quinta-feira, 29 de outubro de 2009

[Lie To Me] 2x02 - "Truth or Consequences"


por Mario Toshio

Foi só Lie To Me vir com um episódio focado um pouco mais em seus ótimos personagens que já me agradou. E olha que nem foi um episódio tão diferente assim, manteve a linha dos dois casos de sempre, mas dessa vez a diferença foi que em ambos tínhamos um dos "especialistas-sobre-mentira" envolvidos emocionalmente nos casos.

Foster e Loker assumem o caso da Receita Federal para investigar uma possível fraude de imposto de renda em uma "igreja".
O caso é bizarro: Um Igreja com cerca de 150 seguidores, vivem em uma espécie de vila, onde 30 casas são registradas como Igrejas Individuais e por isso ganham isenção do imposto de renda. E tem mais, existem apenas três homens adultos em toda a vila, o líder Jamie Cowley conta que os homens são enconrajados a explorar o Mundo quando completam 16 anos, as mulheres ficam...


Cowley tem 12 filhos biológicos em seu "harém" disfarçado de ingreja e Foster percebe algo de errado com uma das mulheres, Catehrine. Porém é seu filho que assume tudo, diz que a mulher não crê em nada do que é pregrado na igreja, mas tem medo de fugir e perder seus filhos para Cowley.
Foster ajuda Catherine a fugir e mente para a Receita Federal, Loker ajuda e mente também...


Dr. Cal Lightman assumiu o caso que sua ex (Zoe) lhe pediu, um garoto da faculdade é acusado de estupro pelo pai de uma menina de 16 anos, após os dois se relacionarem em uma festa de fraternidade. A garota, Susan Reed, frequenta a mesma escola que Emily, isso torna o caso muito mais curioso e preocupante para Cal, principalmente depois de encontrar identidades falsas e anticoncepcionais na gaveta de sua filha.


O promotor do caso, Jay Putt, chega pra avisar que além da acusação de estupro, Cabe também será acusado por distribuição de pornografia infnatil, já que apareceu um vídeo na internet do seu ato com Susan. Na mesma câmera que filmou Susan e Cabe, Lightman vê um vídeo de sua filha com duas garotas mais velhas e quando Cal vai conversar com as duas, fica claro a sua preocupação com a filha, ao mandar as duas ficarem longe de Emily.


As garotas explicam que tinham um pacto com Susan de "estar com um garoto da faculdade, antes de estar na faculdade..." e o vídeo foi a prova de Susan, óbvio que a garota se sentiu mal com tudo isso, contou ao pai, mentiu e por isso Cabe estava sendo acusado.
Enquanto retira as acusaçãos, o promotor ouve o pai da garota inconformado dizendo que sua filha é vítima e que "alguém tem que pagar..." , Cal percebe que o pai vai tentar fazer alguma besteira, ele imaginava que ele fosse atrás de Cabe, quando percebe que na verdade ele culpa o sistema por tudo. O promotor é morto, o pai da garota preso e Lightman percebe o quanto é difícil criar uma adolescente de 16 anos no Mundo de hoje.

Imagens: Reprodução

Bom, o episódio foi melhor, mas isso não muda o fato de que Lie To Me precisa evoluir muito pra conseguir me fazer assistir a temporada toda, não tenho nada contra séries sem mitologia ou sem grandes cliffhangers, mas infelizmente não consigo ficar acompanhando episódio por episódio...
Torço pra que as coisas melhorem, ainda tenho fé em
Shawn Ryan (ex-The Shield) que entrou pro time nessa temporada e em Tim Roth que é um excelente ator.

Quero pedir desculpas pela demora do post, na verdade já fazia algum tempo que ele estava "quase-pronto", mas me faltou tempo pra finalizar, tentarei fazer os dois próximos posts duplos, com o 2x03 e 2x04; 2x05 e 2x06...

Abraços!

Mario Toshio
twitter: @mario_toshio

2 comentários:

Rubens disse...

Por que será que o brasileiro tem essa necessidade de uma novela? "Série sem mitologia ou sem grandes cliffhangers"... Puxa vida, eu assisto seriados americanos desde a década de 60, ha quase 50 anos, e o grande barato dessas series sempre foi o fato que cada episodio conta uma historia unica, com inicio/meio/fim. Não tem capítulos, não precisa ter assistido um episódio anterior para entender o seguinte. Enfim, NÃO É NOVELA!

Mas o brasileiro parece preferir o esquema latino das novelinhas, dos episodios entrelaçados uns com os outros, onde o personagem namora, noiva, casa, trai, separa, casa novamente, morre... :-/

Espero que o povo americano nunca se acostume com esse tipo de seriado, e continue privilegiando aqueles que tem episódios totalmente isolados uns dos outros. Para a tv deles permanecer como está.

danielle m (danna) disse...

Opinião é opinião, aí vai a minha. Acho um simplismo bobo esse de colocar "os brasileiros preferem", como se alguns poucos escolhidos que "se salvam" pudessem compreender o sentido da vida , aka, séries de TV.

Ora, ora. As melhores séries, geralmente, são as mitológicas, as que tem cliffhanger. São essas as mais dramáticas, as que ganham prêmios, as que têm mais fãs apaixonados e que geram mais discussão . Justamente por ter complexidade, exigir de quem vê uma memória eletiva e afetiva. E olha que não são poucas as que escolhem este caminho. Poucas, na verdade, são as que se fecham em episódios com começo, meio e fim. Muitas são comédias, ou as famosas séries policiais e médicas, por razões óbvias, são estudos de caso, mas mesmo assim, mantém um fio de história que unem os episódios.

Acho que o amigo, em seus 50 anos de série, parece assistir um determinado tipo. Ou então se esqueceu destes vários outros exemplos que existem! Os americanos, brasileiros, russos, jamaicanos, adoram! E pouco, ou nada, tem a ver com a estrutura de telenovela, aliás, produto nacional que não deveria ser tratado com este desdém todo. Além de uma comparação deveras non sense, na minha humilde opinião.