domingo, 8 de julho de 2007

[FNL] 1x04 Who's Your Daddy?

Os Panthers preparam-se para o jogo contra seus arqui-rivais, Arnett Meade. Depois de terem seus vestiários depredados pelos rivais, os jogadores do Panthers resolvem partir para o ataque, mesmo após prometerem ao treinador que não haveriam retaliações. Enquanto isso, Coach Taylor precisa decidir-se com quem começar a partida: Voodoo que chega arrasando nos treinamentos ou Saracen que mostra-se desconcentrado e com problemas demais extra-campo. Jason ganha a companhia de um irritante colega de quarto e Lyla mostra-se arrependida, mas cada vez cedendo mais às investidas de Tim Riggins.

10. "Voodoo". Só pra constar, mas idéia péssima todos os trocadilhos com o apelido do cara. Isso só me faz odiar mais ainda o balofo do Buddy 'got-my-vooodooo-workin'...
9. Pra uma semana sem jogo, conseguiram um bom plot ao explorar a rivalidade com os Meades. Afinal, embora invista em relacionamento, ainda é um seriado de futebol, ou o que acontece em sua volta...
8. Jason ganhou um colega de quarto extremamente irritante, mas isso pode ajudar-lhe a dar a volta por cima nessa nova fase. Arrisco-me a dizer que as intenções do colega são exatamente essas, como ocorreu na recuperação do movimento de um dos braços de Streets, num momento de raiva.
7. Calado e mala. Voodoo precisa ser melhor desenvolvido, além de ser o antagonista da equipe. Sei que ele tem todo aquele background em ser sobrevivente do Katrina, mas se não me reafirmarem isso a cada desafio que ele propõe, não sobra discussão moral alguma.
6. Algo que não esperava era a visita surpresa de Tyra a Jason, ainda mais pra pedir desculpas por... Riggins. E ela mostra tanta dignidade que até eu deveria desculpas a ela.
5. Ao mesmo tempo que enfrenta um Voodoo muito melhor preparado do que ele, Matt enfrenta um terrível caso de demência de sua avó. Com tantos problemas, ele alivia toda sua pressão destruindo o carro do quarterback do time rival, que mesmo sendo justificável pelos seus problemas, retira um pouco da sua santidade.
4. O casal Taylor me faz lembrar muito o casal Cohen em The O.C., com aquele discurso (conservador) de que os casamentos ainda são bens duráveis. Mas, aqui em FNL, beneficiados por serem personagens principais, o casal tem um relacionamento com mais falhas e acertos, que dão a impressão de algo mais maduro, principalmente pela compreensão de Tami. A dinâmica é brilhante, até discutindo embaixo da mesa.
3. Tim ultrapassou todos os limites e Lyla está desorientada. Uma pena que o sonho dela de viver ao lado de Jason possa estar chegando ao fim. Ainda assim, Lyla mostra-se arrependida pelo beijo no episódio passado e espera não ir para o inferno. Depois da cena caliente que não vimos (mas imaginamos... e como imaginamos), arrume suas malas, Lyla, e abandone as esperanças na porta.
2. "Eu acho que disse ao garoto pra dar uns amassos em nossa filha no banco de trás de seu carro". Na melhor frase do episódio, Coach Taylor constata que seu conselho pra tirar a tensão de Saracen tinha alvo certo: sua filha Julie.
1. Fica difícil torcer por um casal que não consegue trocar sequer meia-dúzia de palavras, e quando finalmente conseguem, Matt inventa de fazer uma comparação sem sentido com as pinturas de Jackson Pollock (escolher um expressionista deve ser sempre a última opção). Mesmo assim, até sentimos uma química entre os dois, nem que seja pena por parte de Julie. Mas por favor né, poderiam ter dado uma atividade mais distinta pra pobre Julie, porque ter outra dançarina no seriado já é falta de imaginação. Ela bem que poderia jogar vôlei, fazer ginástica olímpica ou natação, eu sei lá...



e.fuzii

2 comentários:

Comentarista Dani Mística disse...

Uhuu, FNL está entre as melhores séries. Finalista do Emmy (bom, se aquela lista que vazou na internet tá valendo...)

Comentarista Fuzii disse...

Pois é, e merece.
Kyle Chandler (que ainda não aparece entre os 10) tbm.