terça-feira, 1 de maio de 2007

[Heroes] 1x20 - "Five Years Gone"

No décimo episódio de Heroes, “Six Months Ago”, Hiro retorna no tempo na tentativa de salvar Charlie, que acabara de ser assassinada por Sylar. Foi o pretexto que serviu para nos levar a seis meses antes do tempo presente na vida de todos os personagens, num episódio que, se não avançava a trama, foi de fundamental importância para conhecermos mais de suas motivações e mistérios.



Agora, Hiro viaja mais uma vez no tempo, desta vez cinco anos no futuro, em “Five Years Gone”, o pretexto ideal para conhecermos o que acontecerá com os personagens caso New York exploda. Também não avança a trama, traz ainda menos informações relevantes (no momento só consigo me lembrar de duas), mas diverte muito, graças a uma visão totalmente diferente dos personagens e o lugar que cada um ocuparia neste futuro. O fato de que como se trata de um futuro que deve ser evitado, os roteiristas tiveram total liberdade para matar quem bem entendesse, pois todos voltarão vivos e salvos nos próximos episódios.



“Five Years Gone” tem início no exato momento em que terminou o episódio anterior, com o encontro entre Hiros, o do presente e o do futuro. Marty McFly se preocupou à toa: o encontro entre dois “eus” numa viagem no tempo não causa catástrofe nenhuma. No máximo, o “eu” do passado pode ficar com medo de sua versão moderna, e é só. Hiro é sempre divertido, Masi Oka é ótimo, e os roteiristas preferiram ignorar os paradoxos temporais para nos proporcionar este encontro. Por mim, tudo bem.



As revelações de como as coisas ficarão no futuro são interessantes, mas o fato é que pouca coisa se aproveita para a trama em si: se Matt caça outras pessoas especiais e Nikki se torna uma pessoa amarga a ponto de ter desaparecido com Jessica, isso só acontece devido à explosão e o efeito causado (no caso de Nikki, a morte de seu filho). Numa visão bem behaviorista das coisas, é a explosão em New York que determinaria qualquer mudança de personalidade nos protagonistas, e como isso certamente não vai acontecer, o episódio se torna apenas um curioso exercício de “E se...”, bem escrito e empolgante, mas sem muita relevância para o todo.



Nem tudo muda no futuro. Nikki fazendo o que faz melhor.

Duas revelações, no entanto, são relevantes para a trama. A primeira é que finalmente descobrimos o significado de salvar Claire: sem os poderes de regeneração, Sylar morreria pela espada de Hiro e, portanto, não explodiria New York. Como Hiro chegaria a Sylar e porque tentaria matá-lo ainda é um mistério (e talvez será para sempre, pois com a viagem no tempo, agora Hiro tem motivos para fazê-lo), mas o fato é que ao salvar Claire, Peter acabou se tornando o responsável pela explosão (ao menos foi como entendi). Ou seja, voltamos à idéia de que o que tem que acontecer, acontecerá de qualquer forma, o que só aumenta a expectativa para o final da temporada.


Sylar: o verdadeiro "exploding man"?

A segunda revelação é que Mohinder diz ao então presidente dos EUA, Nathan Petrelli, que não há meios de modificar o DNA dos superpoderosos para que desapareça suas habilidades. Essa possibilidade foi levantada em episódios anteriores e até comentei que isso poderia ser tema de temporadas futuras, mas se os roteiristas mantiverem a coerência, isso está definitivamente descartado.



No mais, foram muito boas algumas situações deste possível futuro. Confesso que fui pego de total surpresa com a revelação de que Nathan, na verdade, era Sylar usando os poderes de Candice. Especialmente porque algumas cenas antes vimos Nathan com ordens de exterminar os seres especiais e temendo que Hiro pudesse mudar o futuro. Nathan é um dos personagens mais enigmáticos e se chegasse à presidência, seria perfeitamente possível que fosse dominado por tamanha ambição, a ponto de não querer voltar atrás. A revelação de Sylar ainda nos brindou com aquela terrível morte de Claire que, claro, só poderia ocorrer num episódio “alternativo” como este.


The Hard Part: Hiro quem deve matar Sylar.

Os roteiristas fizeram um ótimo trabalho nos papéis que deram a cada personagem, especialmente com Bennet funcionando como filtro do governo, protegendo os poderosos “inofensivos” e entregando os perigosos, daí Sylar ter conseguido os poderes de Candice e D.L. (além de Molly, a garotinha que Matt protege de Sylar no início da série, provavelmente uma futura protagonista). E, por um breve momento, tive o prazer de rever Hannah, personagem que cobro presença constantemente.


"Sylar"

O episódio infelizmente careceu de um orçamento maior para podermos nos deliciar com grandes seqüências de ação: a entrada de Peter e Hiro no prédio para resgatar o Hiro do passado foi uma referência mais do que óbvia a Matrix e deu pra sentir a vontade dos realizadores em filmar algo memorável. Fizeram o que puderam. O mesmo para o confronto entre Peter e Sylar, que também correria sério risco de se tornar tedioso, já que nenhum dos dois poderia morrer.


Peter versus Sylar. Faltou grana.

E falando no poder da Claire, o episódio também trouxe algumas dúvidas. Por que, por exemplo, Peter tem aquela famosa cicatriz, se ele se regenera instantaneamente? E como a Claire conseguiu sumir, se quando Hiro viaja para o futuro, ela já está com sua avó, Nathan e Peter? Como Micah morreu na explosão e Nikki não? O mesmo vale para Ando. Se Hiro pode se teletransportar (o que certamente teria feito), por que não levou Ando junto? Aliás, porque não parou o tempo, ao invés de cair fora? Eu tenho a impressão que são perguntas que nunca terão respostas, pois dificilmente reviveremos esse futuro alternativo, já que as coisas devem mudar a partir do próximo episódio.



Por último, gostei da relação que o episódio faz com o anterior, na revista que o Isaac envia para a editora antes de morrer. A única imagem que podemos ver no episódio passado é uma mão com uma seringa, e quem poderia ter imaginado que se tratava de Mohinder e o Haitiano? Assim, Isaac realmente salva o mundo: os dois Hiros teriam morrido ali mesmo, sem a intervenção de Mohinder. Bom enfatizar também que não sabemos exatamente para que ponto Hiro voltou no tempo atual. Poderia ter voltado para minutos antes de Sylar matar Isaac? Resposta na semana que vem.


A notícia que chamou a atenção de Hiro. Quem será o bom samaritano?


Episódio divertido e empolgante, mas sendo uma realidade alternativa, dificilmente terá relevância para a trama. Mas e daí? Especialmente porque poucas vezes o roteiro foi tão bem executado. Nota 9,0.



No próximo episódio: Encontro inesperado. Hiro X Sylar.



Hélio.

3 comentários:

rafinha aagostinho disse...

se pensarmos que talvez o hiro do futuro nao tivesse voltado ainda para avisar que salvassem a "team leader", esta ainda estaria sob a proteção do pai e peter ainda nao a teria conhecido. esse pensamento serve tbm para explicar a cicatriz em seu rosto, pois ele nao teria o poder de regeneração.

Thais disse...

Oi gostaria de saber o nome da música de quando a Nikki esta dançando e o Hiro do futuro assiste junto com o Ando???
Obrigada...

Alexandre disse...

Oi gostaria de saber o nome da música de quando a Nikki esta dançando e o Hiro do futuro assiste junto com o Ando??? [2]
Obrigado!