aconteceu essa aliança, etc. E sem contar que a presença de Alpha fecha o arco de histórias entre Echo e Paul (RIP) de modo espetacular, o presente que ele deixou para Echo proporcionou um final perfeito para a série, em uma de suas melhores cenas.

O episódio ainda teve umas forçadas de barra para a sua conclusão (Topher TER que se suicidar, os Ativos no subsolo NÃO serem afetados pelo pulso eletromagnético, etc).

Enfim, foi um fim digno para a série. Infelizmente, não era como eu visulumbrava o futuro, mas o que está feito, está feito.