quarta-feira, 28 de outubro de 2009

[Glee] 1x08 - Mash-Up

por Má B


Seria apenas mais uma cena clássica de darwinismo onde o mais forte se impõe ao mais fraco numa tentativa ínfima de sobressair frente aos demais, não fosse a magia como que ela é feita.Gosto quando os seriados sabem brincar com um bom clichê. É uma escola, afinal de contas.

Um garoto qualquer, que se não me falha a memória ainda não havia aparecido em Glee, joga uma raspadinha no rosto de Finn, e como se não bastasse, joga um grande problema na cara do casal Quinn e Finn (argh), talvez maior do que a gravidez de uma cheerleader na adolescência: ELES PERDERAM A MORAL.

Não vou questionar aqui se perder a moral trata exatamente de estar grávida ou de cantar no clube da Luluzinha. Já faz um tempinho, ok, que eu sai da escola, mas QUE PORRA É ESSA DE GANGUE DO SUQUINHO?

AMEAÇAR COM CANIVETE PRA QUE , NÉ
SE EU POSSO JUNTAR UM MONTE DE MANO
E JOGAR SUQUINHO NA SUA CARA

Eu não sei de vocês, mas no meu tempo as ameaças eram um pouquinho mais pesadas, tipo levar na escola o canivete suiço do papai ou meu-irmão-sabe-todas-as-lutas-do-street-fighter -de-cor-e-vai-matar-você. Caro roteirista, não sei a escola bichinha que você estudou mas SUQUINHO NÃO É ASSUSTADOR, fica a dica.

A única explicação viável para isso tudo é um boicote às indústrias armamentícias.

Bom, voltemos.

A cena que se segue tem como protagonistas talvez o casal mais sem sal da face da Terra: Ken e Emma, o casal anti-herói, o casal que nada combina, o casal que faz você aí na sua casa se orgulhar de namorar/casar com aquele imbecil porque “pelo menos não somos como Ken e Emma”.

- Emma e eu de fato vamos casar
- Sim, e Ken me convenceu que é preciso estar pelo menos no mesmo espaço
- O que eu posso dizer? Sou tradicional.

Então, quando eles procuram Will para que ele crie um mash-up, a vontade que eu tenho é de bater na Emma. Ele já vai ter o PIOR CASAMENTO EVER e nem a porra da música o cara pode escolher? Ainda que Thong Song seja a pior escolha possível (e é), a gente fica no aguardo da mistura. Sounds like fun.

Saldo final: a não-relação atinge o seu ápice nesse episódio e ouso dizer que eles conseguiram FINALMENTE roubar a cena com um repleto diálogo divertido e bem estruturado.

Como sempre Will dá um show de coreografia, mas o áudio está cada vez mais deixando a desejar. Eu até tento não ficar irritada, como em 'Poison', mas está cada vez mais pior. Dançar e cantar não é exatamente fácil, mas SEJA MENOS DISNEY POR FAVOR.

Aliás, se você não gosta dessa coisa forçada, desligue a TV, amiguinhos. Glee exige TODO O LADO criança-feliz que estiver dentro de você. Aquela cena clássica de contos-de-fadas em que a mocinha sorri para um pássaro idiota e em dois minutos a mãe natureza toda está dançando e cantando com ela, bem, isso você verá em Glee. A maneira como alguns passos são ''improvisados'' soa perfeito demais, irritante demais, se você não souber apreciar. Bom, eu sei. E é por isso que eu gosto tanto da série.

E falando em gostar da série, a nossa vilã é simplesmente demais.Adoro as cenas de Sue falando no jornal, subjugando as pessoas, com um Q de Boris (Google diz: Whatever Works, de Woody Allen), gerando excelentes quotes. "Não tem mulher?” “Ela se afogou (...) E agora eu tenho o quarto só pra mim". PORRA. UM DOS DIÁLOGOS MAIS ENGRAÇADOS do episódio todo, um cara tão narcisista e arrogante quanto SUE, que faria um par excelente, e no mesmo episódio os roteiristas conseguem FERRAR com isso tudo. Só espero realmente que esse cara continue na série porque eu gostei muito dele.

Mas o destaque mesmo se dá a Emma nesse episódio. E eu digo isso porque eu não gosto muito dela, não. E vou explicar o porquê. Ela é ruiva, tem mania de limpeza EM EXCESSO e é uma mulher extremamente decente. Onde foi que eu vi isso mesmo?

Ela não me convence, também. Não é questão de ser crítica (tá, é), mas alguém que tem completo pavor de encostar nos outros, como pode protagonizar aquela cena de dança ao som de I Could Have Danced All Night com Will? Oi eu tenho TOC mas quando você me TOCa eu esqueço todas as minhas doenças por você (meu filho se você não parou de ler aqui por causa do trocadilho ruim, você não vai parar mais, desiste)?

E a cena de Will dançando The Song é simplesmente DEMAIS. Quase garante o episódio inteiro, não fosse algumas coisas que a gente ainda não engoliu. Como o fato de Glee acelerar as coisas demais. Puk em um episódio está querendo assumir o filho com a Quinn e dois minutos depois ele quer algo com a Rachel? Ok, a gente sabe que adolescentes mudam de opinião rapidamente, mas a gente precisa acompanhar essas mudanças, senão o seriado periga de virar apenas um show de musicais com personagens que poderiam ser melhores aproveitados não fossem as cenas bizarras com que eles são colocados. Histórias e tramas que poderiam ser facilmente desenroladas em 3 ou 4 episódios (se fosse Lost, em 15 temporadas) se resolvem em 5 minutos.

Por isso encerro aqui pedindo por favor aos queridos roteiristas que não nos decepcionem mais. Dê-nos boas tramas que estes personagens merecem, eles são bons, sim. E eu continuo achando que vocês sofrem de ejaculação precoce.

PS: prazer, eu sou a Má B e através de uma raspadinha de 1,99 dei um golpe de estado no efuzii, e agora quem comenta Glee sou eu. Espero que gostem.


Má B.
www.twitter.com/ma_b

3 comentários:

Jackslackofsurprise disse...

Deu vontade de ver só pra conhecer essa versão feminina do Boris.

danielle m (danna) disse...

Querida, bem vinda! :))

e.fuzii disse...

Oi Má B! :)
Quer saber? Até gostei de como trataram essas ameaças através das "raspadinhas". Se tivesse parado só na primeira cena, quando Finn toma na cara, concordo que seria realmente bizarro, mas depois estruturaram tão bem nas outras situações que ficou bacana. Esse tipo de drama leve é que espero de Glee.

Acho que tirando Sweet Caroline, nenhuma outra música realmente me conquistou. E isso é um problema...

Entre todas as relações do episódio, a mais frustrante acabou sendo Sue decepcionando-se com o âncora. Sacanagem, merecia mesmo uns bons episódios pra desenvolver isso. Acho que gastaram uma possível trama de humanização (sem aspas) de Sue muito cedo.