sábado, 7 de novembro de 2009

[Dexter] 4.06 - If I Had a Hammer

Brega, mas normal **

Por Danielle M



Estranhamente, alguns amigos meus gostaram mais deste episódio do que o anterior. Acho estranho sim porque este foi bom, aliás, excelente, mas nem se compara ao nível de emoções [/clichê] do outro.

Mas vamos aos fatos. Este foi o típico episódio de transição, toda uma cena montada, a gente sente no ar a preparação para a treta que virá. Debra caçando Trinity, LaGuerta e Angel se arranjando como podem, Quinn e a vaca da jornalista à espreita, e por fim, ele, Trinity/ Arthur, absurdamente banal e incrível. Dex tem mesmo o que admirar e aprender. Talvez por isso, a procura de um novo mentor, Harry não tenha aparecido.

Começar na igreja já deu a dimensão do quão normal Trinity pode ser. Cantando, sorrindo, com a família e construindo casas aos necessitados. Bom demais para ser verdade. Partindo disso, Dex já acha que ser pai, diácono e marido é camuflagem. Bem, as coisas não são tão simples assim. Por isso acho que Dex é uma série que não possui saídas mirabolantes, mas o caminho até elas, ahh, aí é diferente e complexo. Série que se preocupa com diálogos, com pausas, com o drama todo, meu povo!

O que foi aquela cena de Dex segurando o vaso mortuário da irmã de Trinity? Isso que eu chamo despertar monstro. Foi uma ótima opção já terminar com os casos do assassino, isso coloca o homem sob a perspectiva de Dexter, do que ele precisa encontrar para acabar de vez com o serial killer. Tudo na "calma", já que crimes por agora não precisarão ser evitados.

Limpeza de consciência **

Como eu disse, nada mirabolante, as pistas foram dadas e muitos de nós já sabíamos que a motivação de Arthur estava ligada a acontecimentos trágicos de sua família. Apesar de não ser surpreendente, achei que o que interessava estava ali, como ele escondia suas coisas, seu ritual e sua obsessão. Quer dizer, o homem mata no país todo e armazena as provas bem debaixo de suas obras de caridade. Isso sem falar na prova que ele planta, DNA familiar. Gente, quer mais desespero para ser encontrado, ou legado, como Angel opinou, maior que este?

Gastando minha sociologia não tão de botequim, todo ritual é sagrado. E por sagrado entenda-se mesmo como algo próximo ao divino. O ritual que dá o sentido desta aproximação com o divino. A tal conexão. Trinity/Arthur é um homem comum, com sua família comum, tentando fazer o bem. Isso o faz se sentir normal, adaptado, sei lá, humano. Mas para que o seu drama pessoal ainda tenha voz, para que ele possa lidar com isso, mata. Repete os crimes naquele ciclo infindável. Ou ele quer parar, ou simplesmente deixa as cinzas da irmã para dar sentido a sua vingança. Por isso em cada cena de crime, repetia "não é minha culpa, você sabe". A vingança não era sua. Mas em nome de sua família. Assim, o assassinato da irmã desencadeou o suícidio da pacata mãe dona de casa. O alcoolismo do pai e sua morte bem sangrenta também foi consequencia desta família fragmentada pela tragédia. Arthur não afoga as mágoas na bebida, muito menos considerou o suícidio, tampouco virou policial. Ele criou seu alter ego; Trinity. Ahh sagrada tríade!

Despertando o monstro **

Dexter ao se aproximar de Trinity precisa entender Arthur [mode clichê OFF], fica perplexo ao perceber que ele sente uma afeição genuína por sua família e nas palavras do próprio "minha família me salvou". Dex acaba recebendo assim, de graça, um conselho inusitado de Arthur. Ficar próximo dos seus. Mergulhar com os dois pés.

Na terapia, Dex tenta fazer isso. Ele não tem mais escolha, precisa ficar com Rita e as crianças, mas também esconder seu outro lado. Isso rende boas cenas ao longo do episódio. Como enxugar os pratos e tentar selecionar mentalmente que assuntos conversar com Rita!

Terapia não é ótimo? **

No final, Dex consegue tudo...por enquanto. Seu espaço, literalmente, guardado numa casa no quintal. Infantil, mas resolveu e com tranca e tudo! Para alguns isso é felicidade!

Cenas sitcoms da semana em Dexter :P

- Dex presenteando todos: - Pensei que a gente sempre fica sem pão. Rita: Sempre ficamos sem leite, você comprou uma vaca também?
- Dex e Debra: - Alguém pegou as pesquisas de Lundy. Dex "mentalmente": Eu! E só existe uma pessoa que poderia fazer isso - Eu?
- Dex, Rita e a terapeuta: T: Acho que Dexter precisa de um espaço para ele mesmo, como pessoa. Dex: -Sim, é isso também, mas eu realmente preciso de um espaço para minhas coisas.
- Dex e Rita: -As pessoas fazem isso? Dizem o que pensam? Em voz alta?
-Camisa de Harrison: My Dad is geek.
- Dex na casa de Arthur: -Brega, mas normal!
- Dex para Arthur: Arthur: Você precisa ter suas próprias ferramentas. Dex "mentalmente": -Obrigado por me dar a sua arma do crime.

** Fotos: Reprodução.

/@danna_

3 comentários:

Lee disse...

Pôxa, Danielle, eu quase perdi a conta das vêzes que eu passei por aqui para ver se vc já tnha postado a sua crítica do epi 4.06 do Dexter.
As suas observações, assim como as da Célia realmente viciam.O prazer de le-las, saborea-las é quase como assistir ao epi.Um belo dia vi o seu nome por aqui, mas você estava comentando um documentário sobre o Michael Jacknson, se não me engano.
Finalmente hoje, li,e é claro, adorei.E gosto muito também desse quadro que você criou sobre os momentos sitcom da série.
Mas, sobre a série o curioso é que o Arthur/Trinity é um cara tão doentio que na sua vida de pai de família, membro valoroso da comunidade/ cidadão ativo nas boas ações, realmente passa a impressão de um homem muito bom, generoso e solidário.A preocupação que vi nos olhos dele quando o Dexter lhe mostrou o dedo sangrando foi genuína(e aí, creditos para a excelência do ator que o representa).Mas sobre o futuro, os próximos episódios, estou muito apreensivo mesmo.Parece que tudo se encaminha para um grande clímax.Que embora não saibamos o que é, certamente arrepia a galera toda.

danielle m (danna) disse...

Oi Lee! Desculpe a demora, fim de ano é muita correria e, pra falar a verdade, eu preciso mesmo estar no clima para ver Dex. hahahah

Anônimo disse...

Agora que o Trinity matou a mulher do Dexter, só resta a ele ficar com a mulher do Trinity para que ele possa criar os filhos usando o dinheiro que ele tirou do Trinity ao mesmo tempo que dá uma nova vida aos ex familiares do Trinity.
Futuramente o filho do Dexter sofrerá dos mesmos problemas que o Dexter sofreu, já que passou pelo mesmo problema, ver a mãe morta em um local todo ensaguentado ficará para sempre na mente do menino...