segunda-feira, 5 de outubro de 2009

[Séries - Comédias] Semana 2

Por Hélio Flores


A idéia é que, no futuro, estes posts sobre comédias tenham um número maior de séries comentadas, com o acréscimo das novidades que ainda não sabemos se vão durar (atualmente, tenho visto e me interessado por Bored to Death, Community, Modern Family e Cougar Town) e de novas temporadas que ainda estrearão (30 Rock, obviamente). O número da semana no título refere-se, claro, ao número de episódios exibidos de cada série o que nem sempre vai corresponder. Mas vocês pegaram a ideia, né?

Seguem os comentários da semana.


Reprodução

The Office

6x02 - The Meeting

Não tão bom quanto a estréia da temporada, é sempre difícil acertar o tom quando se fragmenta o episódio em duas ou três tramas: no caso, Dwight e Toby/Pam e lista de convidados/Jim e sua entrevista. Claro que a melhor delas foi a entrevista, não apenas com o resultado final que certamente irá render muitas situações não só cômicas (Michael Scott “promovido” a co-gerente), mas até dramáticas (a cara de Dwight não foi de partir o coração?), mas também por acompanharmos o desespero de Michael em saber do que se tratava. Por mais que “The Office” tenha um time coadjuvante brilhante, parece não haver limites para o que Michael pode fazer e isso é sempre o ponto alto da série (ao contrário de Dwight, por exemplo, que não consegue atingir os ápices da 2ª temporada ou de quando Jim o sacaneava). No mais, faltaram boas piadas envolvendo os funcionários confirmando a presença na festa de casamento de Pam, e a gozação com a irmã de Darryl é o humor mais fácil e bobo que existe. O melhor, contudo, foi o prólogo do episódio, coisa que a série já se especializou e nos tem brindado com algumas das situações mais memoráveis de sua história. Desta vez, Michael pedindo conselhos a Oscar de como deve se comportar em uma colonoscopia. Genial.


Reprodução

How I Met Your Mother

5x02 - Double Date

Melhor que o season premiere, foi um desses episódios que faz brincadeira com a estrutura narrativa, com idas e vindas no tempo. Confesso que isso sempre me diverte, um diferencial importante de outras sitcons. E com um personagem tão fraco quanto Ted, resta a ele esse tipo de coisa para que não se torne irritante. Reviver um encontro fracassado sete anos depois foi dessas tramas bonitinhas que a gente assiste com um sorriso no rosto. A graça mesmo veio com os demais amigos, com Barney levando Marshall a um clube de striptease e encontrando lá uma stripper que é a cara da Lily. Esse é o tipo de situação cômica clichê, mas que a série consegue reinventar pela forma como se desenvolve: primeiro, a piada dos Doppelgangers (até o final da temporada, provavelmente veremos os de Ted e Barney), depois a forma hilária com que Marshall tem fantasias com outras mulheres (quanto mais se alongava a história, mais engraçada, e o segredo está todo aí), a reação de Lily a tudo isso e, claro, Barney – sua reação ao ver “Stripper-Lily” e como ele fingia não ouvir as reclamações de Robin. O único porém é como a situação de namoro entre Barney e Robin, no episódio anterior, foi resolvida de uma hora pra outra. Não houve menção aqui. Uma pequena incoerência que não tira o brilho do episódio.


Reprodução

The Big Bang Theory

3x02 - The Jiminy Conjecture

Mais uma vez, o ponto fraco fica por conta de Penny e Leonard. É algo que quem assiste, infelizmente, tem que conviver. Sheldon, Raj e Howard, no entanto, fizeram valer à pena. Impressionante como Jim Parsons consegue arrancar risadas com a mesma situação sempre (seu riso falso ao entender ou criar uma piada sarcástica). Na verdade, a ignorância de Sheldon sobre regras de convivência social tem sido mais engraçada que sua inteligência sobre as demais coisas. A decepção fica por conta da participação especial do comediante Lewis Black, que aparece como um entomologista bem peculiar, desses papéis que são marcados com uma característica bem forte que é o que leva ao humor (no caso, um brilhante cientista que resmunga sem parar sobre todas as coisas). Achei que o tom agressivo, despejando frases sem graça, não foi uma boa combinação. Teria sido bem melhor se inventassem que uma grande conhecedora de insetos era Leslie Winkle. Não seria bem mais engraçado e interessante que ela demonstrasse que Sheldon estava errado?


Reprodução

Parks and Recreation

2x02 - The Steakout

E a série continua apresentando melhorias, à medida que vai saindo da sombra de “The Office”. O curioso é que, como sua série de inspiração, trouxe um episódio que também se dividiu em storylines, mas parece ter sido mais feliz, pois se também não foi campeã de risadas da semana, ao menos foi mais consistente. Leslie continua se distanciando de uma “Michael Scott de saias”, o que é bastante positivo – porque na comparação, Poehler sempre sairia perdendo. A dinâmica entre ela e Tom foi simpática, embora com poucos momentos inspirados (Tom usando nomes de rappers como se fosse nome científico de plantas). E espero que no futuro os roteiristas não aprontem um relacionamento amoroso entre eles. O ponto alto, no entanto, foi a situação envolvendo a hérnia de Ron. As reações de April foram as coisas mais engraçadas do episódio, e pra mim ela tem sido o grande destaque desse início de temporada. Quanto ao triângulo envolvendo Ann, Mark e Andy, ainda não se tornou interessante, provavelmente porque falta química entre Ann e Mark, que também não conseguem ser engraçados – a piada de que Andy tenta adivinhar os finais dos filmes que vê parece mais engraçada no papel do que quando dita por Ann. De qualquer forma, a série está ficando mais coesa e inspirada.



/helioflores

4 comentários:

Má B. disse...

Sobre HIMYM: tb vi uma certa incoerência no 'acerto' no relacionamento de Robin e Barney, porém a série muitas vezes "volta" ou se foca numa coisa só, e acho que eles ainda devem tratar disso.

Não acho o personagem do Ted fraco não. Só não é o engraçado, a graça dele estar em ser completamente loser. Não é como o Jack de Lost, por exemplo, que é importante pra trama porém é um IMBECIL total, ou como a Meredith de Grey's Anatomy , e eu poderia citar milhões de outros.

Esse epi me arrancou boas risadas, bem mais que o 1o. Eles abusam de clichê do jeito certo. Só não gostei de Robin não gostando de Barney ir na boate strip. Quero q ela ñ perca o jeito dela que é ser meio fria e talz.

Sinceramente sinto que o casal vai acabar antes mesmo da temporada.


(@ma_b)

Rafael S disse...

Episódio fraco de The Big Bang Theory. A trama de Leonard e Penny bem deslocada, e para piorar teve um desvio totalmente manjado. E pro resto do trio, sobrou ficar caçando um grilo dentro do prédio...tirando algumas sacadas individuais (como Sheldon e seu cofre de quadrinhos), foi um episódio de poucas risadas.

Hélio disse...

Má, concordo que o comportamento de Robin não combina com sua personalidade. Parece uma daquelas situações que se cria pra fazer humor, sem levar em conta a coerencia da personagem.

Seria bom que no futuro eles voltassem a esta situação, mas nao ficou com cara de que seria o caso.

Pra mim, talvez o Ted seja fraco porque o ator é fraco. Ou ele nem é tao fraco, mas os demais sao tao bons, que isso lhe deixa apagado. O que nunca é bom pra um protagonista.

Rafael, confesso que achei bem simpatica e engraçada toda a historia do grilo. Pra mim, MUITO melhor que o season premiere. Agora, Penny e Leonard sempre serao deslocados.

Abços!

Blogger disse...

I have just downloaded iStripper, and now I enjoy having the hottest virtual strippers on my desktop.