quarta-feira, 26 de setembro de 2007

[Extra] Bom mesmo é ser coadjuvante


Já é clichê. Todo mundo fala que tal ator coadjuvante roubou a cena. Foi-se o tempo que para garantir uma série de sucesso bastava um protagonista bonzinho e um antagonista bem vilanesco.

O legal hoje é escolher um cast de peso. Onde cada um faz toda e qualquer diferença, elenco bom brilha junto. E sem contar que é uma vantagem danada segurar uma série como "escada". A responsabilidade é atenuada e os louros da fama, quando há acerto, são demais. As manchetes sempre vão exaltar o cara que salvou a série do fracasso, que "carrega" sozinho e por aí vai...

Eu gosto bem de apreciar o trabalho dos atores coadjuvantes, acompanhar as fofoquinhas de bastidores (quando eles resolvem bancar a diva e exigir maior participação) e, principalmente, é a minha premiação Emmy/Oscar/Golden Globe favorita. Se existe uma categoria na qual muitas vezes a justiça é feita é essa.

Fiquei pensando nos atores e atrizes que me dão gosto de ver, alguns deles já se tornaram lenda pop e são até maiores que a própria série. É o caso de Hiro Nakamura, de Heroes. Pensou na série, na mesma hora lembrou dele, associação imediata. E é um trabalho bem simpático, indicado ao Emmy e muito querido pela imprensa. O bordão "Save the cheerleader, save the world" não seria a mesma coisa sem ele.

Tenho uma missão


Nos idos dos anos 90, legal mesmo era assistir Barrados no Baile ( o nome pegou em português porque a Globo a exibiu quase que integralmente). Os gêmeos Brandon e Brenda eram bacaninhas, a família era bacaninha, mas os coadjuvantes eram de arrasar. Kelly, Donna, Steve, Pete (o cara das tortas), Andrea, David, Dylan e Valerie (que está mais para antagonista), seguravam a série de tal maneira, que ela continuou mesmo após a saída dos protagonistas. Isso que é poder.


Que Brandon e Brenda o que...


Ainda nas séries antigas, destaco o diretor assistente Skinner, de X-Files (Arquivo X). Ajudou Mulder e era uma figurinha que ganhou história e episódio próprios. Supra sumo de um coadjuvante que dá certo.

Mulder, você está insinuando o que?


Ainda em AX, os Pistoleiros Solitários eram tão queridos pelos fãs que ganharam uma spin off, The Lone Gunmen, não deu certo, mas AX não seria a mesma coisa sem a presença dos doidões conspiratórios.

Eu acho que vi um Ovni. Sim, sim, eu vi um Ovni.


Em Millennium, quem se destacava era Peter Wats, aliás, Terry O´Quinn está habituado a roubar cenas. Faz isso em Lost e ganhou, finalmente, seu prêmio Emmy. Num elenco tão grande, destacar-se já é um grande mérito, que divide também com o maravilhoso Ben Linus. Não dá para pensar em Lost sem eles.

Bigodinho e cabelo para Millennium

Jacob ama você

House tem um problema sério de coadjuvantes. Como brilhar com Hugh Laurie arrasando a cada cena? Difícil. Mas Eric Foreman consegue, ele é o único capaz de desafiar House, que o admira bastante. Cuddy também é legal, assim como Wilson, mas as suas histórias estão muito vinculadas a House, do elenco coadjuvante, só Foreman ganhou história própria.


Ele é o cara.

Supernatural tem John Winchester como coadjuvante e o papai está acostumado a roubar cenas em outras séries ( e morrer nelas, ao que parece). O ator Jeffrey Dean Morgan já deu expediente com brilho em Grey´s Anatomy (com direito a poder voltar como fantasminha camarada na nova temporada) e Weeds.

Sou tão bonito quanto eles

Cold Case é um caso clássico onde os coadjuvantes são melhores que a protagonista. Lilly é bem chatinha.Muitas situações forçam a barra para a detetive. E toda aquela fragilidade chega a irritar. Mas o cast é imprescindível. O chefe, Scoth, Vera...esses comandam.


Solta o cabelo, lindinha.


Medium não seria nada sem Joe e as meninas. O melhor marido do mundo, super compreensivo. Joe é o cara.

Minha mulher vê gente morta

E por fim, o melhor elenco de coadjuvantes que conheço; Dexter. Não tem como destacar alguém, no máximo revelar a minha total simpatia para com Angel, por toda La passion.

Laguerta eu adoro, mulher macho, sim senhor. E ser mulher, latina e num cargo de comando no meio de um bando de caras não é para qualquer um. Doakes é um grande personagem também, cara de durão, mas faz a linha família e tem uma queda por Deb, que lhe dá suavidade e humaniza. Rita e as crianças me enchem de alegria, sem elas, Dex não teria as melhores cenas cutes. Mas não posso esquecer de Masouka e suas tiradas com alto teor sexual.


Elenco bom.


Ahh, tem muita gente boa que ficou de fora, mas eles ficam como coadjuvantes :P


Danielle Mística

Um comentário:

Comentarista Ribas disse...

Já elogiei o texto pelo messene, maaaaaaaaas não tinha reparado no final...

"Ahh, tem muita gente boa que ficou de fora, mas eles ficam como coadjuvantes :P"

Adorei huahauhaa