terça-feira, 21 de outubro de 2008

[FNL] 3x03 How the Other Half Lives

Em mais uma semana de partida em Dillon, o grande problema continua sendo o quarterback titular da equipe. Pelo menos essa é a pressão que o treinador tem de aguentar no churrasco de abertura da temporada. Tudo muda durante o disputado jogo contra o Armet Meade, quando Saracen parece numa performance incrível levar o time à vitória. Mas um fumble a poucos metros de marcar pontos, nos minutos finais de partida, colocou fim ao jogo de superação de Matt Saracen. Se por um lado é duro ver o jogador derrotado no meio da end zone, tudo isso faz com que ele se aproxime mais de Julie e ainda abra espaço para a disputa com J.D. McCoy. Pela forma como seu pai é pintado como vilão -- embora tenha todos os motivos para mandar, já que agora é um dos principais financiadores do time --, é uma questão de tempo para Coach Taylor acabar colocando o garoto em jogo. Tudo que a cidade quer é o grande jogador, que até aqui já é comparado com Streets. Mas a questão é: o que J.D. quer? Ser essa réplica da arrogância de seu pai ou um monstrinho criado por ele? Porque pela bizarra cena na sala de troféus, o garoto não parece muito confortável com esse culto em torno dele.

Continuo achando interessante essa nova Lyla que criaram para ficar ao lado de Tim, até porque não existe mais nenhuma menção do seu relacionamento com Streets, da sua temporada na igreja ou até o triângulo amoroso que ambos faziam parte. Na única cena que traz de volta a Lyla que conhecemos, ela não se aguenta e dá risada do patético voto de casamento de Mindy, retirado diretamente de Procurando Nemo. Além de um momento engraçado, chega a ser triste por imaginarmos o destino de Billy Riggins, que como vemos nos jogadores atuais, tinha todas as chances para ser bem sucedido, mas jogou fora todas essas chances na primeira janela. Essa é a motivação também para a cena do roubo, que só passa a ser crível quando temos dois irmãos que só dependem um do outro nessa vida. Por outro lado, a história de Smash falhou por tentar voltar ao ponto de partida. Se Brian tivesse recebido essa proposta de promoção na semana passada -- ou antes de ter a chance de fazer um teste na universidade -- até daria para entender o seu dilema. Mas depois que ele treinou tanto para alcançar seu sonho, essa reviravolta pareceu um filler para completar o tempo de exibição do episódio.

Play of the Week: Por conta dessa maior duração na tv a cabo, o grande trunfo de Friday Night Lights é contar com as partidas de futebol. Nesse episódio, tivemos a partida mais longa desde a final do State, e como sempre a câmera dentro de campo é especial por trazer cada movimento e cada som. Matt Saracen foi o destaque enquanto comandava a equipe. Não sei se a voz rouca veio depois de tanto filmar, mas cada um seus gritos funcionaram para aumentar ainda mais a tensão da partida.



e.fuzii

Um comentário:

Davi Cruz disse...

Fuzzi, muito bom o teu comentário!

Adoro FNL e tenho um blog dedicado a séries em geral. Já postei alguns comentários aqui também, pois gosto muito dos teus textos e acompanho o CES desde os primórdios, com o tio Ribas).

Recentemente criei um podcast, no meu blog http://toassistindo.wordpress.com, que está na 2ª edição (ainda beta).

Gostaria que você desse uma olhada e deixasse sua opnião. É um programa pequeno (17 minutos) sendo que fala de FRINGE, SARAH CONNORS e, principalmente, de FNL (aprox. 10 minutos).

O link direto é: http://toassistindo.wordpress.com/2008/10/26/podcast-2-series-da-semana/

Valeu cara!