terça-feira, 6 de novembro de 2007

[CRIMINAL MINDS] 3X06 / Estréia da nova comentarista


Olá a todos!
Alguns talvez já me conheçam da comunidade no orkut ou, talvez, de posts bem antigos aqui. Há tempos que eu colaboro, eventualmente, com o blog, com alguma tradução, com algum contato com blogs de outros países, etc. Mas há tempos, também, que venho adiando uma colaboração regular, apesar dos gentis, honrosos e reiterados convites. Realmente eu não dispunha de tempo ou foco para comentar uma série semanalmente; agora espero poder fazer um bom trabalho e estar à altura, pelo menos, dessa série que eu adoro, dos leitores do blog e do comentarista que me antecedeu!

Indo ao que interessa, quero começar esclarecendo que meus comentários deverão ser postados às quintas (os episódios vão ao ar às quartas). Esse chegou um pouco atrasado porque eu estava atrasada com a terceira temporada e só agora acabei de assistir tudo.

Como o Ribas já comentou, nos episódios anteriores dessa terceira temporada, a coisa ainda não engrenou. A segunda temporada foi tão boa, com seqüências de episódios tão interessantes, que essa terceira está deixando a desejar. Tanto por alguns dos casos apresentados como pela saída do Gideon. Agora mais ainda, pela chegada do novo personagem.

SSA DAVID ROSSI (Senior Supervisory Special Agent David Rossi, encenado pelo ator Joe Mantegna). Esse é o homen. Esse é o novo membro da equipe do BAU que veio para ocupar a vaga deixada pelo Gideon. Muito curiosa essa escolha. Confesso que não formei opinião ainda e que precisarei de mais alguns episódios para sacar não só qual é a dele como também a dos roteiristas ao optarem por esse estilo para o novo personagem.




Joe Mantegna, na abertura, já como membro da unidade.

Gideon era o 'pai de todos'. Sábio, ponderado, experiente, competente, compreensivo, amigo, solidário. São alguns dos adjetivos que podemos usar para ele. Tudo bem que o personagem teve que sofrer uma reviravolta, teve que ser tomado por angústias e dúvidas existenciais para justificar a debandada do ator. Ainda assim, a essência do Gideon era essa. Eu, muito ingênua, já estava a imaginar um senhor paternal e acolhedor para substituí-lo. Sim, eu era e ainda sou muito fã do Gideon. Qual a minha surpresa quando me deparo, nesse episódio, com algo completamente diferente.

David Rossi é um agente aposentado há mais de dez anos e que se oferece para voltar à ativa quando sabe que há uma vaga no BAU. Ele foi um dos membros fundadores da Unidade e, agora, se apresenta muito altruísta, desprovido de qualquer interesse, dizendo que vai retornar para ajudar, para colaborar. Logo percebemos que nada disso é verdade. Ele é atormentado por um antigo caso, não resolvido, e parece retornar para esclarecer algo, para vingar algo. (Esperamos que todos logo percebam também - se bem que ele foi mais claro com o Hotch, no final).

Algum tipo de lembrança dos três filhos de uma família vítima de um
crime que o Agent Rossi investigou mas, ao que parece, não desvendou.


Mas o maior problema, fora a falta de sinceridade, é que ele pertence à outra época do FBI. Os métodos e as posturas eram outros. Ele é individualista, questiona as vantagens de se trabalhar como um time; é precipitado, descuidado, afobado na visão dos demais; além disso, agressivo e arrogante em muitos momentos, passando por cima dos membros da equipe.
No caso apresentado nesse episódio, as conseqüências nem foram ruins (se bem que poderiam ter sido, sim), mas meu maior receio é em relação ao que isso causará ao entrosamento do grupo (que já se encontra abalado pela ausência do Gideon, a separação do Hotch, as pressões sobre a Prentiss, e o Reid que não sei se continuará seu namoro com as drogas). Para ser um personagem fixo como ele será, muita coisa terá que acontecer logo para que não fiquemos assistindo apenas a intrigas e desentendimentos e voltemos a ver a perfeita sintonia desse time trabalhando.

Já escrevi muito mas não posso deixar de ao menos mencionar o caso da semana. Um criminoso ressentido por não ser notado volta-se contra mulheres que desejou e que nem o notaram. O estilo do Rossi até que serviu mas não foi o decisivo para o esclarecimento. Sem as descobertas da Garcia, não teria adiantado nada.


Mensagens deixadas pelo unsub - que clama por ser visto - para suas vítimas.


Qu venham os próximos episódios! E que o seriado se reaproxime do seu perfil da segunda temporada. Vejamos o que nos aguarda.

9 comentários:

Comentarista Ribas disse...

Demorooooooooooooooooou!!!

Mas valeu a pena esperar!!

Mais batuta ainda foi vc estrear quando tivemos uma estréia no seriado, que promete trazer reviravoltas e acabar cm o marasmo criado pela saída do traíra...

Só vim dar as boas vindas, pois graças à equipe de legendas mais molenga da internet e, à minha vagabundagem p/aprender o idioma direito, eu ainda não vi o episódio...

Mas assim que ver, eu volto p/comentar mais

Beijão e sinta-se em casa, até pq tem muita coisa sua por aqui hehehe

Daniel Vaz disse...

Opa, nova comentarista no CES quer dizer mais agilidade e pensamentoss diferentes, mais teorias para discutirmos e mais textos para lermos! \o/ hohoho...

Seja bem vinda, gostei do comentário, espero ler muitos. Volto para ler o próximo, combinado? ;)

Comentarista Celia disse...

Obrigada pelas boas vindas!

Espero corresponder às expectativas!

Comentarista Davi disse...

Oi Celia.

Bem vinda ao grupo e muito sucesso!

Comentarista Celia disse...

Tks, Davi!

Simbad disse...

Bem vinda, sucesso pra vc! ! !

Comentarista Celia disse...

Tks, Simbad!

Comentarista Fuzii disse...

Olá, Celia!
Seja muito bem-vinda!

Comentarista Celia disse...

Olá, Fuzii!!
Já li muita coisa sua na comu no orkut!!
E obrigada pela recepçao!