terça-feira, 9 de outubro de 2007

[Heroes] 2x03 - "Kindred"

Diante de mais um longo e entediante episódio de transição para os eventos principais da temporada, é de se perguntar sobre o futuro de Heroes. Verdadeiro teste de paciência para os fãs, este terceiro capítulo preencheu 42 minutos com dois ou três elementos interessantes, perdidos entre seqüências mal desenvolvidas, com diálogos e situações ruins. Minha impressão é a de que os autores têm toda a idéia da segunda temporada planejada, mas que talvez seja insuficiente para ocupar 22-24 episódios.


Um grande problema para uma série com super-heróis é o que fazer com personagens poderosos demais. É por isso que Hiro foi mandado para o ano de 1671, Peter está na Irlanda com amnésia e Sylar, devido aos ferimentos que sofreu, não consegue utilizar seus poderes. E quanto mais tempo puderem ficar nessa situação, melhor. É por isso que Hiro se recusa a voltar, apaixonado por uma moça, e Peter (também interessado em uma mulher) se recusa a abrir a caixa que revelaria sua identidade. E agora que Sylar adquiriu os poderes de Candice, certamente sua incapacidade de utilizá-los deve durar por mais alguns episódios. A não ser que se trata de mais uma ilusão de Candice, o que eu duvido. O fato é que nem a história de Hiro nem a de Peter são interessantes o suficiente para justificar suas condições. Vamos ver o que o futuro reserva para Sylar.


Não vou perder mais tempo com Hiro ou Peter. Não há nada de interessante nas aventuras de Takezo Kensei (nem mesmo pudemos ver sua batalha com 90 guerreiros) e, apesar dos instintos assassinos de Peter, o roubo de um carro-forte é bastante frustrante. E, afinal, quem não iria querer matar o cara que acabara de lhe dar dois tiros?


Já o aguardado retorno de Sylar foi bem melhor, ainda que o episódio tenha guardado pouco tempo para o personagem. O mistério das cenas vistas no preview, onde Sylar estava à beira-mar, fisicamente saudável, ao lado de uma bela mulher, foi bem resolvido: uma ilusão de Candice, que o salvou da morte no final da primeira temporada. Seu poder, aliás, é uma boa justificativa para a mudança de atriz, já que Missy Peregrym, que fez tão bem o papel na temporada passada, está na nova série Reaper. Como Candice trabalhava com Linderman, é provável que um dos 8 sobreviventes da velha geração esteja por trás do rapto de Sylar. Infelizmente, detalhes disso ficam pra episódios futuros.


Sylar e Candice: doce ilusão.


O outro retorno neste episódio foi o de Niki e Micah. Não esperava a morte de D.L., que terminou a temporada gravemente ferido, mas acredito que não vá fazer falta, já que esse núcleo familiar foi um dos pontos fracos da série no primeiro volume. Micah é deixado na casa de Nana (sua avó? mãe de D.L.?), e não acredito que esta seja a desculpa perfeita para se livrar do moleque: o suspense criado para mostrar a nova personagem e sua aparência um tanto exótica me leva a crer que ela pode ser da geração de Linderman, Nakamura, etc.


Enquanto isso, Niki vai parar diretamente nas mãos da Companhia atrás de uma cura. O que não ficou claro é se Niki está com a praga que afeta os heroes ou se o que ela quer é uma cura para sua dupla personalidade. Aposto nessa segunda opção. Espero que o favor que a Companhia espera dela seja algo bem mais interessante que o favor pedido pelos ladrões irlandeses a Peter.


Nana: nova (velha) geração de heroes?


No México, os desinteressantes irmãos Maya e Alejandro continuam sua jornada até os EUA. É uma prova de como os autores querem conectar as coisas, mas com situações pouco inspiradas e mal elaboradas. Depois de uma absurda tentativa de roubar um carro debaixo do nariz de um policial, Alejandro é preso (no primeiro episódio ele consegue fugir de policiais motorizados; desta vez, ele não consegue correr mais do que um policial gordinho) e Maya vai socorre-lo usando mais uma vez seu dom maligno. E eis que eles fogem levando um americano que, vejam só, está com o carro roubado de Claire! Genial, não? O problema é que eu não consigo ignorar todo o absurdo dos acontecimentos e isso inclui o fato de um americano estar preso no Mexico, com o carro roubado bem no estacionamento da delegacia!


Falando em Claire, seu envolvimento com o peter-pan é digno de um drama teen, com direito a diálogos ruins, canastrices (o ator que faz West é muito ruim) e seqüências que parecem ter saído de um comercial de televisão. O que foi aquele vôo pela cidade?!


"Super Nescau, energia que dá gosto!"


Quanto a sua descoberta de que Mr. Bennet já raptou West não me parece tão importante. Afinal, ela sabe que seu pai trabalhava para a Companhia, então não há motivo para ficar com “raivinha” dele. Com certeza isso vai mudar quando ela conhecer o conteúdo do oitavo quadro da coleção de mortes de Isaac Mendez. Apesar de sabermos que nem sempre as profecias de Isaac se realizam (é só lembrar que New York não explodiu), foi o desfecho perfeito para se manter o suspense na série, depois de um episódio que mais enrolou do que empolgou.


Faces da Morte. By Isaac Mendez.


Episódio fraco, sem muito a acrescentar, evidenciando mais os defeitos do que as qualidades da série. Nota 6,0.


No próximo episódio: Molly tenta localizar o homem de seus pesadelos; e mais uma nova heroes: Monica.




Hélio.

11 comentários:

Comentarista Ribas disse...

PoisHélio (tá boom, foi fraca hehehe)

Tempos atras eu fiz um adendo falando do Suluh, hoje, não farei um adendo, apenas venho aqui comentar que, por mais que Heroes esteja indo beeeeeeeeem devagar, eu adoro essa série, justamente pelas participações e pelos convidados especiais que eles trazem...

Seja no elenco fixo, seja em passagens rápidas, bem no estilo de HQ`s...

Adorei rever a Tenete Uhura (Nana), companheira do Suluh (pai no Hiro), com ela, vemos aumentado o número de tripulantes da Enterprise (clássica), alias, até caberia uma teoria hehehehe

Quem sabe eles não são, eles mesmos, desempenhando alguma missão na terra e, em face disso, dariam a impressão de terem super poderes, frente aos humanos atrasados...

Tá bom! Forcei, maaaaaaaaas seria tãooooooo legal!!

Michel Arouca disse...

Acho que estamos todos de acordo, os roteiristas estao querendo testat nossa paciencia!! Eita epi chatinho viu!!
Ótimo comentario Hélio.
Se vc quiser fazer uma parceria depois e trocar links dos nossos blogs é só dar um grito!!
Abraço

www.pilotobrasil.blogspot.com

Comentarista Rodrigo "Wolv" Ferreira disse...

É realmente triste ver uma série com tanto potencial ir pro buraco dessa forma.

Cadê aqueles episódios arrebatadores que tivemos logo no início da série, que me fizeram ficar realmente empolgado pra conferir o que viria pela frente?

Agora a principal ameaça é um serial killer que tá matando os "Heroes das antigas"? Bah! E eles acham isto mais desafiador que uma bomba prestes a destruir Nova York?

Ou será que eles acham que aquela cópia do Vírus Legado (quem leu X-Men na década de 90 já sacou esse plágio desde o início) é algo suficientemente poderoso pra reunir os heróis em torno de um mesmo objetivo?

E concordo totalmente com o Hélio em seus comentários a respeito de Hiro, Peter e Sylar. Se eles estão a fim de manter estes personagens dentro do elenco fíxo, pq não tentam ter idéias mais criativas pra utilizá-los, ao invés de servirem-se deles só como desculpa pra empacar a trama principal (muito fraca até agora nessa temporada).

E, realmente, tá duro de agüentar o "lado teen" de Heroes nessa temporada. Na 1ª eu até gostava do plot da Claire, mas agora, toda vez que a garota entra em cena, parece que enfiaram um trecho de Malhação por engano enquanto faziam a edição do episódio.

Se continuar assim, a série não demora muito pra ficar com seus dias contados.

blackstar disse...

ah, eu gostei do episódio! tá certo q o assalto do alejandro foi ridículo, mas eu acho q os produtores vão dar um jeito de ligar tudo isso. eles fizeram isso na temporada passada, anyway...

agora, o começo da 1a temporada foi mnt devagar tbm! heroes sempre foi lerda! e depois do fim da temporada passada, eu n espero mnt coisa dos efeitos especiais da série... só queria entender a compulsão do sylar de sair matando todo mutante q vê pela frente!!!!

ah, quase esqueci, essa trama de matar os chefões de uma companhia é plágio de outra hq, e n é a 1a vez q heroes plagia essa hq, a trama de deixar uma bomba detonar para um líder se sobressair foi tirada da hq q eu esqueci o nome :p

Comentarista Dani Mística disse...

Helio, posso estar enganada, mas a mãe do DL aparece na 1a temporada, Nikki vai até ela e deixa o Miccah.Aliás, elas não se davam . E não era essa atriz que apareceu não.

Eu gosto do West e acho que ele pode ser um vilãozinho, mas nem tem como argumentar muito, tá fraco sim!

**adorei as legendas das fotos! Rá. Foi uma singela homenagem a Superman, hahaha.

Comentarista Fuzii disse...

Quanta irregularidade, não?
Mas é interessante como os supergêmeos se completam, né? Digo nas expressões faciais, já que Maya aparece o tempo todo sofrendo (mesmo quando não chora petróleo) e Alejandro o tempo todo nervosinho. Que belas atuações...

Teve lado bom? Teve sim. Eu gostei da revelação que West já havia sido aprisionado pelo HRG. As suposições de que ele poderia ser da Companhia foram por terra e será interessante ver o provável episódio "Meet The Parents" no futuro.
Claro, a não ser que Mr Bennet seja riscado do mapa antes disso, infelizmente...

Tatiane disse...

A Dani tá certa. A mãe do DL já apareceu antes.
Nana é tia-avó do Micah. (Tenho minhas fontes: Tim Kring. Tá bom pra vocês? Hehehe)

Eu tinha reparado que o carro do carinha americano era um Nissan Rogue, mas não tinha juntado as peças. Duh!

Concordo que o Hiro continuar no Japão tá com jeito de enrolação, mas vamos ver no que vai dar.
Até que isso se explique direito ele tá é com ciúme da namorada do Kensei.

Anônimo disse...

Legal, eu nao tinha reparado que o carro onde os 2 irmaos cucarachas fogem é o mesmo carro roubado de Claire (os produtores bem que poderiam ter ajudado e colocado algum adesivo ou desenho no carro, pra gente reconhecer o carro, porque senão fica sendo só mais um carro qualquer).

E nao sabia que a atriz que está fazendo Reaper é a mesma que fazia a Candice em Heroes...

De resto, talvez porque eu nao seja muito fã de historias em quadrinhos que se limitam a super-herois trocando porrada com super-vilões (odeio essa parte), eu tenho achado Heroes bem mais interessante que a maioria dos "críticos" de blogs... Se por um lado a sub-trama de Hiro está meio chatinha, e a volta da chaterrima familia de Nikki Sanders desanima (deveriam ter aproveitado e matado o Micah), eu acho bastante interessante acompanhar o que está acontecendo com Claire, o policial Matt, Peter, Mr. Bennet, Sylar... Prefiro isso que porradaria de super-heroi contra "super-vilao que quer dominar o mundo"...

Nem o roubo do carro-forte eu achei ruim, seria sim uma bleosta se ja comecasse com algo grandioso no estilo de "roubar o Fort Knox porque eu sou super". Detesto essas babaquices.

Enfim, só para dizer que gostos sao diferentes... Em Homem-Aranha 1, eu adorei o filme, ate o exato momento que aparece aquele palhaço fantasiado voando sobre uma prancha ou sei-lá-o-que. A partir dali, o filme vira uma tremenda babaquice para mim. Legal era acompanhar Peter Parker descobrindo seus poderes de Aranha, e nao assisti-lo lutando contra um Bozo bobalhão.

[ ] Rubens

Anônimo disse...

Poderia fazer uma dissertação só com os furos e incoerências dessa série. Mas vou ser mais sucinto: Heroes é a prova de que picaretagem pode enganar muuuuuita gente

Anônimo disse...

Heroes não se garante em nada! Não tem roteiro, não tem ação! É um lixo!!!!!!!!!

Anônimo disse...

Por que "picaretagem"?... O objetivo de um programa de televisao é entreter. Se as pessoas se entreteem, o programa atingiu o seu objetivo. Nao tem picaretagem alguma, porque nada de realmente sério é para ser passado aqui, o objetivo é meramente distrair.

[ ] Rubens